sábado, dezembro 31, 2011

Últimas palavras de 2011

Detesto despedidas. É certo que hoje se fecha mais um ciclo na vida de todos nós. É certo que perdemos algumas pessoas ao longo deste ano, que tivemos alegrias, tristezas, momentos bons e momentos maus. É certo que percorremos novos caminhos, que iniciamos desafios, terminamos outros, sorrimos ou chorámos, consoante os dias e as noites.
Cumpre-se hoje mais um etapa com o ano que passa e as memórias que ficam para trás, encerradas no baú à espera de serem recordadas daqui a algum tempo. Passou mais um ano mas o ciclo repete-se e começa já daqui a pouco.
Em 2012 procurem fazer a diferença! Vão à procura da felicidade e pratiquem-na.

Até já.

...

"Hope there's someone
Who'll set my heart free
Nice to hold when I'm tired"

2011

O ano está a chegar ao fim. Não faço balanços nem projecto o ano de 2012. O melhor mesmo é viver um dia de cada vez e todos os pequenos prazeres da vida. É isso que pretendo: viver ao máximo e junto daqueles que me fazem bem.

Vá, agora é tempo de começar a jantar...:)

quinta-feira, dezembro 29, 2011

Pôr-do-sol

É assim que quero recordar o pôr-do-sol:

Caminhar pela areia na praia deserta com o mar lá ao fundo. Ouvem-se as ondas que morrem no areal e o sol num amarelo torrado que cai lentamente no azul do céu. Aos poucos põe-se no horizonte, acompanhado por um rasto alaranjado onde o mar parece terminar. Onde tudo pode acabar porque se trata do pôr-do-sol. Aquele pôr-do-sol.

Poema do silêncio

Sim, foi por mim que gritei.
Declamei,
Atirei frases em volta.
Cego de angústia e de revolta.

Foi em meu nome que fiz,
A carvão, a sangue, a giz,
Sátiras e epigramas nas paredes
Que não vi serem necessárias e vós vedes.

Foi quando compreendi
Que nada me dariam do infinito que pedi,
- Que ergui mais alto o meu grito
E pedi mais infinito!

Eu, o meu eu rico de baixas e grandezas,
Eis a razão das épi trági-cómicas empresas
Que, sem rumo,
Levantei com sarcasmo, sonho, fumo...

O que buscava
Era, como qualquer, ter o que desejava.
Febres de Mais. ânsias de Altura e Abismo,
Tinham raízes banalíssimas de egoísmo.

Que só por me ser vedado
Sair deste meu ser formal e condenado,
Erigi contra os céus o meu imenso Engano
De tentar o ultra-humano, eu que sou tão humano!

Senhor meu Deus em que não creio!
Nu a teus pés, abro o meu seio
Procurei fugir de mim,
Mas sei que sou meu exclusivo fim.

Sofro, assim, pelo que sou,
Sofro por este chão que aos pés se me pegou,
Sofro por não poder fugir.
Sofro por ter prazer em me acusar e me exibir!

Senhor meu Deus em que não creio, porque és minha criação!
(Deus, para mim, sou eu chegado à perfeição...)
Senhor dá-me o poder de estar calado,
Quieto, maniatado, iluminado.

Se os gestos e as palavras que sonhei,
Nunca os usei nem usarei,
Se nada do que levo a efeito vale,
Que eu me não mova! que eu não fale!

Ah! também sei que, trabalhando só por mim,
Era por um de nós. E assim,
Neste meu vão assalto a nem sei que felicidade,
Lutava um homem pela humanidade.

Mas o meu sonho megalómano é maior
Do que a própria imensa dor
De compreender como é egoísta
A minha máxima conquista...

Senhor! que nunca mais meus versos ávidos e impuros
Me rasguem! e meus lábios cerrarão como dois muros,
E o meu Silêncio, como incenso, atingir-te-á,
E sobre mim de novo descerá...

Sim, descerá da tua mão compadecida,
Meu Deus em que não creio! e porá fim à minha vida.
E uma terra sem flor e uma pedra sem nome
Saciarão a minha fome.

José Régio

quarta-feira, dezembro 28, 2011

terça-feira, dezembro 27, 2011

Listen up

...

segunda-feira, dezembro 26, 2011

Puzzle

Não escolhemos tudo conforme queremos. Antes começamos por desatar o nó da pluralidade de sugestões que se nos apresentam. Como abrir uma caixa bem funda, meter lá a mão e ir tirando uma a uma, todas as peças lá contidas. Que têm um lugar, único, onde encaixam. Tal e qual como um puzzle.

Primavera

"O Inverno cobre a minha cabeça, mas uma eterna Primavera vive no meu coração"

Victor Hugo

Viver

Não existem segredos e grandes mistérios para se viver. Esqueçam as grandes soluções, as fórmulas secretas ou as receitas milagrosas. Levantem a cabeça, deixem que o sol e a chuva batam de frente, de olhos fechados, visualizem tudo o que nos é dado. A vida é uma dádiva inexplicável que precisamos saber aproveitar.
Aproveitemos os pulos do coração, as corridas da respiração, o transcendente que nasce de cada passagem. Acreditemos no impossível, no sonho por realizar, na aventura louca e infantil, na experiência por conquistar dos beijos que ainda aprendemos a dar. Um a um, trocados e saboreados lentamente, com a calma do sol que se põe no horizonte.
Deixemo-nos encantar pelos sorrisos pueris, encantados na graça do desejo secreto por revelar. Viver está na graciosidade do momento em que encaramos as voltas da montanha russa, sem apontar o dedo, de braços bem no ar, festejando a hora e todos os segundos de felicidade. Que nos marca, que vai connosco, guardada nos recantos profundos da superfície da pele. A pele onde habitam os sentimentos mais reais.
A vida que foi feita para viver a mil, não é mais do que a vontade voraz de fazer permanecer marcas tatuadas nas pessoas. Como se viver fosse deixarmos-nos ficar cá para a eternidade. E ter essa visão desde o paraíso.

Coda

Numa tarde soalheira em que não se estava a sentir bem, Steve Jobs sentou-se no jardim das traseiras da sua casa a reflectir sobre a morte. Falou das suas experiências na Índia quase quatro décadas antes, dos seus estudos sobre o budismo, e das suas opiniões acerca da reincarnação e da transcendência do espírito.
"Acredito cerca de 50 por cento em Deus", disse ele. "Durante quase toda a minha vida senti que devia haver na nossa existência mais do que a nossa vista alcança."
E reconheceu que, ao enfrentar a morte poderia estar a sobrestimar a possibilidade de acreditar na imortalidade. "Gosto de pensar que algo sobrevive para além da morte. É estranho pensar que acumulamos toda a nossa experiência, e talvez um pouco de sabedoria, e que tudo isso desaparece. É por isso que quero acreditar que algo sobrevive, que talvez a nossa consciência perdure."
E ficou em silêncio durante muito tempo. "Mas, por outro lado, talvez seja como um interruptor", acrescentou. "Clique! E já está."
Fez nova pausa e esboçou um sorriso. "Talvez seja por isso que nunca gostei de pôr interruptores nos dispositivos Apple."

Biografia de Steve Jobs

quarta-feira, dezembro 21, 2011

A vida não cabe numa teoria

"A vida... e a gente põe-se a pensar em quantas maravilhosas teorias os filósofos arquitectaram na severidade das bibliotecas, em quantos belos poemas os poetas rimaram na pobreza das mansardas, ou em quantos fechados dogmas os teólogos não entenderam na solidão das celas. Nisto, ou então na conta do sapateiro, na degradação moral do século, ou na triste pequenez de tudo, a começar por nós.
Mas a vida é uma coisa imensa, que não cabe numa teoria, num poema, num dogma, nem mesmo no desespero inteiro dum homem.
A vida é o que eu estou a ver: uma manhã majestosa e nua sobre estes montes cobertos de neve e de sol, uma manta de panasco onde uma ovelha acabou de parir um cordeiro, e duas crianças — um rapaz e uma rapariga — silenciosas, pasmadas, a olhar o milagre ainda a fumegar."

Miguel Torga

O bem pelo bem

Lembro-me muitas vezes de um filme chamado "Favores em Cadeia". Tudo porque acho que as pessoas tendem a ser para nós aquilo que somos para elas.

Se bem me lembro, no referido filme, e tal como o nome indica, a personagem principal começou por procurar alguém necessitado de ajuda a quem fazia determinado "favor", ajudando-o. Depois a pessoa ajudada teria de prestar outro "favor" a alguém e assim sucessivamente.

Transpondo tudo isto para a realidade, e a razão de estar a escrever este post, a sensação que tenho é que se fizermos o bem a alguém depois iremos "receber" na mesma proporção. Uma espécie de troca do bem pelo bem. Com o mal funciona da mesma forma. Maldade traz coisas negativas.

Basicamente, praticar o bem não é um favor. Mas funcionará quase como tal porque quem recebe sensações positivas transmitirá sensações positivas. Teremos, sem o perceber, os tais "Favores em Cadeia". E afinal de contas não podemos viver isolados do mundo. Todos precisamos uns dos outros e transmitir e dar o que de melhor temos em nós.

quarta-feira, dezembro 14, 2011

segunda-feira, dezembro 12, 2011

segunda-feira, dezembro 05, 2011

Loucura

«A felicidade, em Portugal, é considerada uma espécie de loucura. Porquê? Porque os Portugueses, quando vêem uma pessoa feliz, julgam que ela está a gozar com eles. Mais precisamente: com a miséria deles. Não lhes passa pela cabeça que se possa ser feliz sem ser à custa de alguém.»

MEC

segunda-feira, novembro 28, 2011

O medo de nós próprios

«Acredito que se um homem vivesse a sua vida plenamente, desse forma a cada sentimento, expessão a cada pensamento, realidade a cada sonho, acredito que o mundo beneficiaria de um novo impulso de energia tão intenso que esqueceríamos todas as doenças da época medieval e regressaríamos ao ideal helénico, possivelmente até a algo mais depurado e mais rico do que o ideal helénico. Mas o mais corajoso homem entre nós tem medo de si próprio. A mutilação do selvagem sobrevive tragicamente na autonegação que nos corrompe a vida. Somos castigados pelas nossas renúncias. Cada impulso que tentamos estrangular germina no cérebro e envenena-nos. O corpo peca uma vez, e acaba com o pecado, porque a acção é um modo de expurgação. Nada mais permanece do que a lembrança de um prazer, ou o luxo de um remorso. A única maneira de nos livrarmos de uma tentação é cedermos-lhe. Se lhe resistirmos, a nossa alma adoece com o anseio das coisas que se proibiu, com o desejo daquilo que as suas monstruosas leis tornaram monstruoso e ilegal. Já se disse que os grandes acontecimentos do mundo ocorrem no cérebro. É também no cérebro, e apenas neste, que ocorrem os grandes pecados do mundo.»

Oscar Wilde, in 'O Retrato de Dorian Gray'

domingo, novembro 27, 2011

Partir

Mais difícil do que partir fisicamente é permanecer espiritualmente.

sábado, novembro 19, 2011

window

:|

Escrever no iPad

Não quero parecer chique, mas consegui arranjar uma forma gira de começar a actualizar o blogue através do iPad. (:

A partir de agora será mais fácil até porque ando de iPad para todo o lado. (:

Engraçado era arranjarem uma aplicação do género desta para o iPad. É que esta é do iPhone! Quem souber mais do que eu, por favor ajude! (:

segunda-feira, novembro 14, 2011

Palma da mão

As palmas das mãos têm os traços da vida. Dizem. Basta passar os dedos ao de leve e ficar a conhecer. Ou então apertar com força.

...

«Bastava-nos amar. E não bastava o mar.
E o corpo? E o que nele se enleia?
O vento como um barco: a navegar
Pelo mar, por um rio ou uma veia.
Bastava-nos ficar. E não bastava
O mar a querer doer em cada ideia.
Já não bastava olhar.
Urgente: amar.
E ficar.
E fazermos uma teia.
Respirar. Respirar.
Até que o mar pudesse
ser amor em maré cheia.
E bastava. Bastava respirar
A tua pele molhada de sereia.
Bastava, sim, encher o peito de ar.
Fazer amor contigo, sobre a areia.»

Joaquim Pessoa

domingo, novembro 13, 2011

quote

«Sempre entrei em campo para jogar futebol como se o mundo fosse acabar após o apito final e aquele fosse a última oportunidade que tinha para impedir uma catástrofe»

Paulo Futre

quinta-feira, novembro 10, 2011

quote

«Sou apenas um escritor. Um cultivador. Um jardineiro. Um florista. A minha felicidade flutua entre o estrume que deponho na raiz das palavras e o aroma que me excita quando acabo de as colher.»

Joaquim Pessoa

domingo, novembro 06, 2011

Tranquilidade

Para terminar a noite de domingo. Uma grande versão de uma grande música. Para ouvir, com o volume para lá de meio, e se possível (sugiro eu) com os olhos semi cerrados.

Idade

Gosto de pensar na idade como um número. Mas na verdade há sempre alturas na vida em que somos demasiado novos para algumas coisas. Ou demasiado velhos para experimentarmos certas sensações. A preparação para as circunstâncias que nos surgem ao longo dos dias faz com que seja assim. Reagiremos de forma diferente, teremos pensamentos distintos, mas concordaremos que não é fácil esquecer os tais números. Estão lá as diferenças que separam. Soma, subtrai, multiplica ou divide os números (da idade ou não). Baralha e volta a dar. E a idade não deixa de ser um número.

quinta-feira, novembro 03, 2011

quote

«Mourinho ilumina uma casa enquanto Guardiola baixa as persianas»

Zlatan Ibrahimovic

quarta-feira, novembro 02, 2011

Love it

...

terça-feira, novembro 01, 2011

True

segunda-feira, outubro 31, 2011

Roubei

«Acima de mim só a chuva... e até essa me cai aos pés...»

domingo, outubro 30, 2011

Jogo

Sábado joguei de caneleiras (e não gosto) porque era a nossa estreia no torneio de futebol de 7. Mais do que isso, fui capitão de equipa, estive no lançamento da moeda ao ar, perfilamos para o público (algum) presente nas bancadas e depois fomos cumprimentados pelos jogadores da equipa adversária.

Não joguei por aí além. Tive uma entrada por trás sobre um adversário. Fiquei no chão a ajeitar as caneleiras, pedi desculpa ao jogador da outra equipa e ajudei-o a levantar-se do relvado. Passei pelo árbitro e vi um cartão amarelo. Aí, senti-me um jogador à séria.

Foi a primeira vez que jogamos todos juntos. Perdemos 3-1, mas conseguimos estar empatados 1-1 durante algum tempo. E a primeira oportunidade de golo foi nossa. Eu não aproveitei o remate à entrada da área. Melhor do que tudo isso foi que me senti como peixe na água. Senti-me completamente solto e sem pensar em mais nada. Como se aquele fosse o meu mundo e tudo encaixasse na perfeição. E isso foi o que ficou. Para repetir.

Groove

Gosto da palavra. Não sei bem se esta música tem ou não, mas John Mayer parece-me sempre muito boa escolha.

quinta-feira, outubro 27, 2011

Coisas que esquecemos...

...

O Face

Mais um dos "problemas" do Facebook. Dizem...

Jovens demonstram preocupação acerca de comentários nas redes sociais iOnline

quarta-feira, outubro 26, 2011

Oportunidades

Mesmo em situações complicadas há quem consiga concretizar um sonho.

Jovem líbio de 14 anos fundou agência de notícias - JN

segunda-feira, outubro 24, 2011

Invenções

O mundo avança e com ele inúmeros avanços tecnológicos que tornam as nossas vidas melhores (ou não). Ver futebol em casa, num grande televisor com imagem de alta definição, é quase como estar no estádio. Embora continue a achar que jamais será a mesma coisa.

Temos o iPhone, o iPod ou o iPad (obrigado Steve Jobs), as cápsulas nas máquinas de café, as máquinas fotográficas digitais, o cinema 3D, os carros com velocidades automáticas, entre muitas outras invenções que simplificam ou procuram tornar os nossos dias mais interessantes. A tecnologia nunca pára de avançar.

Com tanto avanço, esqueceram-se de desenvolver algo essencial. Que tal um descomplicador humano? Fico à espera...

sexta-feira, outubro 21, 2011

Friday

...

quinta-feira, outubro 20, 2011

Outono

Só hoje tive a noção que estamos no Outono. O vento já fez questão de encher as ruas de folhas e agora parece mesmo que acabou o Verão. Apesar do sol, do céu azul e da temperatura que se mantém, diria, amena. Não vale a pena negar o que diz o calendário, mesmo que os sinais exteriores mostrem o contrário. Mais tarde ou mais cedo, o tempo tem sempre razão.

E ainda não sendo Inverno, fica uma música que tem a palavra no título. Uma grande música.

terça-feira, outubro 18, 2011

Farol

Parto rumo ao mar com a Luz que fica para trás, perdida na paisagem agreste, sem vida. E parto com a tranquilidade dos meus medos abafados. Na certeza que no regresso terei a Luz que me guia de regresso a terra.

Imagine

...

domingo, outubro 16, 2011

Futebol de primeira

Ontem a cidade de Famalicão voltou a respirar jogos de Primeira. Um ambiente como já não me lembrava de ver e um estádio praticamente cheio, a fazer lembrar tempos idos. Recordo-me bem das minhas idas ao futebol para acompanhar os jogos da equipa na 1ª divisão e muito sinceramente tenho saudades desses tempos, quando aparecíamos no mapa futebolístico nacional. A história está lá, ninguém a tira, mas vale o que vale quando estamos afastados.

E se já tinha a noção que o FC Famalicão fazia falta aos grandes palcos do futebol nacional, ontem fiquei com a certeza que é imperativo o clube voltar a esse patamar. É um imperativo fazer parte das divisões profissionais. Pelos adeptos e pela sua paixão pelo clube e pelo jogo, pela cidade, pela mística existente, pelas condições que tem para estar noutros patamares. Já para não falar em tudo o que o FC Famalicão "deu" ao futebol nacional, desde jogadores e treinadores que despontaram no clube até à promoção positiva do próprio espectáculo.

Tenho a certeza que os adeptos de outros tempos nunca abandonaram o clube. Se calhar sofrem de uma forma um pouco mais camuflada e comedida, mas estão lá. Talvez um pouco adormecidos, é certo, no entanto respondem positivo sempre que a situação assim se justifica. Ontem foi um belo exemplo disso. Vamos lá acordar definitivamente, todos, e fazer regressar este FC Famalicão a outros palcos. O caminho parece-me estar a ser bem delineado, é preciso dar tempo e não deixar de apoiar e acreditar. Assim será.

sábado, outubro 15, 2011

...

«Os espíritos vulgares não têm destino»

Platão

sexta-feira, outubro 14, 2011

Fim-de-semana

Estou farto de notícias más. Por isso aqui fica uma coisa boa que ouvi. Ouvi dizer que chegou o fim-de-semana! Acertei? ;)

m...

Sleeping...

success vs happiness

...



quarta-feira, outubro 12, 2011

Alma

Que me assustam os dias
E as noites escuras.
Que me percam os medos
E os desejos surdos.
Que me matam as horas
E as manhãs desprovidas.
Que me revoltam as amarguras
E as emoções soltas.
Que me beijam as palavras
E os sentidos amarrados.
Que me vejam perdido
E quem sabe me encontrem.
Que me sintam a alma
E no fundo me entendam.

Lembra-te

Lembra-te
que todos os momentos
que nos coroaram
todas as estradas
radiosas que abrimos
irão achando sem fim
seu ansioso lugar
seu botão de florir
o horizonte
e que dessa procura
extenuante e precisa
não teremos sinal
senão o de saber
que irá por onde fomos
um para o outro
vividos.

Mário Cesariny

terça-feira, outubro 11, 2011

quote

«Não conseguimos ligar os pontos olhando para a frente. Só conseguimos ligá-los olhando para trás. Então, temos de acreditar que os pontos se ligarão algum dia no futuro. Temos de confiar em algo - instinto, destino, vida, karma, o que for. Esta abordagem nunca me desiludiu e fez toda a diferença na minha vida»

Steve Jobs

segunda-feira, outubro 10, 2011

lado m

Vou mesmo regressar em força aqui ao blogue. A vontade de escrever é grande. De ouvir música também. Isso faz parte. E fica o meu "lado m".

Acordei para a escrita aqui. Novamente. Daí "wake up". Sem enigmas...


Este tempo

O azul do céu sem nuvens. É estranho. Assim como este calor atípico, num início de Outono, invariavelmente, quente. Precisamos aceitar a natureza e a situação que não deixa de ser tema de conversa entre as pessoas. À falta de melhor, seguimos a tentação fácil de abordarmos a temperatura, o sol, a chuva ou a falta dela nesta altura do ano. Tudo acaba por voltar à normalidade, ao trilho certo.

E se pensarmos bem, a forma como aprendemos a viver é mais ou menos o mesmo. O estranho que nos invade por vezes, a adaptação ao que se abate sobre nós, ceder à tentação. Reagir e agarrar com as duas mãos o que segue.

sexta-feira, outubro 07, 2011

rewind

Na escuridão da sala, o saxofone grita de forma convincente e o contrabaixo liberta notas melodiosas. O piano segue a toada sem desafinar, acompanhado pela excentricidade serena da bateria. Mesmo com todas as notas à solta, a tranquilidade permanece inalterável e viajamos para onde quer que aquela música nos leve.

quinta-feira, outubro 06, 2011

quote

«Estamos cá para deixar uma marca no universo»

Steve Jobs

domingo, outubro 02, 2011

quote

«Adoro as coisas simples. Elas são o último refúgio de um espírito complexo»

Oscar Wilde

quarta-feira, setembro 28, 2011

Dar

Mais do que espalhar a palavra, é dar-me em cada letra escolhida...

segunda-feira, setembro 26, 2011

Existência

Mais longa ou mais curta, esta passagem tem um final. A existência é limitada e nada melhor do que a conseguir fazer perdurar no tempo. Deixando pequenas partes partilhadas. Palpáveis ou não. As que têm uma forma física, visíveis, que podemos transportar, guardar, ler e reler sempre que quisermos são talvez as marcas mais fáceis de deixar. E até apagar, se quisermos.

As outras são difíceis de transmitir, de partilhar, fazer sentir. Podem durar para além da nossa existência, junto das pessoas que as sentem. E o tempo delas tem também um limite. Ou não. Quem sabe...

domingo, setembro 25, 2011

Hoje, neste regresso aqui ao blogue, parece que estou virado para as viagens. Não contrario. Ainda por cima é tudo verdade.

«Certainly, travel is more than the seeing of sights; it is a change that goes on, deep and permanent, in the ideas of living»

Miriam Beard

True

«The World is a book, and those who do not travel read only a page»

Saint Augustine

segunda-feira, setembro 12, 2011

...

Ar malandro. Diabo de asas brancas...

terça-feira, setembro 06, 2011

Ar

Respira fundo. Pronto, já passou...

quote

«Evitemos a morte em doses suaves, recordando sempre que estar vivo exige um esforço muito maior que o simples facto de respirar. Somente a perseverança fará com que conquistemos um estágio esplêndido de felicidade.»

Pablo Neruda

terça-feira, agosto 30, 2011

O que aconteceu a seguir?

Genial.


terça-feira, agosto 23, 2011

completa

Mesmo rodeado de pessoas à minha volta, viverei sempre sozinho com a minha completa imperfeição.

segunda-feira, agosto 22, 2011

Do outro lado...

Acalmia.

sexta-feira, agosto 19, 2011

Para levar...

...um ritmo engraçado para o fim-de-semana.


Até amanhã

Sei agora como nasceu a alegria,
como nasce o vento entre barcos de papel,
como nasce a água ou o amor
quando a juventude não é uma lágrima.

É primeiro só um rumor de espuma
à roda do corpo que desperta,
sílaba espessa, beijo acumulado,
amanhecer de pássaros no sangue.

É subitamente um grito,
um grito apertado nos dentes,
galope de cavalos num horizonte
onde o mar é diurno e sem palavras.

Falei de tudo quanto amei.
De coisas que te dou
para que tu as ames comigo:
a juventude, o vento e as areias.

Eugénio de Andrade

quarta-feira, agosto 17, 2011

Headlight

«Hey, come on try a little
Nothing is forever
There's got to be something better than
In the middle»



terça-feira, agosto 16, 2011

quote

«Sometimes you have to let go to see if there was anything worth holding on to»

quinta-feira, agosto 11, 2011

Textos à medida

A partir de hoje escrevo textos à medida. Peçam um texto, digam o tema. Eu escrevo! Para quem gosta de ler o que escrevo...

segunda-feira, agosto 08, 2011

Simplesmente

«Eu amo-te sem saber como, ou quando, ou a partir de onde. Eu simplesmente amo-te, sem problemas ou orgulho: eu amo-te desta maneira porque não conheço qualquer outra forma de amar sem ser esta, onde não existe eu ou tu, tão intimamente que a tua mão sobre o meu peito é a minha mão, tão intimamente que quando adormeço os teus olhos fecham-se.»

Pablo Neruda

domingo, julho 31, 2011

Gavetas

«E como tudo o que sentimos tem uma gaveta,
O pássaro da alma tem imensas gavetas.
A gaveta da alegria e a gaveta da tristeza.
A gaveta da inveja e a gaveta da esperança.
A gaveta da desilusão e a gaveta do desespero.
A gaveta da paciência e a gaveta do desassossego.
E mais a gaveta do ódio, a gaveta da cólera e a gaveta do mimo.
A gaveta da preguiça e a gaveta do vazio.
E a gaveta dos segredos mais escondidos.
Uma gaveta que quase nunca abrimos.
E há mais gavetas.
Vocês podem juntar todas as que quiserem.»

sábado, julho 30, 2011

Segredos

Guardo os meus segredos bem guardados. Assim como o meu sorriso, por dentro, sempre que penso em alguns deles.

Guerras

É curioso ver que as "guerras" entre supermercados se fazem com argumentos tão distintos. O Jumbo põe os clientes a trabalhar com as caixas automáticas em que são os próprios a registar os produtos e a coloca-los nos sacos.

Já no Modelo, num dos que estive recentemente, estavam dois funcionários no caixa. Um registava os produtos e o outro colocava nos sacos. Eu limitei-me a assistir e a pagar no final. Não deixa de ser interessante este diferente tratamento do cliente.

domingo, julho 24, 2011

Sea

Bora lá...

quinta-feira, julho 21, 2011

...

Pergunto-me até onde poderá ir o limite dos meus erros. Qual é o limiar entre o continuarem a gostar de mim ou simplesmente me odiarem? E será que esse limiar existe em todas as circunstâncias? Não consigo acreditar no sentimento incondicional que jamais guardará qualquer mágoa. Impossível não deixar marcas. Mesmo que exista o incondicional de tudo.

Hora

«Sinto que hoje novamente embarco
Para as grandes aventuras,
Passam no ar palavras obscuras
E o meu desejo canta --- por isso marco
Nos meus sentidos a imagem desta hora.

Sonoro e profundo
Aquele mundo
Que eu sonhara e perdera
Espera
O peso dos meus gestos.

E dormem mil gestos nos meus dedos.

Desligadas dos círculos funestos
Das mentiras alheias,
Finalmente solitárias,
As minhas mãos estão cheias
De expectativa e de segredos
Como os negros arvoredos
Que baloiçam na noite murmurando.

Ao longe por mim oiço chamando
A voz das coisas que eu sei amar.

E de novo caminho para o mar.»

Sophia de Mello Breyner Andresen

quarta-feira, julho 20, 2011

Futebol

«O futebol é uma linguagem universal com vários dialectos corporais. Existem mais de mil maneiras de ganhar ou perder um jogo. A mais educativa é aquela que respeita o talento. A mais cruel é a que ignora as boas ideias».

terça-feira, julho 19, 2011

Estrelas

O céu aqui está um delírio. Um céu como nunca vi. Completamente estrelado, cheio de pontinhos de luz no negro completo que invadiu o céu. Ouvem-se os grilos e depois é só silêncio e muita acalmia por toda a parte. Estou no meio do nada, perdido algures por aí. Mas é bom. Chama-se Alentejo e é único e inspirador.

segunda-feira, julho 18, 2011

Descoberta

Nada se descobre sem experimentar, sem ter a coragem suficiente para correr o risco. É bom minimizar todos os riscos nas nossas vidas, mas não sentir o sabor do desconhecido, não ficar minimamente vulnerável também é demasiado mau. As surpresas também são o sal. Ou o açúcar, se preferirem.
Partir à descoberta é do melhor. Alargar horizontes, conhecer novos sítios, ter novas experiências, falar com outras pessoas, praticar a trivialidade ou a simples conversa parva, respirar os lugares por onde passamos, os caminhos pisados pelos nossos próprios pés…
Descobrir é a palavra. E descobrir traz consigo tantas outras palavras a não descurar.

sexta-feira, julho 15, 2011

Música

Só assim. Mais nada...

quarta-feira, julho 13, 2011

Lado a lado

Vamos estar em desacordo muitas vezes. Ficar sem falar durante horas ou dias. Amuar e deixar que o orgulho nos consuma. Virar as costas quando devíamos estar frente a frente, olhos nos olhos. Aconteça o que acontecer, sei que caminhamos lado a lado, perto um do outro.

terça-feira, julho 12, 2011

Maré

E imagino como será o dia em que o barco aproveita a maré do bom tempo na costa para chegar ao porto. Simplesmente chegar. Porque não há ponto de partida sem chegada, não há volta sem retorno. Por muito que a tempestade se faça no mar ou o vento teime em correr no sentido contrário.

sexta-feira, julho 08, 2011

...

«Em cada um de nós há um segredo, uma paisagem interior, com planícies invioláveis, vales de silêncio e paraísos secretos.»

ASE

quarta-feira, julho 06, 2011

:)

Sorrio ao pensar na forma como os destinos se cruzam.

...

«E se o amanhã não vier, não te esqueças que no meu silêncio grito o que a falta de coragem não me deixou dizer-te.»

PRS

terça-feira, julho 05, 2011

O erro de Platão

«Há pessoas que só sabem amar na ausência, na distância, na certeza de uma proximidade previsível e meticulosamente programada, onde o amor é dado a conta-gotas como se de uma panaceia se tratasse. Há pessoas que vivem com mais intensidade o amor ausente, ...perdido, esquecido ou ultrapassado, que saboreiam na solidão o prazer do reencontro, que partilham em sonhos e pelos fios do telefone sem fio os seus desejos e vontades com maior afecto e doçura do que se estivessem ao nosso lado. É desta matéria que são feitos os amores platónicos. No segredo de uma sala onde só a musica se ouve, no recolhimento de uma cama de um só corpo, nas saudades mudas e raramente partilhadas com aqueles que se ama.

Felizmente há outras formas de amar. Só que são mais difíceis, custam a aprender e cansam-nos muito mais. Ainda não encontrei em nenhum dicionário o verbo dar como sinónimo de amar, mas talvez ainda não seja tarde. Porque não concebo outra forma de amar que não seja a da partilha dos afectos e do despojamento de tudo aquilo que somos, com tudo o que de bom e de mau isso possa representar, nos braços daquele que amamos.

Um grande amor nunca se faz sem entrega, e se não há entrega então é porque não há amor. É como quem ama a vida: nunca tem medo de se entregar a ela, mesmo que isso lhe custe a sua própria existência. Quem tem medo da vida e da vontade acaba por não viver.

Eu só sei amar assim, com mãos estendidas e o coração sem defesas. Chamam-me romântica. Eu acho que sou apenas lúcida. Se não viver assim, com o coração fora do peito, embalada por um sonho que me aquece o corpo e o espírito nas noites de mais um Outono morno e luminoso, sei que a tristeza pode tomar conta da minha vida e a seguir à tristeza ou vem a indiferença ou a loucura, que afinal podem ser e tantas vezes são a mesma coisa.

Nascemos todos para amar mas demoramos muitos anos a aprender que amar nem sempre é um verbo recíproco. Se essa fosse a primeira coisa a descobrir, viveríamos o amor de uma forma muito mais justa e serena. E cada vez que ele fosse correspondido, aceitaríamos tal presente como uma preciosidade, uma raridade, um bem de valor incalculável e inestimável.

O amor platónico é um amor egoísta e estéril e devia ser proibido. É como se Mozart nunca tivesse vendido as suas sinfonias, como se Monet escondesse os seus quadros, como se O’Neill recusasse partilhar com o mundo o seu espólio poético. O amor platónico é um erro, um absurdo, um disparate, um acto gratuito, quase criminoso.

Só aceito o amor platónico quando já não existe nenhuma outra forma de o viver. E só há uma impossibilidade real na vida; chama-se morte, é sempre inevitável, quase sempre inesperada e infelizmente irreversível. E quando ela chega e leva o nosso amor, então nessa altura, se pode viver um amor platónico, espiritual, sofrido, triste, desgastado, perdido e sem esperança.

Mas enquanto estamos vivos, é preciso saber viver o amor, esquecer as mágoas e matar inseguranças e acreditar que vale a pena amar alguém, que vale a pena partilhar o nosso amor, mesmo que quem o recebe não saiba abrir as mãos para o agarrar.

Se os homens sentissem mais e pensassem menos, talvez Platão se tivesse ocupado com outras teorias mais produtivas. Ou talvez não. Afinal de contas não era mulher.»

M.R. Pinto

Não conheço a pessoa que escreveu. Encontrei algures perdido por aí, li e gostei. Aqui fica, mesmo sendo um homem que sente mais do que aquilo que pensa...

segunda-feira, julho 04, 2011

...

Hoje estou capaz de sentir saudades de tudo e mais alguma coisa. Mesmo das trivialidades da vida. Banal. Puramente banal. É assim...

quinta-feira, junho 30, 2011

Vou

Mesmo sem saber ainda muito bem como vou, sei que vou por ali.

terça-feira, junho 28, 2011

Dearest

My...

segunda-feira, junho 27, 2011

Sempre que quiseres

Se tu fosses uma bela donzela perdida,
Eu seria o teu ponto de encontro
De uma manhã fria e despida,
Sem mais outro desencontro.
Se tu fosses a luz acesa ao fundo do túnel,
Eu seguiria sem hesitar o teu brilho
Tranquilo, olhos fechados, por intuição
Continuando no meu trilho, naquela sensação.
Se o teu olhar revelasse todos os segredos,
Viveria sem rodeios o que sinto
Por obrigação ou mera loucura
Devaneios, simplesmente o que quiseres.
Se os teus lábios fossem a praia deserta no Verão,
Caminharia junto ao mar, calmo
Fixando além o horizonte longínquo
Sozinho, teu, sempre que quiseres.


Repetir pode nunca chegar a ser de mais...

Distâncias

Longe ou perto, vou manter a mesma distância.

sexta-feira, junho 24, 2011

O coração...

...alternando entre o fraco e o forte, ainda vai batendo...

terça-feira, junho 21, 2011

AVB

«Escolheu, e a vida é feita de escolhas. São elas que, mais do que tudo, qualificam as pessoas e revelam os seus valores e as suas regras de vida. Cinco milhões são cinco milhões – mais do que consigo imaginar. Mas eu ainda acredito que os valores de cada um não se medem a milhões, assim como a vida não se joga a feijões. Por isso, porque isto não é feijões, ele parte rico mas imensamente empobrecido. Coberto de milhões, descoberto de razões. Que viva em paz com os seus milhões.»

Miguel Sousa Tavares

sábado, junho 18, 2011

Não devia ser assim

Chateia-me que o tempo passe tão rápido. Vamos deixando etapas e pessoas para trás, guardadas somente no livro das memórias. E chateia-me perder o rasto da maior parte delas. Não devia ser assim. As pessoas que nos fazem bem, que nos ensinam a importância disto ou daquilo, que foram o nosso ponto de encontro deviam estar constantemente presentes. Para pelo menos nos irem oferendo palavras. Para pelo menos sentir o seu calor.

sexta-feira, junho 17, 2011

Please

Sempre uma grande escolha.

quarta-feira, junho 15, 2011

Se cada dia cai

Se cada dia cai, dentro de cada noite,
há um poço
onde a claridade está presa.

há que sentar-se na beira
do poço da sombra
e pescar luz caída
com paciência.

Pablo Neruda

Say

Dizer o que se pensa ou sente não é errado.

terça-feira, junho 14, 2011

Conversa

As situações caricatas acontecem em qualquer esquina. E esta não foi bem numa esquina, mas de caricato teve tudo. E de certeza que tenho um ar bastante amigável porque todos os velhinhos e afins têm tendência para meter conversa comigo. Devo ter algo escrito na testa e ainda nem dei por isso.

Do género, uma senhora dos seus 70 anos ver-me parado na rua, abrandar o passo, olhar-me por instantes e desatar a falar. E falou dos bêbedos que fazem estragos no café do outro lado da rua, das marchas populares que já não são o que eram antigamente, da crise (claro), daquilo que as pessoas não compram, da pouca vergonha que acontece todos os dias no prédio onde mora...

E tudo isto seria aparentemente normal se tivesse entrado na conversa. Ora, basicamente fiquei a olhar para a senhora (um pouco incrédulo) e devo ter soltado uns três ou quatro "pois", seguidos por "claro" ou "compreendo" e mais meia dúzia de "sim". E depois de dez minutos nisto, em que me limitei a ouvir, a senhora atravessou a estrada e foi embora.

A sensação é que para além do ar amigável, devo mesmo ser um bom ouvinte. E naquele dia fiz a minha boa acção do dia. Ajudei uma velhinha. A desabafar...

Frase

«Os ventos que às vezes tiram algo que amamos, são os mesmos que trazem algo que aprendemos a amar. Por isso não devemos chorar o que nos foi tirado e antes aprender a amar o que nos foi dado. Pois tudo aquilo que realmente é nosso, nunca se vai para sempre...»

BM

Mensagem

Em Sintra...

quarta-feira, junho 08, 2011

Rewind

«Escrever é fácil: você começa com uma letra maiúscula e termina com um ponto final. No meio colocam-se as ideias»

Pablo Neruda

Despir ou vestir?

Pode aparecer estupidez, mas hoje apeteceu-me colocar aqui este vídeo. Dizem que é bom despir alguém, nem que seja só com o olhar, e a pergunta que fica é: será que vestir alguém também é bom?

Experimentem! O youtube é isto...

segunda-feira, junho 06, 2011

Seja

Seja o mais puro dos delírios. Seja a imaginação fértil e os sonhos saltitantes da nossa mente. Seja uma curta visão da felicidade. Seja a tentação que sucumbe ao desejo. Seja uma vontade a caminho de se concretizar. Seja o encontro sem contar. Seja o desespero da esperança perdida. Seja o segredo sussurrado, muito baixinho, ao ouvido. Seja o teres estado ontem, o estares hoje e o permaneceres amanhã. Seja a voz da consciência na tua cabeça. Seja a cumplicidade do momento. Seja o desaire em cima da linha de chegada. Seja o risco que se corre sem ganhar. Seja sede ou vontade de experimentar. Seja o que for. Desde que seja como tem de ser.

Música

Hoje é isto...

quinta-feira, junho 02, 2011

Assim...

Nascemos um dia sem vontade própria e morremos, ricos, em vidas vividas.

quarta-feira, junho 01, 2011

Caminho

O caminho faço-o perdido nos pensamentos. Esses instantes, que parecem escassos, no início, meio e final do dia são importantes para me organizar. Para realizar a lista de acontecimentos diários, pensar como posso solucionar cada situação e finalmente um curto balanço do que aconteceu.

Sem música nos ouvidos, procuro o silêncio perdido no barulho do trânsito e nas conversas soltas de quem se vai cruzando comigo. De cabeça no chão ou de olhos postos um pouco mais à frente. Nada muda na vontade de encarar cada momento e cada dia como uma dádiva. De aproveitar, de fazer o certo e o errado, de viver. E caminhar...

terça-feira, maio 31, 2011

...

«Tu eras também uma pequena folha
que tremia no meu peito.
O vento da vida pôs-te ali.
A princípio não te vi: não soube
que ias comigo,
até que as tuas raízes
atravessaram o meu peito,
se uniram aos fios do meu sangue,
falaram pela minha boca,
floresceram comigo.»

Pablo Neruda

segunda-feira, maio 30, 2011

...

Mesmo cheio de pessoas à minha volta, viverei sempre sozinho com a minha completa imperfeição.

Música II

«The river has run wild tonight
The birds have stopped singing and I've lost my sight
And you
You're not around
I keep my ground
Just quiet»

sábado, maio 28, 2011

Música

Hoje...

Imagina...

Imagina o segundo que se prolonga. Caminhar livremente, sem rumo, mas no mesmo sentido. Sem ruído, sem mais ninguém a ocupar o mesmo espaço no tempo. O parar frente a frente, o olhar nos olhos, o silêncio, esquecendo as palavras para somente sorrir timidamente. O abraço partilhado, o perfume que se entranha e não se esquece mais, o toque da mão no rosto. Os braços que envolvem, o beijo que se solta. O momento irrepetível, a memória que permanece, tal e qual o sonho. Chamo-lhe bater do coração.

quinta-feira, maio 26, 2011

Música

Deixar as marcas tatuadas algures por aí.

segunda-feira, maio 23, 2011

Sadness

Como se a tristeza descesse, se interiorizasse e ficasse. Em estado permanente, por agora. E quem sabe um dia subisse, se perdesse e deixasse um leve suspiro soltar-se. Tristeza, apenas.

quinta-feira, maio 19, 2011

Este é o nosso destino!

Não tem explicação o que se sente a cada vitória. Somos muitos grandes. E melhor do que as palavras são os sons e as imagens.



Música

Uma grande versão dos Stereophonics. E porque nem tudo pode ser comparado.

segunda-feira, maio 16, 2011

Imagina

Imagina o céu completamente azul reflectido na água. O verde que completa o cenário e o silêncio que envolve, sem deixar espaço aos pensamentos melancólicos. O respirar fundo sem ser demasiado profundo, os cabelos ao vento e a música que toca ligeira ao ouvido. O sol que reflecte nos óculos, os braços que seguram a cabeça. Evadido da realidade, podendo chamar-lhe paz de espírito. Chamo-lhe momento feliz.

Música II

Porque continuo a precisar de me embalar...:)

domingo, maio 15, 2011

Música

Se existe uma voz que me consegue embalar, esta é "a voz"...

À conversa

Chamem-me o que quiserem. O certo é que cada vez mais valorizo uma boa conversa. E sobretudo pessoas capazes de terem um diálogo minimamente estimulante. Daquelas que me consigam espicaçar, fazer pensar e tentar estar à altura dos acontecimentos. Ter uma boa conversa é um grande ponto de partida.

Gosto também da diversidade de assuntos. E saltar de um tema para o outro quase sem dar conta.

sábado, maio 14, 2011

Sol

Vê o sol. Mesmo que às vezes ele não esteja lá.

quinta-feira, maio 12, 2011

Frase

Hoje

"Quando for rico contrato-te só para me ouvires"

A pensar

«Todos os dragões da nossa vida são talvez princesas que esperam ver-nos um dia belos e corajosos. Todas as coisas aterradoras não são mais, talvez, do que coisas indefesas que esperam que as socorramos»
RMR

terça-feira, maio 10, 2011

Let´s dance

Resolvi recuperar um texto escrito algures no passado. Só para acompanhar a música.

Os teus olhos são negros
Como a dança que o teu corpo balança
Com ritmo quente
E um pouco de imaginação.

Salta e segura a batida
Que transpira da emoção
E sustém a respiração só por um momento.
Noutro terás o mundo a teus pés...

Segue os teus instintos sem pudor,
Ouve o mundo aplaudir
Sem receios ou desconfianças
Vamos dançar?

segunda-feira, maio 09, 2011

O meu homónimo

Este tipo é simplesmente o maior!

domingo, maio 08, 2011

If...

Quanto vale um "se"?

Brisa

Nem sempre o vento tem a mesma intensidade. Muitas vezes é um vendaval que temos dificuldade em travar ou um tornado que destrói sem pedir licença. Que se levanta sem explicação aparente, nos deixa sem reacção ou possível antecipação. Surpresa. Somos apanhados de surpresa.

Prefiro a brisa que sopra lenta e toca ao de leve a nossa face. Como as pontinhas dos dedos de alguém que percorre o nosso cabelo, os contornos do rosto e termina no peito. A brisa que nos faz fechar os olhos, na esperança de vermos o azul (ou verde) do futuro que nos aguarda.

Um vento suave, moderado, ameno, sem estragos, mas que consigo traga o que de bom precisamos encontrar.

Música

Grande forma de terminar o sábado...

Boa noite...

Esta tarde

Não é preciso muito para se ter felicidade. Uma tarde chega. Mesmo sem nada demasiado especial. Sem grandes situações combinadas. Deixar rolar, fluir lentamente e ir com a maré. Como digo ultimamente, o que tiver de ser, será. E foi assim. Como a música cantada a altos berros durante a viagem. Tu percebes...

sábado, maio 07, 2011

Quote

«A anedota é antiga. Duas velhinhas estão numa estância de férias. Uma diz: "A comida aqui é completamente horrível". E a outra: "É. E as doses são tão pequenas". É assim que me sinto em relação à vida. Cheia de solidão e infelicidade, e sofrimento, e desgostos e acaba tão depressa.»

"Annie Hall", Woody Allen

quinta-feira, maio 05, 2011

Whatever

Bom dia...
Hoje é assim...

...

Fiquei sem palavras para explicar o que quer que seja. Hoje o tempo parou e eu fiquei lá preso para sempre.

segunda-feira, maio 02, 2011

Para não esquecer


Coloquei na minha secretária...

domingo, maio 01, 2011

Em todas as ruas te encontro

Em todas as ruas te encontro
Em todas as ruas te perco
conheço tão bem o teu corpo
sonhei tanto a tua figura
que é de olhos fechados que eu ando
a limitar a tua altura
e bebo a água e sorvo o ar
que te atravessou a cintura
tanto, tão perto, tão real
que o meu corpo se transfigura
e toca o seu próprio elemento
num corpo que já não é seu
num rio que desapareceu
onde um braço teu me procura

Em todas as ruas te encontro
Em todas as ruas te perco

Mário Cesariny

Não deixa de ser curioso. O nome da rua onde moro é Rua Mário Cesariny... ;)

Words

Com as palavras, por míseras que sejam, podemos fazer alguém sonhar, simplesmente acreditar. Uma palavra sozinha pode fazer toda a diferença. Por exemplo: "atitude". Outras, também sozinhas, servem para nos lembrar o que fazer: "sorrir", "acreditar". Palavras, muitas, juntas, dão sentido a um qualquer pensamento ou emoção que pretendemos transmitir.

Palavras bem ou mal ponderadas podem fazer a diferença entre o completo sucesso e o rotundo fracasso. Dizem que devemos aplicar a palavra certa no momento certo. As palavras podem perder-se oralmente. Escritas duram para a eternidade. E escrever palavras é também uma arte, sobretudo junta-las com um alcance para além do evidente. Mas de que serve se ninguém ler? Nada começa e acaba na cabeça do autor das palavras. Necessita da continuidade do leitor, com a sua interpretação e sentir de tudo o que está no papel.

quarta-feira, abril 27, 2011

Incompleto

Um dia deixei que me levasses pela mão.
Segui sem hesitar os teus passos.
Acreditei em tudo que tinhas para me mostrar,
Vivi iludido pelas tuas doces fantasias.
Tamanhas mentiras fizeram-me deixar
O amor próprio para trás.

Dei-te a mão e levei-te comigo
A veres o meu mundo escondido.
Sem ter a verdade no próprio umbigo,
Ou as certezas de tudo perdido.
Como a liberdade dos desejos por cumprir.
Será o completo, incompleto, um vazio.

terça-feira, abril 26, 2011

Living

Viveremos com o que temos, querendo mais, ficando pelo suficiente... mas constantemente insatisfeitos...

segunda-feira, abril 25, 2011

Música

Em grande para o regresso.

sexta-feira, abril 22, 2011

Silêncio

Pé ante pé, avanço
A medo percorro a escuridão
O vazio daquele curto espaço.
Sem saber sequer para onde vou.
A lua que me acompanha sempre lá fora,
A janela com a luz que afinal me guia.
Perdido a procurar a felicidade de outrora
Caminho na esperança de te descobrir.
A noite que jamais termina,
O quarto que guarda todas as memórias
Das tardes e dias sem anoitecer.
Afinal quem és tu?
O aperto no peito ou o grito perdido?
Resisto, acredito, em vão…
Avanço, agora sem medo, pelo meu caminho.
Devagar, lentamente, aos poucos, e fica
O silêncio.

quarta-feira, abril 20, 2011

...

É uma sorte...

terça-feira, abril 19, 2011

Por medo

Não devemos deixar de ir em frente só porque temos medo. Os receios fazem parte de qualquer descoberta. É normal morrermos de medo do desconhecido e pensar no que pode correr mal no caso de darmos um passo em falso. É preciso avançar nem que para isso o ritmo tenha de ser lento e os passos cuidadosamente escolhidos.

segunda-feira, abril 18, 2011

Música

Pouco me surpreende. Mas esta escolha é por de mais acertada. E até foi uma agradável surpresa.

domingo, abril 17, 2011

Legal

Já não se fazem desenhos animados como antigamente. Eu lembro-me muito bem de ver o Pepe Legal e o seu amigo Babalú. Muito divertido. Acho que hoje em dia ainda consigo encontrar mais piada nestas animações. Fica para recordar.

sábado, abril 16, 2011

Música

Uma noite como esta ou outra qualquer. Sempre com os seus mistérios. Mas apenas mais uma noite. Com música. Tanto melhor.

Pergunta

Quem disse que construir felicidade não custa?

sábado, abril 09, 2011

1º lugar

Apanhei isto a passar ontem no Discovery. Está no primeiro lugar das coisas mais nojentas que vi até hoje. Vejam lá e concordem comigo...

Relato

Ora aqui está mais um motivo de interesse para quem gosta de ouvir relatos desportivos. Ao que parece mais músicas sobre jogadores de outros clubes estão a ser preparadas. João Ricardo Pateiro, da TSF.

Evidente

As evidências chateiam-me. Não gosto do que salta à vista por ser demasiado evidente. Prefiro explorar e conhecer os lugares menos acessíveis. Os que só estão ao alcance de quem os quer descobrir. E aí sim, está a verdadeira riqueza. Nas camadas mais profundas. Embora a evidência possa ser um bom ponto de partida, nem sempre é tudo o que procuramos.

quinta-feira, abril 07, 2011

Especialidade

Ultimamente tenho apurado a minha arte de estrelar ovos. Posso mesmo afirmar que sou o melhor cozinheiro, na vertente de ovos, aqui de casa. A primeira fase desta minha especialidade passou por alcançar com sucesso o acto de partir a casca do ovo sem espalhar tudo na fritadeira. Do género, evitar que estas minhas mãos brutas partissem em mil pedaços o pobre do ovo.

Ultrapassada essa dificuldade, e como não podia deixar de ser, surgiram mais problemas. Tipo, como perceber quando é a altura certa de tirar o ovo estrelado do tacho. Ou, quando é que o sal é suficiente e a partir de que momento é que a gema não está pouco ou demasiado passada.

Neste momento domino a técnica na totalidade. Aliás, consigo mesmo virar o ovo sem estragar tudo e fazer com que a parte da gema fique tal e qual como gosto. Um pouco de molho para o pão, um pouco de uma espécie de ovos mexidos. Perfeito. E afinal o que mais me importa é colocar em prática tudo o que sempre idealizei para um ovo frito. Pode parecer algo básico, mas para mim é uma satisfação muito idêntica à de ver o Porto sagrar-se campeão no Estádio da Luz. Mesmo que às escuras.

terça-feira, abril 05, 2011

Desbloqueador de conversa

«Há alguma coisa para deitar abaixo?»

sábado, abril 02, 2011

...

Deixemos espaço à incerteza. Na esperança de que na sua leveza e despreocupação nos indique, algures, o seguimento da história de ontem e o dia que se segue. Como a areia que nos foge por entre as mãos.

Go Denver!

Dizem que é o cão com maior ar de culpado do mundo. Eu diria que é um grande actor. Aprecio bastante aquele bater de cauda...

terça-feira, março 29, 2011

Way back

Tenho saudades das minhas viagens. Dos momentos únicos que proporcionaram e das sensações óptimas que experimentei. Todas habitam no departamento da memória. Do Haiti a Praga, de Miami a Estocolmo. Viajar é sempre uma experiência a repetir.

...

«Ama como a estrada começa»

Mário Cesariny

sexta-feira, março 25, 2011

Os nomes do pão

Com a mudança recente de algumas rotinas, nomeadamente o facto de ir a pé para o trabalho todos os dias, estou também agora num processo de aprendizagem dos nomes que podemos dar ao pão. Mudei a padaria onde vou buscar o pão e com isso substituí o habitual "cacete" pelas designações mais elaboradas.

E se nos primeiros dias apontava e dizia "dê-me por favor seis pães daqueles", agora, qual expert no assunto, peço seis saloios. Sim, é este o nome do pão que geralmente como em casa. E não é que hoje aprendi mais um nome?! Comprei quatro saloios e um italiano. Pelo caminho comi o italiano quase todo. E isto dito assim, soa muito mal.

Bem, resumindo, tudo para dizer que qualquer dúvida sobre pão, por favor contactem porque sinto-me capaz de satisfazer a mais difícil das questões acerca dos nomes atribuídos aos diferentes tipos de pão.

terça-feira, março 22, 2011

Crazy

Uma boa música é aquela que nunca nos cansa ouvir. Esta, por exemplo...

Sweet dreams!

...

O que é a saudade senão o vazio da tua ausência...

segunda-feira, março 21, 2011

empatia

(grego empátheia, -as, paixão)

s.f.
Forma de identificação intelectual ou afectiva de um sujeito com uma pessoa, uma ideia ou uma coisa.

sexta-feira, março 18, 2011

Lua

Não sei se já disse, mas eu adoro a lua. Por isso, vou tentar não perder o espectáculo de amanhã. Percam nem que seja um segundo a contemplar a lua...

quarta-feira, março 16, 2011

Ser feliz

Prometi a mim mesmo que hoje não podia terminar o dia de forma triste. Teria de ser alegre, bem alegre. E nada melhor do que esta música que é tão simples e diz mesmo tudo. Viver é a palavra chave. E aproveitar tudo, sobretudo a riqueza das pessoas que se cruzam no nosso caminho. Ah, claro, e ser feliz, sem ter vergonha...:)

terça-feira, março 15, 2011

Desbloqueador II

«Consegues ler-me?»

segunda-feira, março 14, 2011

Boicotes

Hoje recebi no facebook um convite para aderir a um boicote nacional às bombas da Galp e da BP até 2012. Sem querer ir contra qualquer tipo de convicção, acham que a Galp sentirá algum abalo com os boicotes? Viram bem o tamanho dos lucros? O único boicote que resultaria seria andar a pé ou de bicicleta, não gastando qualquer tipo de combustível. Porque podem não meter gasolina nos postos da Galp, BP e Repso, mas se foram por exemplo a uma bomba de marca branca ou as dos supermercados, estão na mesma a dar dinheiro a ganhar às grandes marcas. O monopólio é deles.

Já agora, os primeiros que prejudicam com os boicotes são os revendedores de combustíveis. As pessoas que exploram os postos de combustível das Galps e afins. Porque esses vendem cada vez menos e as suas margens já não são revistas há muitos anos. Ou seja, os preços dos combustíveis aumentam, mas os revendedores não ganham mais por isso. Ficam é a perder porque vendem cada vez menos.

Não podemos ter ilusões de qualquer espécie. E acho que muita gente tem a ideia errada sobre quem lucra e quem não lucra com as subidas dos preços dos combustíveis. Certo é apenas que todos os consumidores saem prejudicados, no sentido de que aumentam as suas despesas energéticas.

Desbloqueador

"Liguei porque queria ter a tua voz como prenda de Natal"

Desbloqueadores de conversa

Por que é que as conversas começam geralmente com "bom dia" ou "olá" ou "como estás"? Não se pode arranjar nada de mais elaborado? Só para fugir um pouco ao convencional. Por exemplo, começar com um pensamento ou uma frase que nos permita desenvolver uma conversa em torno desse assunto.

Outra forma que se calhar resultaria melhor seria iniciar com uma pergunta. Do género: "hoje pensei em ti durante todo o dia. Tu pensaste em quê?". Não existem limites para a imaginação. E quanto mais original for o começo, mais produtiva poderá ser a conversa. Estou até a pensar dedicar algum do meu tempo a pensar em formas interessantes para se iniciar uma conversa. Uma espécie de jogos de palavras. Apenas para fugir da banalidade.

domingo, março 13, 2011

Música II

Recordar tão bom como sonhar.

sábado, março 12, 2011

Música

Ideal para embalar o meu sábado! Obrigado...

quinta-feira, março 10, 2011

Telepatia

Penso no que vem e tu também.
A visão do que passa lá longe
Aquilo que é teu mas meu também.
Misteriosa previsão ou habilidade desconhecida.
Como no silêncio a comunicar
A minha vontade assim tão parecida.
O destino traçado no pensamento
Um olhar suficiente para o transmitir
Sem que possa entender um lento desalento.
Adivinha a minha mente
E chama-lhe telepatia.

quarta-feira, março 09, 2011

...

«The shadow of your smile
when you are gone
will color all my dreams
and light the dawn»

terça-feira, março 08, 2011

Já chega?

Bem, já estou pelos cabelos com o assunto do Braga-Benfica. Será que ainda ninguém percebeu que se trata apenas de um jogo de futebol? Para além disso, o Benfica jamais conseguiria chegar ao título de campeão e no domingo o Braga foi mesmo melhor. Ou seja, não há mais assunto...

Estou...

...de corpo e alma.

segunda-feira, março 07, 2011

Para ver

...

«So, close your eyes and think of someone you physically admire
And let me kiss you, let me kiss you»

sábado, março 05, 2011

Nostálgico

Neste momento deu-me algo de nostálgico. Como diria o Pedro. Fui ver quando e qual foi o primeiro post deste blogue. Tudo começou no dia 19 de Dezembro de 2005. O título tinha tudo a ver: "BEM-VINDOS!". E o conteúdo nada de especial. "É com agrado que abro as portas desta nova casa. Espero que encontrem coisas do vosso agrado. Prometo começar a dinamizar o Blog muito em breve. Aguardem mais novidades e voltem sempre que puderem...".

Isto quer dizer que o Artigos e Tal já vai a caminho de 6 anos de vida. São muitos dias de palavras, vídeos, músicas, sentimentos, dedicação. E o que me assustou um destes dias foi olhar as estatísticas do blogue e perceber que isto não é um espaço fechado. Não esperava mais do que a visita de familiares e amigos mais próximos. E não esperava ter tanto de mim às claras na net. Se calhar também por isso sou cada vez menos eu, naquilo a que costumo chamar uma das minhas praias.

E questiono muitas vezes se vale a pena. Se chegou ou não o tempo de acabar? Um facto é que este blogue me tem dado muitas coisas positivas, como a possibilidade de ir "conhecendo" novas e diferentes pessoas ou dar largas à minha escrita. Estou como diz o Pedro. Nostálgico.

sexta-feira, março 04, 2011

Parceria

O Benfica tem um canal próprio, o Sporting tem um projecto para se lançar também na televisão e agora o FC Porto dá o primeiro passo nesse sentido. Uma parceria com a Porto Canal que a meu ver será o início de um canal privado do clube. Pode até não acontecer, mas parece-me que mesmo assim, o Porto tira partido daquilo que melhor uma televisão pode dar. E sem grandes custos ou investimentos.

Para os interessados no assunto, aqui fica a notícia completa.

...

Os nossos braços entrelaçam-se e encostas a cabeça ao meu ombro. Sinto o conforto daquela proximidade, lembrando todos os dias que temos partilhado. Nem sempre bons, mas caprichosos ao ponto de jamais serem esquecidos. Há coisas que a vida nos dá que mais ninguém nos consegue tirar. Adormecemos os dois naquele instante. Sem hora ou data marcada para acordar.

quinta-feira, março 03, 2011

Música

I love the sound of you walking away...

quarta-feira, março 02, 2011

Home

Ir jantar a casa dos papás a meio da semana é sempre óptimo. É uma boa forma de retemperarmos as forças e ganhar novo ânimo para o que ainda falta cumprir na semana de trabalho. Mais do que a barriga cheia é a sensação de conforto e regresso às origens. Bom. Muito bom!

Smile

Adoro este tipo de situações. Quedas e mais quedas.

terça-feira, março 01, 2011

I

«Escrever é fácil. Você começa com uma letra maiúscula e termina com um ponto final. No meio você coloca ideias»

Pablo Neruda

segunda-feira, fevereiro 28, 2011

...

Por demasiado complexo que possa parecer. Um olhar basta, um gesto simples, um estalar dos dedos. Existir é quanto baste. Chama-se empatia.

Provocações

Para ler e reflectir.

Provocações em formato ilow cost/i para melhorar as nossas cidades - Local - PUBLICO.PT

Hoje é dia de...

Em Portugal, qualquer pessoa pode tentar a sorte e criar um ‘Dia Nacional’. Basta lançar uma petição e angariar pelo menos mil assinaturas para a proposta ser analisada por uma comissão parlamentar.

Se à Assembleia da República chegar um requerimento com mais de quatro mil assinaturas, o assunto sobe automaticamente a plenário, explicou à Lusa Luís Nunes da Ponte, assessor do presidente da Assembleia da República.

Na actual legislatura o Parlamento recebeu três pedidos para a criação de efemérides: o Dia da Natalidade/Dia da Grávida, Dia da Hemocromatose e o Dia da Epilepsia. Até ao momento, só a ‘Grávida’ poderá vir a ser Dia Nacional, já que as outras duas propostas foram recusadas.

Durante o anterior mandato, as petições que chegaram à casa das leis revelaram mais imaginação, sugerindo a celebração da Fruta, do Cão ou da Vida ao Ar Livre. Das sete propostas recebidas apenas uma entrou para o calendário: o de Luta Contra a Paramiloidose.

A lista de "dias" é infindável e entre nacionais, europeus, internacionais, mundiais ou universais há de tudo. A Lusa contabilizou 354 efemérides no ano. Existem dias que parecem pequenos para tantos eventos. A 21 de Março, por exemplo, celebra-se a Poesia, a Eliminação da Discriminação Racial, a Floresta, o Sono, a Marioneta, a Síndrome de Down e a Árvore.

Para os amigos do ambiente, 2 de Fevereiro é Dia do Vigilante da Natureza, mas também das Zonas Húmidas, 14 de Março é Dia Internacional de Luta contra as Barragens e 24 de Abril celebra-se mundialmente o Animal de Laboratório.

Para gostos mais eclécticos, pode-se comemorar o Trânsito e a Cortesia ao Volante (5 de Maio), o OVNI (24 de Junho) ou mesmo o orgasmo (31 de Julho).

In Correio da Manhã

sábado, fevereiro 26, 2011

Música

Haverá algo melhor para nos expressarmos do que a música?

sexta-feira, fevereiro 25, 2011

(A)manhã

A primeira música desta manhã. Em boa companhia. Para começar bem o final da semana.

quinta-feira, fevereiro 24, 2011

Adeus ou até já?

Na vida tudo pode ser um adeus como um até já. Existem histórias que começam e acabam e outras que ficam a meio. Podem ser ou não retomadas depois, nesta ou noutra vida. E cometemos o erro de estarmos a dizer adeus quando afinal seria só um até já.

Jamais conseguiremos antecipar aquilo que a vida nos reserva e se calhar é aí que o mistério e o interesse se inscrevem. Vivemos os dias devagar, uns atrás dos outros, saboreando cada momento e na esperança de que só nos estejam reservadas coisas boas. Mas cada história tem a sua forma de acabar. Mais ou menos controlada por nós. Quero crer que é quase sempre de forma totalmente descontrolada, mas aí reside a emoção, o sentimento, se preferirem.

Tudo são histórias. Que se cruzam ou não em determinado ponto do caminho. Cada um tem a sua multiplicidade de histórias. Para viver e para contar. Gosto mais do simples e vago "até já". "Adeus" é demasiado definitivo para o meu gosto.

quarta-feira, fevereiro 23, 2011

Experiências

Com as pontinhas dos dedos. Bem ao de leve. Tentem percorrer todos os contornos dos lábios, nariz, olhos, queixo, pescoço...até onde a imaginação vos possa levar. Experimentem...

segunda-feira, fevereiro 21, 2011

...

Como se a porta se fechasse de cada vez que viro costas. Como se a casa ganhasse vida, dia após dia. Como se a delicadeza de um olhar fosse capaz de virar tudo a meu favor. Pelo sim, pelo não, deixo que me levem pela mão, com a tranquilidade que não é minha, mas tua.

domingo, fevereiro 20, 2011

Música

Sweet...

Words

Trocaria todas as palavras por um simples beijo. Um aperto no peito ou apenas um curto e distante olhar. Talvez perfeito esse teu subtil toque na minha face. Mas tudo o que tenho para te dar são palavras.

Nada acontece por acaso...

Morre lentamente quem não viaja, quem não lê, quem não ouve música, quem não encontra graça em si mesmo.
Morre lentamente quem destrói o seu amor-próprio, quem não se deixa ajudar.
Morre lentamente quem se transforma em escravo do hábito, repetindo todos os dias os mesmos trajectos, quem não muda de marca, não se arrisca a vestir uma nova cor ou não conversa com quem não conhece.
Morre lentamente quem faz da televisão o seu guru.
Morre lentamente quem evita uma paixão, quem prefere o negro sobre o branco e os pontos sobre os "is" em detrimento de um redemoinho de emoções, justamente as que resgatam o brilho dos olhos, sorrisos dos bocejos, corações aos tropeços e sentimentos.
Morre lentamente quem não vira a mesa quando está infeliz com o seu trabalho, quem não arrisca o certo pelo incerto para ir atrás de um sonho, quem não se permite pelo menos uma vez na vida fugir dos conselhos sensatos.
Morre lentamente, quem abandona um projecto antes de inicia-lo, não pergunta sobre um assunto que desconhece ou não responde quando lhe indagam sobre algo que sabe.
Evitemos a morte em doses suaves, recordando sempre que estar vivo exige um esforço muito maior que o simples facto de respirar.
Somente a perseverança fará com que conquistemos um estágio esplêndido de felicidade.

Pablo Neruda

sábado, fevereiro 19, 2011

True

«A felicidade só é real quando é partilhada»

sexta-feira, fevereiro 18, 2011

À procura

Afinal de contas andamos todos à procura do mesmo. Dinheiro, amor, amizade, realização profissional, paz de espírito, sucesso, reconhecimento. Não anda muito longe disto. Talvez por isso existam demasiados choques entre os seres humanos. Demasiados atritos, discussões, desentendimentos, sem que na maior parte das vezes exista um perfeito entendimento da situação. E dessa forma surgem ainda mais conflitos pouco esclarecedores.

A única diferença poderá estar na quantidade ou qualidade de cada um dos itens que determinam a nossa existência. Para alguns, todo o amor do mundo é pouco. Outros acham que o dinheiro nunca é demasiado. O mesmo se coloca para todas as outras questões, resumindo-se ao uns contentam-se com tão pouco e outros nunca estão contentes com o que têm.

A insatisfação é realmente onde se escreve toda a nossa existência. Estamos sempre à procura de mais e mais. Esteja onde estiver. Vamos à procura.

quinta-feira, fevereiro 17, 2011

Praga

Na memória...

Simples

Acho que é uma repetição aqui no blogue, mas é uma música que faz parte do leque das minhas preferidas. As coisas simples acabam por ser as mais significativas. Normalmente brotam de forma natural, do íntimo, são genuínas. Por isso, como que nos apanham desprevenidos. Embora seja aquilo que esperamos sempre.

quarta-feira, fevereiro 16, 2011

Insólito

Uma fotogaleria no site da revista Sábado mostra alguns dos recordes do Guiness mais insólitos no que ao corpo diz respeito. Há de tudo, desde a maior cabeça até ao maior pêlo de sobrancelha do mundo. Ou por exemplo, a maior língua. Com medo de assustar os leitores mais susceptíveis, escolhi o homem com as maiores mãos do mundo. Ao todo, 31 centímetros de comprimento. O senhor chama-se Leonid Ivanovych Stadnyk.

Se pretenderem ver toda a fotogaleria, aqui fica.

Relax

Depois de um longo dia de trabalho gosto de descontrair um pouco com os phones nos ouvidos. Não passo sem música no meu dia-a-dia. É algo impossível.

segunda-feira, fevereiro 14, 2011

Tempo II

Terei sempre tempo para ti.
Por muito que a areia se escape por entre os dedos
E o mar afogue todas as memórias passadas.
Deixarei, como sempre deixo, a marca do meu corpo junto ao teu.
Resistirei às amarguras dos dias,
Sem qualquer outra grande pretensão
Que a de guardar todas as palavras gastas.
Tens todos os breves instantes nas tuas mãos.
Procura-me, encontra-me, perde-te...

Música

Porque hoje é o dia perfeito para falar no tema.

domingo, fevereiro 13, 2011

Anúncio

Hoje fiquei a conhecer a Pink Lady pela televisão. E não consigo deixar de sorrir sempre que vejo esta publicidade.

...

«Shakespeare disse que a vida é cheia de som e fúria e que, no fim, não significa nada.»

You will meet a tall dark stranger

sábado, fevereiro 12, 2011

Falta de chá e muito sono

Ontem dei de beber ao meu telemóvel. Chá verde. Mas pouquinho para não causar grandes problemas. Acho que não gostou muito porque o líquido ficou em cima do visor e tive de limpar tudo. Aparentemente está tudo bem com o telemóvel. O melhor é mesmo não experimentar mais aventuras do género. Embora ache que iria gostar de um fino traçado bem fresquinho.

sexta-feira, fevereiro 11, 2011

Cartoon

La piú bella Italia...


Música

Está no título desta música e é bem verdade. There is a light that never goes out.

quinta-feira, fevereiro 10, 2011

Filme

Se puderem vejam este filme: 500 Days of Summer. Bom filme e grande banda sonora. Fica a sugestão com imagens.

O actor que mais morreu

Ora aí está uma notícia mais ou menos interessante. Foram divulgados alguns números sobre cinema e concluiu-se que o actor que mais vezes morreu em filmes foi Robert De Niro. No total, o actor morreu 14 vezes, concretamente nos filmes: Bloody Mama, Bang the Drum Slowly, Mean Streets, Brazil, The Mission, Cape Fear, This Boy's Life, Mary Shelley's Frankenstein, Heat, The Fan, Jackie Brown, Great Expectations, 15 Minutes e Hide & Seek.

Outra curiosidade é que enquanto De Niro foi morto por Al Pacino no filme Heat, Pacino foi morto por De Niro em Righteous Kill. Al Pacino que tem "apenas" 9 mortes cinematográficas. Nesta lista mortal, Bruce Willis ocupa o segundo lugar, com 11 mortes. Depp tem o recorde de morte mais sangrenta pelo filme Nightmare on Elm Street.

Sorrir

Afinal sorrir pode não ser tão bom assim. No entanto, corro o risco e sorrio para as pessoas que se cruzam comigo. Aconteça o que acontecer...

quarta-feira, fevereiro 09, 2011

A crise e os bolos

Que o país está em crise e que existem pessoas em dificuldades até entendo. Agora, interromperem a minha caminhada para casa para me pedirem uns trocaditos para comer um bolo, isso já não compreendo.

Nunca devemos negar comida às pessoas ou muito menos ignorar as suas necessidades mais básicas. Até era capaz de pagar um lanche completo, dois ou três pães, uma sandes de queijo ou fiambre. Mas, um bolo?! É uma novidade para mim. A crise parece estar a aguçar os pedidos de quem precisa.

O sorriso

Um dos melhores elogios que se pode fazer é dizer: "tu fazes-me sorrir". Invariavelmente, a resposta é outro sorriso. E implicitamente surge o elogio. Certo? :)

segunda-feira, fevereiro 07, 2011

O Face

Definitivamente o Facebook é uma arma poderosa em termos de comunicação. E os seus utilizadores são cada vez mais olhados como consumidores, num filão explorado pelos publicitários. Na verdade, os conteúdos partilhados são importantes mensagens de marketing e publicidade.

Não havendo ainda legislação no que se refere a dados livremente publicados pelos utilizadores nas redes sociais (em especial no Facebook, que conta com 500 milhões), é frequente os utilizadores não se aperceberem de que cada vez que clicam "gosto disto" ou descarregam aplicações os seus dados ficam registados num sistema de classificação automática de perfis de consumidores. Basicamente, todos os dados inseridos nas redes sociais são aproveitados para outros fins.

É preciso ter bem a noção da importância de qualquer informação colocada no Facebook. Já para não falar que os olhos do mundo estão centrados em tudo o que se passa nas redes sociais. Por exemplo, ainda na passada semana um suposto desabafo escrito por um jogador de futebol serviu para algumas notícias e tema de conversa em muitos locais. Já para não mencionar os casos de informações "oficiais" que surgem em primeira mão nas ditas redes sociais.

domingo, fevereiro 06, 2011

Tributo

Aqui fica o tributo a Gary Moore, músico irlandês hoje falecido.

Alternativo

Já tinha mais ou menos a noção de que é preciso ponderar bem todas as situações e ter sempre um sistema alternativo ao que pensamos utilizar. Mas hoje fiquei também a saber que para além do alternativo é preciso ainda o alternativo do alternativo.

E quando nada parece funcionar como pretendemos é porque simplesmente aquele não é o nosso dia nem a nossa hora da sorte.

sábado, fevereiro 05, 2011

Numa conversa...

«...as coisas boas são boas porque são feitas por pessoas...»

Música

Música clássica! Mas porquê? Porque não?!

sexta-feira, fevereiro 04, 2011

All the way up

O pessimismo é do pior que pode existir. Raramente é bom prenúncio, para além de impossibilitar uma total aplicação das capacidades. Ficamos apenas naquele cantinho restrito com medo do que vem a seguir. Geralmente sou optimista. Acredito sempre que vai correr bem, por riscos que existam em qualquer passo dado. Mesmo que algumas ondas negativas nos façam balançar. O caminho é em frente, com trabalho árduo e dedicação. Como sempre foi até aqui.

quinta-feira, fevereiro 03, 2011

Clássico

Sobre o jogo de ontem. A razão é só uma. O FC Porto realizou a pior exibição da época e o Benfica jogou muito seguro e certinho. Nada mais há a dizer.

terça-feira, fevereiro 01, 2011

Governo

«O governo é um brinquedo muito perigoso. É usado para travar guerras, impor ideologias e enriquecer os governantes»

«A ideia perigosa que todos precisamos de aprender é que quanto mais limitarmos o crescimento do governo, melhor estaremos»

Matt Ridley

Dicionário do diabo

planear

v.t.
Pensar no melhor método para atingir um resultado acidental.

Mudar

Mudar não é fácil. Obriga a deixar tanta coisa para trás. Mas vivemos na esperança de fazer as escolhas certas, mesmo correndo riscos. O destino final é sair a ganhar. Percorrendo o escuro, com medo, acreditando que algures no caminho a luz nos acompanhará e mostrará uma saída feliz. Na verdade, vamos constantemente à procura da nossa felicidade. Ainda que isso implique sentirmo-nos miseráveis por vermos as pessoas de quem gostamos a sofrer. Mais do que o nosso próprio sofrimento. Tudo será por uma boa causa. Eu acredito!

O amor

«O nosso amor não é para nos compreender, não é para nos ajudar, não é para nos fazer felizes. Tanto pode como não pode. Tanto faz. É uma questão de azar. O nosso amor não é para nos amar, para nos levar de repente ao céu, a tempo ainda de apanhar um bocadinho de inferno aberto.

O amor é uma coisa, a vida é outra. A vida às vezes mata o amor. A "vidinha" é uma convivência assassina. O amor puro não é um meio, não é um fim, não é um princípio, não é um destino. O amor puro é uma condição. Tem tanto a ver com a vida de cada um como o clima. O amor não se percebe. Não dá para perceber. O amor é um estado de quem se sente. O amor é a nossa alma. É a nossa alma a desatar. A desatar a correr atrás do que não sabe, não apanha, não larga, não compreende. O amor é uma verdade. É por isso que a ilusão é necessária. A ilusão é bonita, não faz mal. Que se invente e minta e sonhe o que quiser.

O amor é uma coisa, a vida é outra. A realidade pode matar, o amor é mais bonito que a vida. A vida que se lixe. Num momento, num olhar, o coração apanha-se para sempre. Ama-se alguém. Por muito longe, por muito difícil, por muito desesperadamente. O coração guarda o que se nos escapa das mãos. E durante o dia e durante a vida, quando não esta lá quem se ama, não é ela que nos acompanha - é o nosso amor, o amor que se lhe tem.»

Miguel Esteves Cardoso

domingo, janeiro 30, 2011

Nosso

Aquilo que é nosso tem algo de especial. A nossa casa, a nossa cama, a nossa almofada, o nosso computador, o nosso carro, a comida das nossas mães, as palavras certas dos nossos pais, os abraços dos que estão do nosso lado...

O sentido de posse pode tornar-nos demasiado egoístas. Mas é naquela pequena diferença entre o nosso e o dos outros que está muito do que nós somos. Que faz cada um diferente de cada qual. Únicos. Com direito a tudo o que é só nosso.

Música

Para acabar bem o fim-de-semana e marcar o início de uma semana importante.

sexta-feira, janeiro 28, 2011

Nomes

Ao contrário do que possam pensar, chamar nomes não é fácil. Escolher o nome para dar aos filhos também não. Veja-se o caso recente de Luciana Abreu e Yannick Djaló. A propósito desse nome invulgar, surgiu hoje uma notícia sobre os nomes que os pais escolhem para os seus filhos.

Os 40 nomes mais escolhidos em 2010, de acordo com informação do Instituto Nacional de Registos e Notariado, foram: 1-Maria; 2-Rodrigo; 3-Leonor; 4-João; 5-Martim; 6-Beatriz; 7-Matilde; 8-Afonso; 9-Ana; 10-Mariana; 11-Lara; 12-Tomás; 13-Inês; 14-Tiago; 15-Gonçalo; 16-Diogo; 17-Francisco; 18-Guilherme; 19-Miguel; 20-Pedro; 21-Carolina; 22-Gabriel; 23-Rafael; 24-Margarida; 25-Joana; 26-Simão; 27-Santiago; 28-Sofia; 29-Dinis; 30-David; 31-José; 32-Diana; 33-Francisca; 34-Duarte; 35-Madalena; 36-Rita; 37-Sara; 38-Lucas; 39-Laura; 40-André.

Como podem reparar o meu nome vai continuar a ser muito pouco vulgar. Não está na lista dos mais escolhidos em 2010. Mas acredito que a moda poderá voltar. Para o bem ou para o mal.

Pensamento do dia

Chegado esta manhã pela fresquinha...:)

«Estamos numa época em que o fim do mundo já não assusta tanto como o fim do mês»

No ar

Sentei-me precisamente no sítio habitual. O mesmo de sempre. Passei as folhas que trago todos os dias comigo e esperei pelos derradeiros preparativos. Como se o mundo estivesse completamente suspenso para daqui a instantes ouvir o que a minha voz tem para transmitir.

Fixo o olhar no microfone, à minha frente, perdendo o pensamento em todos os momentos passados naquele estúdio. E foram muitos. Desvio o olhar para a janela, com o céu azul em fundo, sem perder a noção do quanto cresci ali dentro. Como se agora fosse o maior, mas o mesmo miúdo com medo de fazer asneira e vontade de mostrar serviço.

E naqueles breves instantes foi como se todo o filme estivesse a passar novamente. Breves segundos chegam para que deixe o passado e volte à realidade. Contagem decrescente, o sinal de que está tudo pronto e... estou no ar! Começou e acabou tudo da mesma forma. E o que começa, também acaba. Voltarei?

Voar para o Porto

O Aeroporto do Porto foi eleito o décimo melhor do mundo. Vale o que vale, mas ajuda a levantar o ego dos portugueses.

De acordo com mais de 30 mil utilizadores do edreams.com, um dos mais conhecidos portais de viagens online, que votaram tendo em conta as suas experiências pessoais, o Aeroporto do Porto ficou nos dez primeiros da tabela, algo que não deixa de ser positivo.

Acrescente-se ainda o facto de já em 2007 este aeroporto ter sido considerado pela ACI (Airports Council International) como o melhor aeroporto da Europa e o terceiro a nível mundial na categoria de menos de cinco milhões de passageiros.

Quem quiser ler a notícia completa, aqui fica: Aeroporto do Porto entre os melhores.

quarta-feira, janeiro 26, 2011

Os intocáveis

Existem pessoas, pensamentos, sentimentos, desejos e objectivos que nos acompanham ao longo de todas as jornadas. Quase como a nossa segunda pele, o que nos está de tal forma enraizado que fará sempre parte de nós. Intocáveis, aconteça o que acontecer. Eu tenho os meus.

Música

Fica para ouvir em mais um dia frio de Inverno.

Momentos marcantes

Isto, por exemplo...:)

Despedidas

Como é que vocês gostam das despedidas? Com lágrimas e abraços apertados ou sorrisos e partilha dos bons momentos vividos? É um misto de emoções e, regra geral, detesto despedidas. Prefiro o "até já" ao "adeus". Tudo o que implique ausências longas é mais ou menos problemático. Pelo que o melhor é tentar disfarçar o incómodo da despedida, desviar o olhar, evitar os sentimentos e respirar fundo muitas vezes.

Mas há sempre uma palavra, algo que se diz que nos deixa com o coração pequenininho e um nó do tamanho do mundo na garganta. É impossível ficar indiferente. Sou um piegas e evito as despedidas. Disfarço (tento) com uma piada ou uma mudança brusca de assunto. E depois sofro em silêncio, comigo, sozinho, contando todos os dias e momentos passados.

Não sou bom em despedidas. E sinto-me quase sempre miserável. Gosto mais do simples "até já" ou "até qualquer dia". Por isso, não me despeço...

terça-feira, janeiro 25, 2011

626

segunda-feira, janeiro 24, 2011

Eyes

As músicas trazem recordações.

Quero ver

Bem, como não podia deixar de ser, quero ver! Não fosse do Woody Allen...

Ah...quase me esquecia...chama-se "Vais conhecer o homem dos teus sonhos".

Telhados de vidro

Falar é fácil, dar palpites também. Criticar as falhas de alguém num momento menos positivo é um risco. Todos os cuidados são poucos. Principalmente quando temos a noção de que mais dia menos dia podemos estar do outro lado da barricada. Não devemos atirar pedras quando temos telhados de vidro.

Foi mais ou menos isto que aconteceu com André Villas-Boas e Jorge Jesus. O treinador do FC Porto foi expulso em dois jogos, que curiosamente coincidiram com empates dos portistas, e logo surgiram os disparos de todos os lados. Condenação pura. Esquecendo as circunstâncias e até alguma inexperiência do técnico. Um dos que aproveitou a situação foi Jorge Jesus.

Depois do Benfica-Nacional, acabou por ser Jorge Jesus a dar o exemplo enquanto técnico "graúdo" que é. Está à vista no que dá ter os tais telhados de vidro. Tirem as vossas conclusões.

sábado, janeiro 22, 2011

MST

Tem o seu fundo de verdade. E lógica, sobretudo.

«O silêncio serve para construir qualquer coisa a partir dele»

sexta-feira, janeiro 21, 2011

Rewind

Ser

Ser como um beijo,
Nascer no meu desejo,
Morrer nos teus lábios…
Ser como um sentimento
Que se sente cá dentro
E não mais volta a sair…
Ser como a vida,
Um grito rebelde,
O princípio do fim…

quinta-feira, janeiro 20, 2011

Música

Uma banda de Braga com um som agradável. Gosto.

Verdade

"As palavras são a nossa condenação. Com palavras se ama, com palavras se odeia. E, suprema irrisão, ama-se e odeia-se com as mesmas palavras!"

Eugénio de Andrade

quarta-feira, janeiro 19, 2011

Estagiários

Tudo quebra pelo lado do elo mais fraco. E quando não há explicações, culpa-se sempre alguém que pode ser um alvo fácil e que jamais poderá defender-se convenientemente. Por exemplo, um estagiário. Foi mais ou menos isso que aconteceu na Real Federação Espanhola de Futebol. No comunicado com a nomeação do árbitro para o jogo de amanhã entre Atlético de Madrid e Real Madrid, podia ler-se que o árbitro iria actuar «sob o olhar atento de Mourinho, que se considera prejudicado pelas arbitragens nos últimos meses». Uma provocação grosseira de um organismo que deveria manter-se no seu lugar de observador imparcial do fenómeno.

O Real Madrid considerou, em comunicado, que a utilização da figura de José Mourinho nestes moldes constitui uma forma «lamentavelmente deliberada» de colocar os árbitros «contra o treinador do Real Madrid e contra o próprio clube».

Ora, a Federação espanhola de futebol teve de se retratar e explicou o sucedido de uma forma muito simples. Tratou-se de um erro de uma estagiária. Fácil, não é? Lá como cá, as pessoas ainda pensam que estas desculpas funcionam. Arranjando o alvo mais fácil.

Messi vs Ronaldo

As comparações entre Messi e Cristiano Ronaldo continuam. Este vídeo está muito bom e coloca também frente a frente duas marcas desportivas: Adidas e Nike. Ora vejam...

...

Metade do que dizem de ti não corresponde à realidade. Apenas uma pequena parte das pessoas com quem te vais cruzar ao longo da vida vai conseguir conhecer-te na perfeição. Preocupa-te com essas...

terça-feira, janeiro 18, 2011

Original

Hoje uma assistente de bordo da TAP foi pedida em casamento durante o voo entre Lisboa e Barcelona. Um pedido original, no mínimo, embora tenha as minhas teorias sobre o quão desprevenidas as pessoas estariam na situação. Basta pensar que estava uma equipa de reportagem da RTP a bordo (por mero acaso) e a câmara estava ligado no justo momento em que o noivo se levanta para fazer o pedido, sem que a assistente de bordo tenha notado qualquer movimento mais estranho. Honestamente, cheira-me a golpe de marketing.

Mas esquecendo todos estes acasos, e tentando imaginar um pedido realmente surpreendente, a minha pergunta é se a noiva não se sentirá constrangida por todas as circunstâncias. Ou seja, um pedido deste género faz com que seja quase impossível dizer que não. Mesmo que o noivo seja horrível ou a certeza em dizer o "sim" pouco clarividente. Daí ser sempre recomendável preparar bem toda a situação, como foi neste caso, ou então ficar pelo simples ajoelhar e erguer do anel, seguido do "aceitas casar comigo?".

Expressão

fazer orelhas moucas