domingo, maio 01, 2011

Words

Com as palavras, por míseras que sejam, podemos fazer alguém sonhar, simplesmente acreditar. Uma palavra sozinha pode fazer toda a diferença. Por exemplo: "atitude". Outras, também sozinhas, servem para nos lembrar o que fazer: "sorrir", "acreditar". Palavras, muitas, juntas, dão sentido a um qualquer pensamento ou emoção que pretendemos transmitir.

Palavras bem ou mal ponderadas podem fazer a diferença entre o completo sucesso e o rotundo fracasso. Dizem que devemos aplicar a palavra certa no momento certo. As palavras podem perder-se oralmente. Escritas duram para a eternidade. E escrever palavras é também uma arte, sobretudo junta-las com um alcance para além do evidente. Mas de que serve se ninguém ler? Nada começa e acaba na cabeça do autor das palavras. Necessita da continuidade do leitor, com a sua interpretação e sentir de tudo o que está no papel.

2 comentários:

Programa Prevenção disse...

Acho que este texto explica muito do que, acho, querias dizer:

MÁRIO CESARINY
YOU ARE WELCOME TO ELSINORE

(...) há palavras de vida há palavras de morte há palavras imensas, que esperam por nós
e outras, frágeis, que deixaram de esperar há palavras acesas como barcos e há palavras homens, palavras que guardam o seu segredo e a sua posição Entre nós e as palavras, surdamente, as mãos e as paredes de Elsenor E há palavras e nocturnas palavras gemidos palavras que nos sobem ilegíveis à boca palavras diamantes palavras nunca escritas palavras impossíveis de escrever por não termos connosco cordas de violinos nem todo o sangue do mundo nem todo o amplexo do ar muito além do azul onde oxidados morrem palavras maternais só sombra só soluço só espasmos só amor só solidão desfeita Entre nós e as palavras, os emparedados e entre nós e as palavras, o nosso dever de falar(...)


Carla Lima

Bruno Marques disse...

Gosto do texto. Só acho que esse senhor consegue ser melhor do que eu na escrita. :)

Consegue ter um texto mais rico. E escusado será dizer que subscrevo o texto na totalidade.