segunda-feira, janeiro 26, 2015

«Aprender de Cor quem Amamos: Comportamo-nos como se as pessoas de quem gostamos fossem durar para sempre. Em vida não fazemos nunca o esforço consciente de olhar para elas como quem se prepara para lembrá-las. Quando elas desaparecem, não temos delas a memória que nos chegue. Para as lembrar, que é como quem diz, prolongá-las. A memória é o sopro com que os mortos vivem através de nós. Devemos cuidar dela como da vida. Devemos tentar aprender de cor quem amamos. Tentar fixar. Armazená-las para o dia em que nos fizerem falta. São pobres as maneiras que temos para o fazer, é tão fraca a memória, que todo o esforço é pouco. Guardá-las é tão difícil. Eu tenho um pequeno truque. Quando estou com quem amo, quando tenho a sorte de estar à frente de quem adivinho a saudade de nunca mais a ver, faço de conta que ela morreu, mas voltou mais um único dia, para me dar uma última oportunidade de a rever, olhar de cima a baixo, fazer as perguntas que faltou fazer, reparar em tudo o que não vi; uma última oportunidade de a resguardar e de a reter. Funciona.»

Miguel Esteves Cardoso, in "As Minhas Aventuras na República Portuguesa"

quarta-feira, janeiro 14, 2015

...

Eras tu e não eu. Que colocavas todas as vírgulas da vida no devido lugar. O texto começou de uma folha em branco breve. E transformou-se até desaparecer na eternidade. Tanto que deixei de ser eu. E  só ficaste tu.