sábado, março 31, 2007

Mundo ao contrário


O mundo está constantemente ao contrário. Uns têm coisas que não querem e outras querem coisas que não podem ter. Ou ninguém está satisfeito com o que tem ou o mundo está realmente ao contrário.

Enquanto uns por livre e espontânea vontade deitam fora o que de mais precioso têm, outros contentam-se com o facto de poderem passar uma tarde sentados a apanhar sol.

E entre dizer adeus ou passar tardes aparentemente sem significado, prefiro sempre viver a vida. A vida, esse bem tão precioso...

sexta-feira, março 30, 2007

Regresso às origens

Ontem, tive a oportunidade de regressar a casa. Voltei ao EDF, mas agora para trabalhar. Já lá vão os saudosos anos passados em Riba d'Ave. Mas os sentimentos não mudaram.

A reportagem que me levou lá não podia ter corrido melhor. Mas também estava em casa. E ainda por cima em boa companhia. Agora só falta o produto final. A recolha, essa, foi por demais proveitosa.

quinta-feira, março 29, 2007

Coisas insignificantes

Acho que com a idade vamos ficando com os gostos mais refinados. Ou melhor, vamos dando valor a certas coisas que passavam ao lado na juventude. E há exemplos concretos.

Por exemplo, não dava grande valor a um bonito sorriso ou ao formato e cor dos olhos de alguém. Não reparava no quão bonita pode ser uma simples gargalhada de uma pessoa. Temos tendência para olhar ao aspecto físico, se é "boa" ou não. E agora, a conclusão é que existem uma enormidade de coisas insignificantes que nos distinguem e nos tornam belos.

Daí valorizar mais uma pessoa interessante, isto é, que tenha algo que a distinga das demais. Porque existem muitas raparigas bonitas, mas poucas com uns olhos de determinado formato e de determinado tom de castanho (outra vez a cor dos olhos!), por exemplo. Mas bonitas e com tudo no sítio, conhecem-se aos pontapés.

E é precisamente aí nessas coisas insignificantes que devemos procurar alguém com quem viver o resto dos nossos dias. Se gostarem dos pequenos pormenores e dos detalhes, certamente que vão gostar do todo, exterior e interiormente.

quarta-feira, março 28, 2007

Frase do dia

"Eu é que sou sensível como um gay"

segunda-feira, março 26, 2007

Blue eyes

Uma definição curiosa para os olhos azuis. Pertence ao Pedro Mexia.

«Os olhos azuis são uns olhos muito mariquinhas. Estão sempre encandeados, magoadinhos, não podem com uma manhã mais luminosa que ficam logo de pálpebras semicerradas como um zombie pela cidade»

«A única coisa simpática é que, como disse, a raridade significa alguma estima social. Há olhos azuis bonitos e feios. Pessoalmente, não ligo nenhuma aos olhos azuis, nem me lembro de ter gostado de mulheres com olhos azuis. Afinal, é apenas uma mistura de amarelo com pouco ou nenhum castanho. E, nas fotografias, ficam sempre vermelhos»

E ele escreve mais ainda sobre a cor dos olhos...

«Os olhos verdes são mais raros que os olhos azuis e gozam de um estatuto quase aristocrático (são claramente os meus favoritos)»

Pois. E atenção porque o Pedro Mexia até tem olhos azuis. Logo, a opinião não podia ser mais imparcial. A propósito do tema, também não acho muita piada aos olhos azuis e prefiro os de cor verde. E se juntarem uns olhos verdes a uma pessoa morena, têm uma combinação perfeita.

sábado, março 24, 2007

Escrever

O que gostava mesmo era de ganhar a vida a escrever. Viver só da escrita. Isso era bom. Por isso, acho que os escritores são uns sortudos e devem agradecer esse dom.

E quem vive só da escrita tem ainda a oportunidade de poder percepcionar melhor o mundo que o rodeia e por conseguinte escrever sobre ele. Esse é outro dos aspectos positivos. Por vezes vivemos o dia-a-dia tão stressados que não reparamos nas coisas fantásticas que nos rodeiam.

Já sabem, se alguém me quiser fazer uma proposta para ganhar a vida a escrever, está à vontade. :)

sexta-feira, março 23, 2007

Frase da semana

«O festival não pretende ser essa fábrica de encher chouriços culturais que contrata filmes na "Atalanta", copia críticas no "Público" ou no "Expresso", e arrota postas de pescada estragada contra outros com a impunidade que só a ignorância e a má fé permitem. Não! Não agimos assim»

Lauro António a propósito do Famafest


Acho interessante a forma como ele mistura comida com cinema. Ele fala em chouriços e postas de pescada quando eu no cinema só vejo pipocas. Mas pronto...

Ir a Braga

Estive em Braga faz hoje uma semana a jantar com um grupo de amigas da Universidade. E ir a Braga e estar com elas é como voltar a viver todos os bons momentos passados nessa cidade. É reviver, é reavivar a memória.

E cada rua, cada local tem uma história. Um acontecimento que fica gravado. E estar lá é sentir-me vivo novamente e partilhar sentimentos comuns. Belos tempos esses da Universidade. Episódios inesquecíveis...

É ao mesmo tempo a percepção de que actualmente todos vivemos numa realidade distante daquela que nos uniu durante a vida académica. Sinto falta de muita coisa. E estes jantares servem para atenuar essas saudades. Sabem aquela sensação de que o tempo poderia parar nesse belo período das nossas vidas. E não me importava de viver e viver esses tempos vezes sem conta.

Obrigado por fazerem parte desta história e pelos momentos fantásticos que vivemos sempre que estamos juntos.

Muito mal vai a Justiça

Vai mal, muito mal a Justiça em Portugal. É vergonhoso o que vemos a passar-se todos os dias por esses Tribunais fora. Compensa ser criminoso e levar a vida à custa dos outros.

Basta ver o que se passou recentemente em Famalicão. Uma morte horrível de um jovem por causa de uma brincadeira estúpida e os principais suspeitos saíram com pulseira electrónica. Não se compreende esta Justiça portuguesa...

quarta-feira, março 21, 2007

Uma boa música

Não sei se já disse, mas aprecio bastante a Scarlett Johansson. E depois de ver este videoclip só confirmo mais a minha opinião. Ah, e esta música do Justin Timberlake é muito interessante também.

quarta-feira, março 14, 2007

Dreamgirls

Tive a felicidade (ou não) de no último sábado ver o filme Dreamgirls. Não gosto de musicais e à partida a minha vontade de ver o filme era pouca. Por insistência da minha outra metade, acedi a fazer-lhe companhia na sessão.


Tal como previa, não gostei do filme, porque não gosto do género, mas tenho de admitir que a história e a música eram interessantes. E realmente Jennifer Hudson mereceu o Óscar pela sua prestação neste filme.
O filme tem coisas positivas e por isso recomenda-se a quem gostar de musicais.

domingo, março 11, 2007

No escurinho

No escurinho do cinema pode fazer-se muita coisa. Há aqueles que preferem fazer das cadeiras, camas e dão largas à imaginação. Outros que passam a vida a fazer barulho e a conversar, esquecendo-se que pagaram bilhete para estarem ali.


Depois, e cada vez mais frequente, são aquelas pessoas que não desligam os telemóveis e para além disso conseguem a proeza de os atender em plena sessão cinematográfica. Há ainda os que se levantam durante o filme para se abastecerem de substâncias líquidas e/ou sólidas, quando não há intervalos.

E já me estava a esquecer daqueles que escolhem uma confortável cadeira de cinema para porem o sono em dia e só acordam quando passam as letras finais com os protagonistas da fita.

Bem, eu quando estou no escurinho do cinema o que faço é basicamente ver o filme. Ou então comer pipocas, beber um pouco de água ou trocar uns contactos mais carinhosos com a Ana. Mas quando vou ao cinema é para ver o filme.
Como vêem há muitas coisas para fazer no escurinho do cinema...

sexta-feira, março 09, 2007

Over the Rainbow

Esta música e respectivo videoclip só tem uma palavra: LINDO!

quarta-feira, março 07, 2007

Blogues

Já sabia que existiam todo o tipo de blogues. Sobre diversos assuntos e para todos os gostos. Mas ontem tive conhecimento de um blogue tão original quanto triste.

Uma jovem resolveu criar um blogue e começar a escrever quando descobriu que tinha um cancro no rim. E foi escrevendo nele até ser consumida em definitivo pela doença. Aliás, o último post disponível foi escrito pela amiga no dia do funeral.

Aqui fica o link para o Blogue da Sónia

Ora aí está uma razão triste que pode levar uma pessoa a criar o seu pequeno diário na web. E são histórias como esta que nos deixam a pensar que muitos dos problemas que temos são em toda a medida menores. E que não vale a pena estarmos constantemente a chatear-nos com coisas insignificantes.

terça-feira, março 06, 2007

Corre tempo corre

Quase nem sei o que penso. Neste tempo que corre, nesta chuva que cai e neste pedaço que morre. Às vezes faz-me falta lucidez quando não sei onde estou.

É estranha a forma como corre este tempo. Com tantos significados que não sei e uma dureza que adoptei mas não é minha. Como se dissesse tudo e não dissesse nada...

As horas

Em Portugal nada começa a horas. Nem sei porque existem relógios neste cantinho de terra à beira-mar plantado. Para qualquer sítio onde se vá com horas marcadas é certo e sabido que haverá sempre um atraso por este ou aquele motivo.

E contra mim falo porque também me atraso constantemente. Mas quando sou eu a esperar, não gosto mesmo nada...