sexta-feira, dezembro 31, 2010

Bom 2011!!!!

Com mais sorrisos e menos amuos. Mais momentos de partilha e amizade com os amigos e família. Mais pensamentos positivos e batalhas ganhas. Mais saúde, amor e sucesso. Viver um dia de cada vez e encontrar a máxima felicidade em cada um deles.

Música

Whatever tomorrow brings, I'll be there
With open arms and open eyes


quinta-feira, dezembro 30, 2010

2011

Parece que 2011 está aí à porta e nesta altura o normal é estabelecer algumas metas a atingir no novo ano. Uma espécie de resoluções. E como terei de comer doze passas e beber uma taça de champanhe ao bater da meia noite, pedindo os habituais doze desejos para o ano que se inicia, decidi pensar antecipadamente e escrever aqui no blogue para não me esquecer.

1. Ter saúde (parece que não mas dá muito jeito)

2. Poder continuar, profissionalmente, a fazer aquilo que mais gosto

3. Ter dinheiro suficiente para não necessitar de fazer muitas contas

4. Poder ter perto de mim as pessoas de quem gosto

5. Continuar a viajar e a alargar horizontes

6. Conhecer pessoas interessantes e emocionantes

7. Ter grandes momentos de boa disposição e rir muito durante todo o ano

8. Experimentar novos papéis no âmbito pessoal (de maior responsabilidade, talvez)

9. Reaproximar-me de algumas pessoas que são importantes para mim

10. Conseguir concretizar projectos diferentes ao nível profissional

11. Ter força para lutar contra as adversidades que possam surgir

12. Ter sorte (sem a dose certa, por vezes torna-se complicado alcançar o que quer que seja)

Bom 2011!

quarta-feira, dezembro 29, 2010

Palavras

A primeira vez que me disseram "gosto de ti" foi como se as palavras fossem uma melodia harmoniosa a entrar delicadamente nos meus ouvidos. E foi a partir desse dia que guardei essas palavras para mim, de forma a utiliza-las sempre que tal se justificasse.

E "gosto de ti" é muito bonito de se dizer e ouvir. O que não quer dizer que se diga em vão ou de forma displicente. Deve dizer-se de forma sentida e com plena convicção. É assim que o faço. A quem merece ouvir. Igualmente bom é ver a reacção de quem ouve. E um sorriso basta.

"Gosto de ti" é algo nem muito leve ou pesado, nem muito profundo ou leviano. Tem a medida e o peso certos. E a simples articulação das palavras tem a força precisa do que se pretende demonstrar. Não tenham medo de o usar. Porque nada deve ficar por dizer.

Gosto de ti.

Música

Não é a primeira vez que publico esta música num blogue. Nem será a última. Porquê? Porque dá tranquilidade, dá que pensar, faz sonhar....

terça-feira, dezembro 28, 2010

Blogues

Parece que os blogues pessoais também conseguem dar muito poder aos seus autores. Pelo menos é o que se conclui de uma notícia que li hoje no site da TSF. A história envolve a Ensitel que exige mesmo a retirada de alguns textos escritos num blogue pessoal.

Ora leiam:

Ensitel exige a ex-cliente retirada de textos de blog pessoal

Partir

Sustém a respiração,
Um pouco, mais um pouco, expira.
Sem reacção ou tentação,
Esquecendo toda aquela ira,
Sossegada num desejo apagado
Pelos olhos fechados na escuridão do quarto.
Detém só mais um pouco todo o ar partilhado
Por entre o sonho vagueado, parto.

segunda-feira, dezembro 27, 2010

...

«I smile when I’m angry.
I cheat and I lie.
I do what I have to do
To get by.
But I know what is wrong,
And I know what is right.»

Momentos

Só temos uma vida e não sete, como os gatos. Uma vida que devemos tentar viver da melhor forma que soubermos. São muitos os dias disponíveis para erramos, cometermos injustiças, provocar estragos ou simplesmente irmos contra a nossa natureza. Do bem ou do mal. Existem demasiadas possibilidades em aberto. É sempre complicado escolher. Acertar nas escolhas é o que se pede. E vamos mudando, crescendo, encontrando a pessoa que somos verdadeiramente. Ninguém sabe tudo ao nascer ou morre plenamente realizado. Falta sempre qualquer coisa, como falta faz quem já nos deixou. Todos os dias.

Escusado será dizer que teimamos em magoar quem mais gostamos. Os que estão do nosso lado incondicionalmente, de forma incansável e para que nada nos falte são constantemente as cobaias. Dos nossos dias de desespero até aos dias maus. Nada que um abraço, a palavra certa não resolva. Nada melhor do que saber perdoar, saber não fechar as portas e deitar fora a chave. Não vale a pena travar uma guerra por dá cá aquela palha. Virar as costas, esconder a mão, desviar o olhar. A vida é curta de mais para a pequena mesquinhez sem sentido. Não percam os momentos que não têm de perder. E vamos sempre a tempo de partilhar mais momentos importantes. Esquecendo todos as horas perdidas e recuperando, juntos, as memórias dos minutos vividos lado a lado.

domingo, dezembro 26, 2010

Espero

Se os sonhos são meros prolongamentos da realidade desejada, então prefiro esperar de olhos bem abertos pela concretização de tudo o que sonhei...

Música

What were all those dreams we shared those many years ago?

sábado, dezembro 25, 2010

Working...

Hoje acordei às 7 horas. Custou-me, mas levantei-me com a esperança de que o dia de Natal (este ano) será mais longo para mim. E esta manhã tive tudo só para mim. O elevador, a garagem, a estrada, a Redacção, o estúdio, o microfone. Tudo com o desejo de que do outro lado alguém me estivesse a ouvir e a fazer companhia. Pelo menos isso.

Deixo agora algo que nunca me abandona. Música. Bom Natal!

sexta-feira, dezembro 24, 2010

FELIZ NATAL!!!!

Nesta quadra o mais importante é estarmos perto dos nossos e daqueles que sabemos estar incondicionalmente connosco. Esses são os que realmente contam. Feliz Natal para todos os visitantes deste blogue e respectivas famílias.

Destiny

Impossível fugir, demasiado evidente para negar, escrever, traçar e reescrever. Afinal o que é o destino?


quinta-feira, dezembro 23, 2010

I'm here

É bom quando existe um regresso depois de uma ida. E regressar a casa nunca deixa de ser uma boa sensação...

terça-feira, dezembro 21, 2010

Viajar

Viajar é quase sempre sinónimo de aventura. Maior ou menor, com mais ou menos histórias para contar. A certeza é que sobra espaço para um, outro ou muitos momentos para mais tarde recordar. Sempre associados àquela dita viagem, claro.

O que nunca adivinhamos é que o nosso voo vai ser cancelado. Que vais passar a noite sem dormir e que no hall de entrada do hotel vais encontrar alguém descalço, com uns copitos a mais, camisa aberta até ao umbigo e mais uma cerveja geladinha no balcão para beber.

Jamais conseguirias dizer que aquela senhora com alguma idade e muitas histórias para contar se iria colar a ti no aeroporto. Que um espanhol, furioso pelo cancelamento do voo, arranjaria uma nova designação para a TAP (Take Another Plane). Que afinal é possível achar piada a uma ida tardia para um hotel, de autocarro, por ruas estreitas e pouco convidativas do Porto, e apenas ocupar um quarto por duas horas.

E seria impensável que finalmente chegado ao destino, três minutos depois de estar no quarto, alguém consiga a proeza de ficar trancado na casa-de-banho. Que depois seja necessário chamar um habilidoso qualquer que só por acaso tinha abandonado o hotel poucos minutos antes.

É certo que a viagem ainda não acabou porque falta o regresso a casa. Viajar tem este lado surpreendente e por isso nunca fiando no destino. E as histórias, essas, levamos connosco.

domingo, dezembro 19, 2010

Crises

Sabe bem sair do país e fugir um pouco da crise. Deixar de ouvir notícias pessimistas, cenários catastróficos ou falar de falências e despedimentos. É positivo. Deixar de ouvir tudo isso em português para passar a ser em...espanhol.

A verdade

As pessoas mentem. Com uma facilidade arrepiante. Como se tivesse no sangue ou fizesse parte do respirar para viver. Os olhos não mentem. Dizem tanta coisa e apenas a verdade. Por isso é que tantas vezes temos de desviar o olhar ou simplesmente baixar a cabeça. Não vá alguém ouvir o que os olhos estão a gritar.

Para ver...

Este César Mourão é o maior! Ora vejam lá...

quinta-feira, dezembro 16, 2010

Sobrevivendo

O mundo dos adultos é complicado. Denso, complexo, demasiado cruel. Resta sobreviver...

...

Com o olhar perdido na multidão, as mãos trémulas e a voz que teima em não acompanhar o pensamento. Nada melhor do que a música para nos guiar quando parecemos perdidos.

E assim vamos...

Tenho este péssimo hábito de ficar acordado até tarde, mesmo tendo também a consciência dos prejuízos que isso poderá causar na minha manhã. Normalmente acordo sem disposição para abrir a boca nas primeiras horas fora de cama. Até porque antes de ir dormir escrevo qualquer coisita por estes lados. Logo, as palavras fogem de manhã cedo.


Na verdade, vejo muitas coisas a fugir-me das mãos. Mesmo quando parece que tudo está controlado, que nada pode deixar de ser como imaginamos, a realidade apresenta-se com um terrível murro no estômago. Sem estarmos preparados para tal.

Por isso, o que mais interessa é esperar por um dia de cada vez. Com ou sem sono, deitando-me cedo ou não. Escrevendo ou não, partilhando, esperando ou desesperando...

quarta-feira, dezembro 15, 2010

Acreditar

Acredito e continuarei a acreditar que amanhã será melhor.

terça-feira, dezembro 14, 2010

Música

Esta música é no mínimo inquietante. Misteriosa, talvez. Pertence à banda sonora de um filme que adorei: "The Jacket". A não perder.

segunda-feira, dezembro 13, 2010

Praga

Tudo o que os olhos alcançam...

Música

Descobri e gostei...

Regresso

Nada melhor para regressar do que pegar num pensamento de alguém nascido em Praga.

«O tempo não é uma medida. Um ano não conta, dez anos não representam nada. Ser artista não significa contar, é crescer como a árvore que não apressa a sua seiva e resiste, serena, aos grandes ventos da Primavera, sem temer que o Verão possa não vir. O Verão há-de vir. Mas só vem para aqueles que sabem esperar, tão sossegados como se tivessem na frente a eternidade»

Rainer Maria Rilke

Quanto tempo tens?

quinta-feira, dezembro 09, 2010

...

Li algures que a imaginação é mais importante que o conhecimento. O conhecimento é limitado enquanto a imaginação faz girar o mundo...

domingo, dezembro 05, 2010

Música

Para onde vamos? Quem sabe? Mas cada dia fica melhor…

sábado, dezembro 04, 2010

Férias

Dizem que trabalhar é importante. Ter trabalho, nos dias que correm, também. Igualmente importante é ter férias. Faz falta parar de vez em quando para descansar a cabeça, nem que sejam somente um par de dias. Nem só de trabalho ou descanso se vive. As duas partes devem chegar em igual medida.

Por tudo isso, neste momento vou a caminho de Lisboa. Velocidade: 140 km/hora. Temperatura interior: 22ºC; exterior:4ºC. São 15h27 e estou de férias.

sexta-feira, dezembro 03, 2010

True

«Se te invejam, tens de ser feliz»

quarta-feira, dezembro 01, 2010

O Natal

Não sei porquê mas ainda não me cheira a Natal. Aliás, quase ainda não tive consciência de que a quadra se aproxima a passos largos. E agora que entramos no mês do Natal, vou fazer um esforço para me lembrar que está aí à porta. É estranho até porque adoro estas festividades. Mas que posso eu fazer? Prometi a mim mesmo começar a pensar nos presentes que vou oferecer. Talvez seja um começo...

terça-feira, novembro 30, 2010

Comigo

Nem longe de mais para ser impossível lá chegar, nem perto o suficiente para sentir o teu calor. Independentemente da distância, estás sempre comigo.

Respirar

Por cada porta aberta há sempre um mar de novas oportunidades. Mesmo que as portas pareçam fechadas a sete chaves. E por cada porta que não se abre, muitas janelas surgirão para pelo menos termos uma lufada de ar fresco. Pode não contentar totalmente, mas dá para respirar um pouco melhor.

segunda-feira, novembro 29, 2010

Música

Na onda da tranquilidade, aqui está mais um grande exemplo disso mesmo.

«Don't let your soul get lonely child
It's only time, it will go by
Don't look for love in faces, places
It's in you, that's where you'll find kindness
»

domingo, novembro 28, 2010

Uma questão de tranquilidade

Quando somos mais jovens sentimos que nada nos pode atingir. Quase tudo nos passa ao lado, indiferentes a algumas desgraças, tristezas ou acidentes de percurso. Com o avançar da idade vamos ficando mais ligados aos sentimentos e percepcionamos o que nos rodeia de uma forma diferente. Mais madura, talvez.

Valorizamos o que antes desvalorizávamos e os pequenos gestos começam a fazer toda a diferença. Um abraço tem maior significado, as palavras batem mais fundo, os olhares transmitem quase tudo. Provavelmente somos mais complexos enquanto seres humanos, mas parecemos mais pequeninos mediante algumas situações com que nos deparamos.

Curiosamente, e se calhar contrariamente ao que seria de esperar, o avançar da idade traz-nos uma maior tranquilidade. Um gosto diferente de saborear cada momento.

sábado, novembro 27, 2010

José... Mourinho

Não tive oportunidade para ver a reportagem especial sobre José Mourinho e os seus dez anos de carreira de treinador quando passou na Sic, mas tirei esta noite para ver no youtube. E terminada a visualização, fico quase sem palavras.

Que o homem é um génio já toda a gente sabe. Que é o melhor do mundo na sua profissão, também. Agora, conhecer todos os pequenos pormenores, aqueles que fazem a diferença, isso deixa-nos ainda mais incrédulos. Tão cedo o futebol não terá uma personagem como José Mourinho. Será uma lenda do desporto rei. Digam o que disserem, e aconteça o que acontecer, será sempre o maior de todos os tempos. Sou um fã incondicional da pessoa e do seu trabalho.

E deixo aqui escrito. Mourinho, és grande!

sexta-feira, novembro 26, 2010

Música

Para ouvir nesta noite fria...

quarta-feira, novembro 24, 2010

O povo

Gosto de pessoas simples e genuínas. E o melhor exemplo está no que vulgarmente chamamos "povo". O português típico, o cidadão comum, o anónimo que atravessa uma qualquer rua ou esquina. E o povo tem essa capacidade de dizer muitas coisas acertadas de forma compreensível e sem grandes malabarismos. Melhor mesmo do que os grandes estudiosos e entendidos nesta ou naquela matéria.

Ao ver as notícias do dia de hoje, surgiram vários exemplos disto mesmo que escrevi em cima. O vídeo que se segue é apenas um desses exemplos. Atentem nas palavras da senhora que está na rua a vender flores. E depois irão perceber o que quero dizer.

Frase

«A adversidade testa-nos de tempos a tempos e é inevitável que continue a testar-nos ao longo da vida»

Walter Annenberg

terça-feira, novembro 23, 2010

Sick...

...as a dog!

Sou eu

A saudade que sinto não é tua.
O medo não é do que veio, mas do que vem.
A luz não se apagou, o quarto é que está escuro.
O sorriso deixou de ser o ponto de encontro.
Não és tu que vais embora, fui eu que nem cheguei a entrar,
Isto não és tu, sou eu.

segunda-feira, novembro 22, 2010

Riqueza

A nossa riqueza não está só nos números e no dinheiro. Está nos sítios e pessoas que conhecemos, nas experiências vividas, no turbilhão de emoções que sentimos. Somos ricos nos mundos que descobrimos. Muito para além dos bens materiais que possuímos.

domingo, novembro 21, 2010

Escrever com os pés

Quando as pessoas têm dificuldade em expressar-se em termos escritos ou dão muitos erros, costumo utilizar a expressão "escrever com os pés". Embora imagine que escrever com os pés seja ainda mais complicado do que com as mãos. Logo, essas pessoas deviam era estar num outro patamar, muito superior.

E quando penso no assunto, gostava de conseguir escrever com o coração. Sempre. As palavras do coração são as mais genuínas, as mais coloridas, as mais emocionalmente atraentes. Escrever com a cabeça também será bom, frequentemente, mas soa mais a falso, premeditado. No meio disto tudo, os dedos limitam-se a juntar as letras e a formar as palavras. E como é bom poder escrever...

sexta-feira, novembro 19, 2010

Inside

Não vejas só o que está por fora. Olha também para dentro.

quinta-feira, novembro 18, 2010

Eyes...again...

"...sometimes you close your eyes and see the place where you used to live..."

quarta-feira, novembro 17, 2010

Voz...

...rouca é sensual.

Simple things

It's an easy ride to Rome
You'll never walk alone
Naturally we blew
Simple things we say
Everyday we find the way

Seems like we've opened up the door
Feels like we've walked this way before
Naturally we blew
Simple things you say
Everyday you'll find the way
It amazes
Everyday

Para não me esquecer...

...

As it has been and always will...

terça-feira, novembro 16, 2010

Olhar

Quando dois olhares se cruzam, qual é a probabilidade de se voltarem a cruzar?

segunda-feira, novembro 15, 2010

Scar

«As crianças ostentam as cicatrizes como medalhas. Os amantes usam-nas como segredos a serem revelados. Uma cicatriz é o que acontece quando a palavra se manifesta em carne.»

Villas-Boas

Dá-me um certo gozo ver alguns órgãos de comunicação social estrangeiros reconhecerem o trabalho realizado até este momento por André Villas-Boas. As dúvidas que se levantaram no início parecem agora totalmente dissipadas. Será talvez a prova de que a competência e a capacidade de trabalho não têm idade. Serve também para mostrar que devemos dar uma oportunidade às pessoas e não as crucificar prematuramente.

Sempre achei que André Villas-Boas era uma boa opção para treinar o FC Porto, nunca esperei foi que os resultados surgissem tão rapidamente. E parte do gozo que sinto neste momento tem a ver com todos aqueles que agora dão a mão à palmatória e reconhecem que estavam errados. Não tem nada de mal errar e sobretudo admitir o erro, mas fico satisfeito por Villas-Boas estar a encontrar o caminho do sucesso e pelo FC Porto estar de regresso aos bons velhos tempos.
Aqui fica o artigo escrito na edição online do diário desportivo espanhol Marca.

sexta-feira, novembro 12, 2010

Ditado

Existe um ditado que diz: "cá se fazem, cá se pagam". Para mim é uma verdade incontornável. Acredito que mais tarde ou mais cedo pagaremos todos os nossos comportamentos ou atitudes menos próprias. Não adianta fugir.

Acredito também que umas vezes estamos por cima e noutras por baixo. Convém não esquecer essa circunstância, sobretudo quando estamos em cima. A vida dá demasiadas voltas. A não esquecer...

quarta-feira, novembro 10, 2010

Eu vi!

Sim, vi na passada segunda-feira um dos filmes do momento. "The Social Network" ou se quiserem "A Rede Social", o filme que conta a história do aparecimento do Facebook. Li algures que é muito mais do que isso, do que o simples Facebook, sendo mais um filme em que se aborda o poder e a ambição. E realmente é verdade.

Não tem cenas com perseguições ou troca de tiros, mas a acção é bastante dinâmica, desenrolando-se por vezes a um ritmo alucinante. Do género de flashes de volta ao passado e constantes avanços e recuos no tempo de forma a explicar todos os acontecimentos. Um excelente trabalho de realização por parte de David Fincher. A destacar ainda o espantoso desempenho de Jesse Eisenberg, recriando Mark Zuckerberg, "pai" do Facebook.

Recomendo vivamente que percam cerca de duas horas da vossa vida a ver este filme. Vale a pena. Até porque "todos os mitos de criação precisam de um demónio".

terça-feira, novembro 09, 2010

Esta noite

Como se prevê que esta noite seja longa, dou-me ao luxo de pelo menos escolher a banda sonora que me vai acompanhar ao longo da jornada. Com música parece mais fácil.

Acrescento só que esta é uma adaptação musical de um poema de Pablo Neruda. Fica também um excerto do mesmo.

Me gustas cuando callas y estás como distante.

Y estás como quejándote, mariposa en arrullo.
Y me oyes desde lejos, y mi voz no te alcanza:
déjame que me calle con el silencio tuyo.

segunda-feira, novembro 08, 2010

Ainda sábado...

Já conhecia algumas coisas de Leonard Cohen, mas o que me contaram sobre o seu concerto em Portugal despertou-me a curiosidade e fui pesquisar. Este senhor, natural do Canadá, tem um talento especial para escrever, sendo também músico. Deixo uma pequena amostra, um poema e uma música.

MISSION

I've worked at my work
I've slept at my sleep
I've died at my death
And now I can leave

Leave what is needed
And leave what is full
Need in the Spirit
And need in the Hole

Beloved, I'm yours
As I've always been
From marrow to pore
From longing to skin

Now that my mission
Has come to its end:
Pray I'm forgiven
The life that I've led

The Body I chased
It chased me as well
My longing's a place
My dying a sail

domingo, novembro 07, 2010

Life

Desiludam-se aqueles que pensam que as situações positivas só acontecem aos outros e as negativas a nós próprios. A vida é uma constante e grande rotina de acontecimentos banais. Positivos e negativos. De forma cíclica.

sábado, novembro 06, 2010

Diálogo

Chegado ao balcão do take-away para comprar comida...

Funcionária: Boa noite, o que vai ser?
Eu: queria duas sopas, por favor.
Funcionária: com ou sem molho picante?
Eu: (olhar de parvo e sem responder)
Funcionária: (colocando a mão na cabeça e baixando o olhar) Ai, desculpe, é que estou habituada a vender frango...

Este foi um dos diálogos do meu sábado!

quinta-feira, novembro 04, 2010

Música

Olhar o céu, à noite, com as estrelas por companhia, é uma boa forma de encontrar inspiração. Ou ter o céu por companhia, fechar os olhos e imaginar as estrelas que brilham nas nossas vidas.

quarta-feira, novembro 03, 2010

Caminho

O caminho é mais curto ou mais longo. Mais claro ou sombrio. Mais ou menos proveitoso, melhor ou pior, bem sucedidos ou nem por isso. Que diferença faz se o caminho tem de ser percorrido de qualquer das formas. Caminhamos por onde podemos e não por onde queremos...

terça-feira, novembro 02, 2010

Ser...outra coisa qualquer

Muitas pessoas não compreendem bem o trabalho de um jornalista. Olham-nos de alto a baixo e torcem, invariavelmente, o nariz. Tentam medir-nos só com o olhar e perceber o que é que poderá sair dali. Nada, pensam muitos. Outros acham que os jornalistas são a origem de todos os males do mundo. Se corre bem, é porque nos limitamos a fazer o nosso trabalho. Quando corre mal, o culpado é sempre fácil de encontrar: "é essa cambada de incompetentes!".

Regra geral, os jornalistas não querem protagonismo. Não são parte da acção. São intermediários entre a origem da informação e o seu destino final. Tratamos a informação, não a inventamos. Não colocamos palavras na boca das pessoas, nem influenciamos decisões de qualquer espécie. Poucas pessoas têm consciência de que o jornalismo está para o bem e para o mal, não para fazer favores, mas antes ser o retrato mais fiel da realidade dos factos/acontecimentos.

Mas é claro que os jornalistas têm sentimentos, opiniões, preferências, paixões, desejos, anseios, expectativas...basicamente somos de carne e osso. Susceptíveis ao erro, a falhar nesta ou naquela situação. A margem é constantemente reduzida. Poucos, muito poucos, sabem entender o trabalho de um jornalista.

Por estas e por outras é que tantas e tantas vezes dá vontade de ser...outra coisa qualquer.

segunda-feira, novembro 01, 2010

Sem comentários

«Abaixo os organismos de cúpula, vivam os orgasmos de cópula*

por Daniel Oliveira

Um episódio está a aquecer o Parlamento. Nada tem a ver com os deputados. A semana passada um colaborador do grupo parlamentar do PSD foi apanhado em flagrante delito, às sete da manhã, em pleno acto com uma amiga que não trabalha na Assembleia. A coisa pode parecer apenas interessante contada assim. Mas é muito mais do que isso. O acto aconteceu na sala do plenário. Infelizmente, a interrupção não terá permitido ao arrojado casal levar a fantasia até ao fim. Há sempre um empata.

Antes que a coisa saia na imprensa e comecem as condenações morais, quero deixar clara a minha admiração pelos pecadores. Porque respeito quem faz tudo para cumprir uma fantasia. Porque deram um contributo para a dessacralização do poder, aproximando assim aquele órgão de soberania das verdadeiras preocupações dos cidadãos. E porque, por uma vez, aconteceu qualquer coisa realmente interessante naquela sala (infelizmente não consegui saber qual foi a bancada escolhida). Só lamento que, como de costume, quando realmente alguma coisa de construtiva começa ali a ser feita, seja deixada a meio. O meu abraço aos dois. Próxima aventura: Palácio de Belém?

*conhecida frase anarquista que enfeitou uma rua de Lisboa»

in blogue Arrastão

domingo, outubro 31, 2010

Off

Em modo 'hibernar'... para evitar males maiores...

sábado, outubro 30, 2010

Dias de chuva

Nestes dias, como o de hoje, o ideal mesmo é ficar em casa. Um programa caseiro, com filmes, net, música, jornais e revistas. Era isto que eu escolhia fazer hoje. Mas não o vou fazer. Só para contrariar...

sexta-feira, outubro 29, 2010

Pessoas

Existem pessoas que nos surpreendem. Outras que nos desiludem. Umas que são especiais, que marcam os momentos, que nos fazem ver, mesmo sem olhar. Todas as pessoas são diferentes, únicas, nos seus feitios, virtudes e defeitos. Mas todas se querem por inteiro. Não apenas com as coisas boas em detrimento das más.

Há pessoas que deixam a sua marca nos outros. Por muito curta que seja a sua participação nas nossas vidas. E esses momentos partilhados jamais se esquecem, pois vivem connosco, dentro de nós. E continuarão a viver, a permanecer.

Procurem as pessoas que nos fazem dizer: "esta breve passagem afinal até valeu bem a pena"...

quarta-feira, outubro 27, 2010

Música

Dizem que esta música tem o poder de acalmar a mais feroz de todas as feras. Talvez. Pelo menos, eu estou mais calmo. :)

terça-feira, outubro 26, 2010

Morreu Paul, o polvo

Paul, o polvo que saltou para a fama durante o Mundial de 2010 pela sua estranha habilidade de prever os resultados de partidas da Alemanha, morreu na sua casa em Oberhausen. Paul tinha 2 anos.

Paul fez manchetes em todo o mundo depois de ter previsto correctamente os resultados da Alemanha em sete partidas. Após a derrota dos alemães frente a Espanha nas meias-finais, os espanhóis tudo fizeram para saber qual a previsão para a final da competição e Paul acertou: a Espanha venceu a Holanda e sagrou-se campeã mundial.

Adivinhem o que há hoje para o jantar no Sea Life Centre Oberhausen...

segunda-feira, outubro 25, 2010

Sonhos

Será que os nossos sonhos algum dia se vão concretizar? O que significam os sonhos? São extensões da realidade ou algo que desejamos muito, mas que nunca poderá ser real? Quero acreditar que há sonhos que se tornam em realidade.

Na verdade, os sonhos são na maior parte das vezes compostos pelos nossos desejos inconfessáveis. Surgem algumas das pessoas de quem queremos estar perto e sentimos saudades. Aparece a nossa realidade idealizada ou o último pensamento antes de fecharmos os olhos e adormecermos.

Os sonhos têm uma duração limitada. Demasiado curta. Fechem os olhos e deixem-se levar por um qualquer sonho com final feliz. Boa noite!

Rewind

Com as palavras te desperto
Com um olhar te desarmo
Com um sorriso te derreto
Com um beijo te conquisto…

sábado, outubro 23, 2010

Dilema

Esquecer o passado e recuperar o tempo perdido ou seguir com o passado e criar um novo tempo?

sexta-feira, outubro 22, 2010

Jovem

Entre muitas outras coisas, detesto aquelas pessoas que tratam toda a gente por "jovem". Mesmo tratando-se de um senhor de 70 anos. Não há distinção. E acredito que seja mais fácil, porque se tem um tratamento igual e generalizado, mas confesso que me irrita profundamente. É o "jovem" para aqui e para ali e não há quem aguente. Por isso, evitem a palavra "jovem" perto de mim.

quarta-feira, outubro 20, 2010

Palavra que gosto

cumplicidade

s.f.
1. Qualidade de cúmplice.
2. Conivência.
3. Inteligência.

Irresistível

Não consigo deixar de achar piada a este tipo de filmes de animação.



domingo, outubro 17, 2010

Palavrões

Um texto escrito por Miguel Esteves Cardoso e lido por Miguel Guilherme, sobre uma temática que não lembra ao diabo. Todas as pessoas usam palavrões no seu dia-a-dia e aqui fica uma visão interessante.

O texto de um escritor que gosto e a voz de um actor que aprecio bastante.



P.S.: Hoje apetece-me dizer palavrões. Vá...mas isso até nem é novidade!

Pergunta

Provavelmente esta deve ser a pergunta do ano:

Por que não mudam os políticos?

quinta-feira, outubro 14, 2010

A sala

Quando reentrei naquela sala, senti-me viajar no tempo. Regressei ao passado por entre o ruído de fundo e a agitação própria daqueles dias especiais. Os espaços estavam totalmente preenchidos naquela que agora é uma sala vazia. Mas ainda lhe sinto o cheiro das tarde e noites de natural vivacidade. Visualizo a disposição da mobília, a mesa com as cadeiras e os lugares onde as pessoas habitualmente se sentavam.

Num suspiro seco, revejo tal e qual a forma como tudo se passou. Desde as gargalhadas, os desentendimentos também, sem esquecer os temas, um por um, de quase todas as conversas tidas e palavras ditas naquela sala. Tinha direito a lareira, sonos mal dormidos e um calor que provavelmente jamais voltarei a sentir.

Liberto um tímido sorriso. Como é diferente todo este espaço. Morreu de uma determinada forma, mas ainda vive nas memórias dos dias que acabaram. Neste momento, isso chega-me...

Ausência

Imagino que seja complicado preencher as ausências. Os espaços que ficam em branco. Penso claro nos mineiros do Chile que estiveram soterrados durante 70 dias. Felizmente vão poder agora compensar essa ausência junto de quem os espera. Será que tudo volta a ser o que era? A ausência pode deixar as suas marcas. Pelo menos já são uma inspiração para muita gente. Um exemplo de persistência e sobrevivência. A esta hora estão resgatados 28 mineiros. Faltam 5...

quarta-feira, outubro 13, 2010

Desbloqueadores

Existe um desbloqueador de pensamento? E um desbloqueador de escrita? E de conversa? Se existem, por favor reencaminhem-nos para mim. Preciso de desbloqueadores!

terça-feira, outubro 12, 2010

Nós, os portugueses

Já escrevi isto uma data de vezes, mas nunca considero ser de mais fazê-lo. Nós, os portugueses, temos o péssimo hábito de gostar de ver sangue. Dá-nos uma pontinha de satisfação ver os outros na lama a clamar por ajuda. E quanto mais de rasto estiverem, tanto melhor para calcar e recalcar. Há um prazer, raramente admitido, pelo fracasso do outro e por vê-lo na pior situação possível. Isso faz-nos sorrir e brincar com o infortúnio alheio. Nas situações mais difíceis gostamos de estar por perto para apontar o dedo, opinar e deixar palpites jocosos.

O contrário raramente acontece. Quando conseguimos uma qualquer vitória ou conquistamos o que quer que seja, certamente que não teremos ninguém, ou muito pouca gente, para nos dar os parabéns e as respectivas palmadinhas nas costas. Alguém para reconhecer o nosso valor e dizer duas ou três palavras de gratidão. Não esperem receber muitas vezes os louros do triunfo. Preparem-se é para aguentar as tormentas nos momentos maus. Nós, os portugueses, somos assim.

Música

Não consegui evitar...

Life

"A vida é longa".

Eu acrescento que dá muitas e muitas voltas. Há situações que não se repetem, há memórias que permanecem, na certeza também que há circunstâncias que não voltam a ser o que já foram. E muitas e muitas coisas não se conseguem explicar. Mas quero acreditar que tudo está nas nossas mãos. Aquilo de sermos nós a traçarmos o nosso destino. Por isso, certamente que o teu está só nas tuas mãos...

segunda-feira, outubro 11, 2010

Uma jornalista no Ídolos

“Como é que tu a desafinar dessa maneira fazes parte de um coro é que é uma coisa extraordinária, admirável.” Eram só 10h da manhã e Manuel Moura dos Santos já estava com mau feitio. Sim – de facto a repórter-cantora da SÁBADO, que nos tempos do colégio fez parte de um coro de Igreja, não resistiu aos nervos de estar perante o júri mais temido da televisão portuguesa, cheia de câmaras e holofotes à volta, e mandou uma fífia na interpretação da “Eu Sei” da Sara Tavares. Mas também não estava à espera de tanta agressividade à conta dos agudos desafinados: não só ouviu desaforos do manager musical como não conseguiu convencer nenhum dos outros jurados. Para Pedro Boucherie Mendes, tinha uma “atitude pouco confiante”, para Laurent Filipe, era “insuficiente” e até a simpática Roberta Medina achou que não estava “à altura do que a gente está procurando.”

A jornalista, que tinha conseguido passar a primeira fase do concurso, abandonou o Centro de Congressos do Estoril sem o papel amarelo que lhe permitia passar à etapa seguinte, mas com muitas histórias de bastidores para contar. Tudo para ver na Sábado.

sábado, outubro 09, 2010

Genial

Se a genialidade tem várias representações, esta será certamente uma dessas representações. Enjoy...

sexta-feira, outubro 08, 2010

Pergunta

O que há para além de um sorriso?

quinta-feira, outubro 07, 2010

Os dias...

Esta manhã fiz a barba, vesti uma camisa e escolhi o meu melhor perfume. Saí de casa mais confiante e a acreditar que tudo pode melhorar. Puro engano. Continua tudo na mesma.

quarta-feira, outubro 06, 2010

ERSE

Bem, esta história chegou-me por e-mail com o pedido de divulga ao maior número possível de pessoas. Por isso, coloco aqui no blogue...

«UMA COISA CHAMADA "ERSE"

Mais uma golpada - Jorge Viegas Vasconcelos despediu-se da ERSE

É uma golpada com muita classe, e os golpeados somos nós....

Era uma vez um senhor chamado Jorge Viegas Vasconcelos, que era presidente de uma coisa chamada ERSE, ou seja, Entidade Reguladora dos Serviços Energéticos, organismo que praticamente ninguém conhece e, dos que conhecem, poucos devem saber para o que serve.

Mas o que sabemos é que o senhor Vasconcelos pediu a demissão do seu cargo porque, segundo consta, queria que os aumentos da electricidade ainda fossem maiores. Ora, quando alguém se demite do seu emprego, fá-lo por sua conta e risco, não lhe sendo devidos, pela entidade empregadora, quaisquer reparos, subsídios ou outros quaisquer benefícios.

Porém, com o senhor Vasconcelos não foi assim. Na verdade, ele vai para casa com 12 mil euros por mês - ou seja, 2.400 contos - durante o máximo de dois anos, até encontrar um novo emprego.

Aqui, quem me ouve ou lê pergunta, ligeiramente confuso ou perplexo:
«Mas você não disse que o senhor Vasconcelos se despediu?». E eu respondo: «Pois disse. Ele demitiu-se, isto é, despediu-se por vontade própria!». E você volta a questionar-me: «Então, porque fica o homem a receber os tais 2.400contos por mês, durante dois anos? Qual é, neste país, o trabalhador que se despede e fica a receber seja o que for?».

Se fizermos esta pergunta ao ministério da Economia, ele responderá, como já respondeu, que «o regime aplicado aos membros do conselho de administração da ERSE foi aprovado pela própria ERSE». E que, «de acordo com artigo 28 dos Estatutos da ERSE, os membros do conselho de administração estão sujeitos ao estatuto do gestor público em tudo o que não resultar desses estatutos». Ou seja: sempre que os estatutos da ERSE forem mais vantajosos para os seus gestores, o estatuto de gestor público não se aplica.

Dizendo ainda melhor: o senhor Vasconcelos (que era presidente da ERSE desde a sua fundação) e os seus amigos do conselho de administração, apesar de terem o estatuto de gestores públicos, criaram um esquema ainda mais vantajoso para si próprios, como seja, por exemplo, ficarem com um ordenado milionário quando resolverem demitir-se dos seus cargos. Com a bênção avalizadora, é claro, dos nossos excelsos governantes.

Trata-se, obviamente, de um escândalo, de uma imoralidade sem limites, de uma afronta a milhões de portugueses que sobrevivem com ordenados baixíssimos e subsídios de desemprego miseráveis. Trata-se, em suma, de um desenfreado, e abusivo desavergonhado abocanhar do erário público. Mas, voltemos à nossa história.

O senhor Vasconcelos recebia 18 mil euros mensais, mais subsídio de férias, subsídio de Natal e ajudas de custo. 18 mil euros seriam mais de 3.600 contos, ou seja, mais de 120 contos por dia, sem incluir os subsídios de férias e Natal e ajudas de custo.

Aqui, uma pergunta se impõe: Afinal, o que é - e para que serve - a ERSE? A missão da ERSE consiste em fazer cumprir as disposições legislativas para o sector energético. E pergunta você, que não é burro: «Mas para fazer cumprir a lei não bastam os governos, os tribunais, a polícia, etc.?». Parece que não.

A coisa funciona assim: após receber uma reclamação, a ERSE intervém através da mediação e da tentativa de conciliação das partes envolvidas. Antes, o consumidor tem de reclamar junto do prestador de serviço.

Ou seja, a ERSE não serve para nada. Ou serve apenas para gastar somas astronómicas com os seus administradores. Aliás, antes da questão dos aumentos da electricidade, quem é que sabia que existia uma coisa chamada ERSE? Até quando o povo português, cumprindo o seu papel de pachorrento bovino, aguentará tão pesada canga? E tão descarado gozo?

Politicas à parte estou em crer que perante esta e outras, só falta mesmo manifestarmos a nossa total indignação.»

terça-feira, outubro 05, 2010

Mea culpa de AVB

A força e determinação para vencer não é defeito. Ficar chateado, irritado e proferir declarações mais perto do coração do que da razão também não. São formas de estar de alguém que quer o melhor e somar vitórias atrás de vitórias. Assumir que se errou e exagerou nas críticas, quando analisadas as circunstâncias a frio, não está ao alcance de qualquer um. Foi mais ou menos isto que aconteceu com André Villas Boas depois do V. Guimarães-FC Porto.

segunda-feira, outubro 04, 2010

Tampas difíceis

«Há alegrias do quotidiano que passam injustamente despercebidas. É o caso das tampas difíceis. Poucas coisas animam tanto o dia de um homem como uma mulher abeirar-se dele com um recipiente hermeticamente selado e perguntar: "Achas que consegues abrir isto?" São palavras que têm o poder milagroso de fazer nascer um macho alfa em doze metros quadrados de cozinha.

Eu casei-me com uma mulher de armas, portanto esse não é um pedido recorrente. Mas quando acontece, a simples formulação de tal pergunta – "achas que consegues abrir isto?" – é de modo a transformar o caco de homem que podem verificar na ilustração em apenso num autêntico Sylvester Stallone doméstico. Num piscar de olhos, empolo os bíceps, imobilizo o objecto com a mão direita, grampeio a tampa com a mão esquerda e aplico toda a minha energia na rotação do pulso.

Às vezes corre mal e tenho de ir a correr buscar um pano da loiça, desculpando-me com o facto de a superfície estar "escorregadia". Mas quando corre bem, ouvir o clique da tampa a ceder é uma entrada directa para o top ten dos pequenos prazeres da vida. Nessa altura, coloco o meu melhor sorriso, devolvo o objecto à minha excelentíssima esposa, e mesmo que ela apenas me agradeça com um "obrigado" mais ou menos indiferente, eu já ganhei o dia: "mim Tarzan, tu Jane, eu ser o mais poderoso da selva, ooooooooh-oho-oho!" [simulação do famoso grito de Johnny Weissmuller, acompanhado pelo bater dos punhos no peito].

Um homem precisa de tampas difíceis, já que a sua vida está cada vez menos fácil. Atropelados que fomos pelo discurso igualitarista do século XX, sentimo-nos inevitavelmente fracos machos. Quando eu pergunto aos meus três filhos: "Mas quem é que manda cá em casa, afinal?" Eles respondem em coro: "A mamã!". E têm toda a razão. Até porque quando me casei já sabia perfeitamente quem é que ia usar as calças – e, como é óbvio, não era eu.

Acantonado que estou no meu lugar de triste espécimen da espécie, é muito raro ter a oportunidade de voltar a sentir-me no topo da pirâmide. E, por isso, um frasco fechado na minha mão, após várias tentativas infrutíferas da minha mulher para o abrir, é uma espécie de passaporte para o passado em que um homem era um homem. Todos os momentos de felicidade masculina devem ser cultivados. Ainda que tenham apenas a duração de um clique.»

João Miguel Tavares, in Os homens precisam de mimo

sábado, outubro 02, 2010

Porque os outros se mascaram mas tu não

Porque os outros se mascaram mas tu não
Porque os outros usam a virtude
Para comprar o que não tem perdão.
Porque os outros têm medo mas tu não.
Porque os outros são os túmulos caiados
Onde germina calada a podridão.
Porque os outros se calam mas tu não.

Porque os outros se compram e se vendem
E os seus gestos dão sempre dividendo.
Porque os outros são hábeis mas tu não.

Porque os outros vão à sombra dos abrigos
E tu vais de mãos dadas com os perigos.
Porque os outros calculam mas tu não.

Sophia de Mello Breyner

Pontuação

Não é fácil colocar um ponto final, parágrafo. Implica terminar e resolver tudo o que estava na frase anterior para depois começar de novo. Uma nova ideia, uma nova frase, mas ao mesmo tempo dar seguimento ao que está para trás. A dificuldade está em continuar por um novo caminho sem perder o fio à meada. Até porque geralmente não podemos apagar tudo o resto, sob pena de estarmos a perder mais tempo.

Colocar vírgulas é bem mais fácil. Permitir parar para respirar, alterar um bocadinho o rumo, encadeando a mensagem. Fluindo e dando ordem ao percurso que o texto deve seguir. A virtude está em saber colocar as vírgulas no sítio certo.

Mais complicados são os pontos de exclamação e interrogação. Exclamação pode ser surpresa, arrebatamento, espanto, dor, raiva. Basicamente dá a cor ao nosso texto, podendo ser também o acordar para algo bom ou mau. As interrogações são o que nos faz pensar. São as perguntas para as quais às vezes temos a resposta, noutras nem por isso.

Pessoalmente, gosto das reticências. Marcam a interrupção do pensamento, da ideia, do destino para poder ou não continuar. Gosto porque abre a porta ao mistério, ao suspense. Deixa qualquer coisa no ar, deixa ao critério de quem lê e obriga a pensar. Fica qualquer coisa em aberto para que sejam os outros a completar.

A pontuação é o que ordena e dá sentido ao nosso texto. Saber utilizá-la correctamente pode ser quase um segredo bem guardado. Ou então basta seguir as regras básicas da ortografia. E pontuar quase sem emoção.

Ponto final, parágrafo.

sexta-feira, outubro 01, 2010

Hoje de manhã

No rádio...

quinta-feira, setembro 30, 2010

...

«Uma corrente quente subiu-me pelas veias e o meu lento animal reformado despertou do seu longo sono»

quarta-feira, setembro 29, 2010

Por dizer

Se há coisa que me custa é deixar coisas por dizer. Ficarem palavras por utilizar, adjectivos por aplicar e ideias por concluir. Deixar de dizer é das situações mais complicadas com que temos de lidar. Regra geral, o melhor é expressar tudo o que nos vai na alma, sob a forma de palavras. Enquanto não for possível, teremos de gerir da melhor forma o nó que nos aperta a garganta.

terça-feira, setembro 28, 2010

Livro

«No ano dos meus noventa anos quis oferecer a mim mesmo uma noite de amor louco com uma adolescente virgem. Lembrei-me de Rosa Cabarcas, a dona de uma casa clandestina que costumava avisar os seus bons clientes quando tinha uma novidade disponível. Nunca sucumbi a essa nem a nenhuma das suas muitas tentações obscenas, mas ela não acreditava na pureza dos meus princípios. A moral também é uma questão de tempo, dizia com um sorriso maligno, tu verás»

Gabriel García Márquez, Memória das Minhas Putas Tristes

domingo, setembro 26, 2010

Música

É tudo mais fácil quando as palavras são simples e bem escolhidas. Bem mais fácil quando a melodia é perfeita. Nada melhor do que uma música que contém as duas coisas. E isto é o que eu escolheria dizer agora. Esta música dá tranquilidade.

«your love is my love
my love is your love
there's no love for nobody else»

sexta-feira, setembro 24, 2010

Arrumações

Esta tarde estive a arrumar algumas das minhas coisas que foram deixadas para trás na casa dos meus pais. E não deixa de ser interessante olhar com atenção para os objectos que marcaram o nosso passado. Achei verdadeiras relíquias, entre cds, cadernos com apontamentos e textos que já nem me lembrava de ter escrito e sobretudo muitos objectos de tempos idos.

Encontrei muita música, jornais, as minhas primeiras publicações, credenciais de entradas em estádios, anotações perdidas, um gancho para prender o cabelo (isto não sei como foi lá parar), cartas, postais, fotografias, uma imensidão de recordações.

E o que aconteceu foi que voltei a guardar quase tudo, em caixotes, para colocar noutro sítio. Para daqui a mais alguns anos voltar a abrir os caixotes e sentir aquilo que sinto neste momento. Saudosismo misturado com uma boa dose de contentamento.

quinta-feira, setembro 23, 2010

Música

Great.

Num livro

«O artista é o criador de coisas belas. Revelar a arte e ocultar o artista é o objectivo da arte. O crítico é aquele que sabe traduzir de outra maneira ou com material diferente a sua impressão das coisas belas. Toda a arte é absolutamente inútil»

Oscar Wilde

terça-feira, setembro 21, 2010

Os dias...

Entro em casa com a porta a fechar-se de rompante atrás de mim. Regresso ao ponto de partida da manhã, agora carregando um espírito mais pesado e melancólico. Cansado, distante, à espera daquele abraço. Banal, igual a tantos outros, mas especial. Só teu. Ofereces-me também o beijo habitual, demorado e sentido. Esperei por esta recepção o dia inteiro. Recupero as forças, liberto o sorriso e vamos trocando palavras. Tudo passa a voar até descansares agora a tua cabeça no meu ombro. Pousas as pernas sobre as minhas, fechas os olhos e desfrutamos a tranquilidade do final de mais uma batalha. Agora fica apenas o silêncio no lento caminho até um novo nascer do sol. Amanhã é mais um dia...

segunda-feira, setembro 20, 2010

Música

Acredito que o amor não pode acabar. Pode apenas adormecer ou hibernar para depois acordar e voltar a reacender-se. Um amor pode terminar, mas outro pode começar a qualquer momento. O amor nunca poderá acabar!

1001

Este blogue atingiu no passado sábado a marca dos 1000 posts. É um número bonito que me faz pensar em muitas e muitas coisas. Se por um lado seria uma forma interessante de terminar em grande, por outro faz-me pensar que poderei tentar alcançar o dobro.

Certo é que este post é o 1001. Agora é continuar a pensar um de cada vez. Sem grandes projectos ou ambições. Se puderem, permaneçam desse lado.

sábado, setembro 18, 2010

Quote

«Travel is a means to an end. Home

I'm back...;)

segunda-feira, setembro 13, 2010

London Calling

Vou responder à chamada. ;)

domingo, setembro 12, 2010

Coisas que não correm bem

Parecem erros demasiado irreais, mas a verdade é que estas construções existem mesmo. A revista SÁBADO disponibiliza algumas imagens. Ficam aqui alguns exemplos de coisas que nitidamente não correram bem:

Privacidade parece não ser uma preocupação nesta casa de banho, já que lavatórios e sanita não têm qualquer tipo de separação.


O objectivo era aproveitar bem o espaço da casa de banho mas, neste canto, será impossível utilizar os dois urinóis ao mesmo tempo? É o chamado local aconchegadinho...

A varanda está lá mas a porta para lá chegar ficou esquecida.

sábado, setembro 11, 2010

word

commitment

sexta-feira, setembro 10, 2010

Escolhas

A maior parte das pessoas escolhe tomar decisões e debruçar-se sobre o acessório e nunca sobre o essencial. Porquê? Porque é muito mais fácil. São escolhas...

quinta-feira, setembro 09, 2010

No rádio do carro

Porque sabemos. Porque sentimos.

quarta-feira, setembro 08, 2010

Se pudesse...

Se pudesse voltar atrás, não mudava quase anda. Escolhia voltar a trilhar os mesmos caminhos. Evitava alguns erros, sem grande importância, mas de certeza que os cometeria noutras ocasiões. Queria conhecer as mesmas pessoas, partilhar as mesmas experiências e os mesmos sorrisos. Mesmo que pudesse não voltava atrás para mudar o que quer que seja. Com o conquistado se constrói o futuro. E olhar para a frente é bem melhor do que só olhar para trás. Por isso, assim seja...

Acho que vou passar a escrever aqueles pequenos pensamentos que de vez em quando intercalam músicas na RFM! ;)

terça-feira, setembro 07, 2010

Música

Uma música que me recomendaram. E que gostei...

É velhinha, segundo dizem...

sábado, setembro 04, 2010

Desafio

Fica um desafio para quem quiser agarrar. Responder a estas perguntas...

1. Com poesia ou com luxúria?

2. A sabedoria ou a aventura?

3. A novidade ou a continuidade?

4. Sussurrado, falado ou gritado?

5. Amor e admiração ou paixão e desejo?

6. À primeira vista ou depois de muito ver?

7. O olhar ou o sorriso?

8. O cheiro, o toque ou a voz?

9.Um dia de cada vez ou planos de futuro?

10. O prazer da cumplicidade ou a cumplicidade do prazer?


Em breve responderei também ao desafio...

sexta-feira, setembro 03, 2010

Rewind

Príncipes sem espadas ou cavalos
Não conquistam princesas com palácios e castelos.
Vagueiam pelas histórias de encantar,
Sem nada mais para conquistar...

Príncipes sem espadas ou cavalos
Não vivem para lá dos contos de fadas.
Povoam somente os nossos sonhos
Para conquistar as mais puras das donzelas.

Príncipes sem espadas ou cavalos
Não existem na dura realidade dos dias...

quinta-feira, setembro 02, 2010

Cuidado com o namorado!

Um grande momento de televisão. Vejam a partir dos 0:53 segundos. Muito bom!

terça-feira, agosto 31, 2010

Imagination

We never leave, but always here...

segunda-feira, agosto 30, 2010

No ouvido...

Todos a querem alcançar, mas poucos a conseguem...

sábado, agosto 28, 2010

Ilusão

Há uma forma quase grandiosa de se enfrentar tudo o que se nos depara. Sejam grandes desafios ou grandes problemas. Sonhos ou pesadelos. É com grande ilusão. Ilusão de que vamos chegar longe, ilusão de que vamos conseguir resolver as situações, ilusão de chegar e conquistar. Ter ilusão pode bem ser um inebriante ponto de partida. Principalmente quando não termina em (des)ilusão.

sexta-feira, agosto 27, 2010

...

Luta...

quarta-feira, agosto 25, 2010

No barbeiro

Temos tendência para achar que os carecas não têm nada para fazer num barbeiro. E no mesmo sentido, quando lá vão, deveriam pagar menos do que os outros. Porque pouco ou nada têm para cortar. O que acontece é que cortando muito ou pouco cabelo, todos pagam o mesmo por fazer um corte.

Por isso é que muita gente deixa crescer o cabelo até já não ver bem para a frente e quando se desloca até ao barbeiro corta o mais que puder. Para todos os efeitos, é compensatório. Admito que quando vou cortar o cabelo, gosto que as pessoas olhem e digam: "bem...cortaste o cabelo!...". E assim a ida seguinte ao barbeiro/cabeleireiro também é mais longínqua.

Mas ir tratar do cabelo é muito mais do que o simples corte. Por isso, todo este pensamento é redutor. Que o digam as mulheres...

segunda-feira, agosto 23, 2010

Whatever works

«I happen to hate New Year's celebrations. Everybody desperate to have fun. Trying to celebrate in some pathetic little way. Celebrate what? A step closer to the grave? That's why I can't say enough times, whatever love you can get and give, whatever happiness you can filch or provide, every temporary measure of grace, whatever works. And don't kid yourself. Because its by no means up to your own human ingenuity. A bigger part of your existence is luck, than you'd like to admit. Christ, you know the odds of your fathers one sperm from the billions, finding the single egg that made you. Don't think about it, you'll have a panic attack.»

O melhor país

No ranking dos melhores países do mundo, elaborado pela revista norte-americana Newsweek, a Finlândia, a Suíça e a Suécia são os três melhores países do mundo para viver, num conjunto de cem.

Portugal está no 27º lugar. Os resultados não me surpreendem minimamente e penso que Portugal não pode melhorar muito mais e subir neste ranking, conseguindo ser um país mais atractivo e com mais qualidade de vida.

Temos um país simpático, sobretudo para os estrangeiros que nos visitam e que são tratados como reis. Temos sol, praia e somos de brandos costumes. Isso agrada a quem está só de passagem. Mas de resto há muita coisa que faz falta. Sobretudo ter um Governo forte que saiba tirar e dar na mesma medida. Que esteja lá quando os contribuintes mais precisam. Um Governo presente nos bons e maus momentos e não ausente sempre que é precisa um actuação eficiente. Isto independentemente das cores porque no final de contas todos são muito idênticos.

Como se diz por aí, somos "um cantinho à beira mar plantado". E isso nunca mudará...

domingo, agosto 22, 2010

Para reflectir

«Sou um português que não quer voltar. Não quero trabalhar em nenhum clube português, não quero viver em Portugal, mas sou um português que gostaria de, com as minhas capacidades, fazer alguma coisa importante», são muitas das várias opiniões quando se refere ao país que o viu nascer e onde deu os primeiros passos rumo a uma carreira de sucesso. E de Portugal, José Mourinho afirma na entrevista não ser «um português típico porque, em geral, os portugueses sentem a falta de Portugal e eu não. Não tenho saudades, talvez porque tenho uma família espectacular ou porque estou apaixonado pelo que faço. Não tenho saudades, mas tenho muita paixão.»

José Mourinho em entrevista à revista El País Semanal

sábado, agosto 21, 2010

Not

Não sei se voltei a escrever ou se as letras estão apenas na ponta dos meus dedos...

quinta-feira, agosto 19, 2010

E se...

...Jorge Jesus tivesse cabelo à Paulo Bento?

Música

A música é sempre capaz de dar alguma tranquilidade e inspiração. A música pode estabelecer muitas pontes e encurtar demasiados caminhos.

terça-feira, agosto 17, 2010

Quadro

Olhando mais atentamente para o espaço destinado à colocação de avisos e anúncios, reparei que tem afixado, entre outras coisas, uma nota de despedida e uma referência ao tempo passado aqui na Redacção.

Soa a estranho este ritual de passagem. Essencialmente porque se trata de algo que passou e numa referência aos bons momentos de outros tempos.

Nós na Rede

Qualquer dia estão a enviar-nos também as contas de final do mês via Facebook....

Nós na Rede

segunda-feira, agosto 16, 2010

Resposta

[sobre o que é mais valioso na vida]

«Acho que é a saúde. O meu pai costumava dizer isso mas eu não ligava. A saúde é o mais importante, depois é o conhecimento, o dinheiro vem em terceiro lugar e em quarto o amor. Se temos os três primeiros acho que teremos boas possibilidades de encontrar o amor»

Woody Allen, em entrevista

sexta-feira, agosto 13, 2010

Imutável

Todos temos consciência que certas circunstâncias da vida são imutáveis.

Uma despedida é sempre dolorosa, seja quando, onde e como for. Uma batalha ganha é saborosa, não importa o tamanho que possa ter. O sabor da desilusão é invariavelmente amargo, seja provocado por uma falha nossa ou de outro qualquer. Uma palavra dita vale mais do que mil que ficam por dizer. Um pensamento positivo é meio caminho andado para sermos bem sucedidos. A vida sem uma pontinha de sorte corre irremediavelmente para o marasmo.

E a saudade é imutável?

quinta-feira, agosto 12, 2010

Para quando em Portugal?

Na terça-feira passada, o apresentador de televisão Demóstenes Nascimento, do canal de televisão TV5, do Acre, uma região brasileira, discutiu com o candidato ao Senado do partido PMDB, João Correia Lima Sobrinho.

Durante a gravação de uma entrevista, os dois envolveram-se mesmo num confronto físico. Só agora as imagens foram divulgadas e, de acordo com o repórter que assistia à gravação, Jota Guimarães, tudo terá começado sem motivo aparente.

O apresentador terá dito ao entrevistado que só lhe sobrava um minuto para responder a uma pergunta sobre o que faria para ajudar o país, caso fosse eleito. Tal reparo levou o candidato do PMDB a acusar Demóstenes Nascimento de "corrupto" e de "estar ao serviço do Estado". O resto está no vídeo.

A pergunta impõe-se: para quando uma situação destas em Portugal? Eu diria que já esteve mais longe.

quarta-feira, agosto 11, 2010

Bom e mau

Dizem que as pessoas más duram mais tempo e que a ruindade conserva. É uma vantagem. Pergunto-me se vale a pena ser boa pessoa quando a maldade tantas e tantas vezes leva a melhor. Compensa optar pelo bem em detrimento do mal e ser-se bom em vez de maldoso?

Os maus morrem sempre velinhos. Duram e duram e duram para atormentar a vida de quem os rodeia. São respeitados por toda a gente, no sentido de terem receio das reacções que possam ter, e raramente surge alguém capaz de os afrontar. A maldade tem a vantagem de deixar sempre por cima quem a pratica.

As pessoas boas são normalmente calcadas quando possível e pagam cara a factura da sua bondade. Na maior parte das vezes. Basta que lhes apanhem o jeito para que qualquer um possa tirar proveito. Já para não dizer que recaem dúvidas constantes quando alguém pratica o que está certo. Daí se calhar o provérbio de que "quando a esmola é grande, o pobre desconfia".

As duas grandes vantagens que as boas pessoas têm é que geralmente têm mais amigos e pessoas a gostar delas e dormem sempre de consciência leve e tranquila. Sera que compensa? Façam o teste!

Música

Tranquila. Para ir com calma...

terça-feira, agosto 10, 2010

Modas

Tudo nesta vida é feito de modas. Reparei agora que há uma expressão que está muito na moda nas nossas televisões:

teatro de operações

O número de vezes

Sabem quantas vezes é que nos últimos dias já desejei andar de cachecol, ao frio, nas ruas de uma qualquer cidade? Muitas mesmo...

Este calor não dá vontade de fazer o que quer que seja!

domingo, agosto 08, 2010

Démodé

«Eu comecei a namorar com a minha excelentíssima esposa em 1992, um ano após a queda da União Soviética e muito antes da Al-Qaeda ter sido inventada. A nossa relação dura, portanto, há 18 anos. Tendo em conta que eu tenho 36 anos de idade, isso significa que o meu tempo de vida em conjunto com ela já superou o meu tempo de vida sem ela. É bonito? Sim, eu acho que é bonito, mas no mundo em que vivemos é sobretudo raro. Tão raro que as minhas conversas sobre relações amorosas poderiam ser patrocinadas pela Greenpeace: eu sou uma espécie em vias de extinção. Com esta diferença: ninguém me quer preservar.

Na verdade, sendo absolutamente démodé, a minha falta de currículo em matéria feminina é olhada pelos meus interlocutores como se eu fosse um professor de Português que nunca leu Os Maias. É muito mais uma falha do que um mérito. E a coisa agrava-se pelo facto de eu próprio não ter qualquer explicação para esta longevidade sentimental, para além daquelas coisas óbvias, do tipo "bom, eu continuo a gostar dela e ela tem um grande espírito de sacrifício".

Mas há que admitir que nessas conversas sobre homens, mulheres e a volatilidade das relações (depois de ter passado há cinco anos pela fase dos casamentos dos amigos estou a iniciar-me na fase dos divórcios) costuma surgir um argumento que me encanta: o da inevitabilidade de "seguir o coração", como se fosse nosso destino incontrolável (senão mesmo obrigação moral) correr atrás de todas as paixões da alma. Ou, citando os mui pirosos Delfins, "sou como um rio/ correndo só para te ver". É como se o homem e a mulher dos dias de hoje estivessem condenados a seguir na correnteza sentimental, não tendo bracinhos nem perninhas para remar contra a maré.

Isto é uma extraordinária contradição, porque ao mesmo tempo que vivemos na era de todos os individualismos parece que não somos donos dos nossos destinos nas matérias do coração. Se alguém se enrola com a colega de trabalho, encolhem-se os ombros, porque, afinal, apenas se "seguiram os sentimentos". Esta espécie de inimputabilidade em matéria sentimental é profundamente infantil, e uma desculpa confortável para aliviar pesos de consciência – não se está a trair, mas sim a ser-se fiel a si próprio. Eu não acredito nisso. É démodé? É. Mas talvez explique boa parte dos tais 18 anos.»

João Miguel Tavares, jornalista, in Correio da Manhã

sábado, agosto 07, 2010

Daggering: uma dança perigosa

«A dança é sexual e agressiva. O aumento do número de pénis partidos, resultantes de acidentes causados por quedas ou choques violentos enquanto se dança o Daggering, fez o Governo jamaicano proibir que este estilo de música passasse nas rádios ou em programas de música televisivos. Neste momento, esta dança só é executada em festas de rua, ou em clubes nocturnos clandestinos.

Mas a moda em que esta dança se transformou leva a que muitos jovens se entreguem totalmente aos movimentos quando a dançam e tal à-vontade das mulheres perante a submissão aos homens a que a dança as obriga já fez com que muitas feministas se revoltassem e dissessem que foi dado um passo atrás na libertação e emancipação da mulher.»

In www.sabado.pt

Fica aqui um exemplo e deixo qualquer tipo de comentário à vossa consideração.

quinta-feira, agosto 05, 2010

Origem

Ontem levava alguma expectativa para ver o filme Origem (Inception), com Leonardo Di Caprio. Confesso que não sou particularmente adepto dos filmes de ficção científica, mas este Origem agradou-me bastante. Primeiro por causa do tema, o universo do sonho e da realidade, e depois pelas inúmeras cenas de acção palpitante ao estilo dos melhores thrillers.

Não vou alongar muitos os meus comentários, sobretudo a pensar nas pessoas que ainda pretendem ver o filme. Duas coisas retive, que percebem depois de ver o filme, uma é que nunca nos lembramos do início dos sonhos que temos e a outra é aquela sensação de "empurrão" quando acordamos de forma abrupta depois de um sonho.

Recomendação: vejam o filme!

quarta-feira, agosto 04, 2010

Quero ver!

Aí está um filme levezinho, ideal para esta altura do ano. A amostra parece muito agradável, só é preciso agora ir confirmar...

segunda-feira, agosto 02, 2010

Iniciativa

Desde sempre ouvi dizer que ter iniciativa é positivo. Por isso, normalmente tomo as rédeas do cavalo quando me permitem que assim seja. Mas posso confessar, quase em primeira mão, que também gosto de me deixar guiar pela pessoa certa. Gosto que tenham a iniciativa de falarem primeiro, quando se trata de iniciar uma conversa, e gosto também que abram as hostilidades no que toca a determinadas escolhas.

Ter iniciativa também pode ter as suas desvantagens. Se algo corre mal, a culpa vai estar do lado de quem decidiu partir para esta ou aquela realização. Mas de qualquer forma é preferível a viver constantemente na mediania. Por outro lado, pode também ser complicado duas pessoas que gostam de ter a iniciativa conviverem num mesmo espaço. Não podemos querer ser sempre os donos da iniciativa. Há que dar espaço às iniciativas dos outros e até encorajar os menos propensos a partir para a frente da batalha.

sábado, julho 31, 2010

Música

Para embalar este sábado:

sexta-feira, julho 30, 2010

Noutros tempos

Pensando bem na evolução dos tempos, antigamente existia um pouco mais mistério. Veja-se o exemplo dos telefones. Nunca sabiamos quem estava lá do outro lado a tentar estabelecer uma ligação connosco. Existia aquela ansiedade antes de levantarmos o auscultador e dizermos o tradicional: "estou?!". Noutros tempos, um telefonema era uma coisa importante que não acontecia com muita frequência. Deixava mais espaço ao misterioso.

Quem tinha telefone em casa era quase considerado rico. No início o telefone não estava ao alcance de qualquer um e a comunicação entre as pessoas era um bem muito precioso.

Hoje em dia tudo é diferente. Cada pessoa tem o seu telefone pessoal, vulgo telemóvel. Mais, sabemos sempre quem nos está a ligar, salvo aqueles números privados ou anónimos, e temos ainda a possibilidade de adicionar uma fotografia ao contacto e termos no visor a imagem da pessoa que nos está a ligar. E quase sempre só olhando para o telemóvel sabemos qual vai ser o assunto da conversa porque sabemos de antemão quem está do outro lado.

Noutros tempos, o gosto pelo desconhecido fazia-nos atender o telefone. Agora, a vulgarização faz-nos atender só quem nós queremos e quando queremos. A culpa é de já não existir mistério como antigamente.

quarta-feira, julho 28, 2010

Música

Apetece-me ouvir esta música hoje. Não se explica, ouve-se porque apetece. E um dos grandes segredos é ir fazendo aquilo que nos apetece, sempre que nos apetece. Sem prejudicar terceiros...óbvio...

terça-feira, julho 27, 2010

Dias

Se as segundas-feiras são complicadas, as terças também. Particularmente aqui na Redacção. E é entre a correcção de uma página e a criação de um pdf que escrevo este post. Esta noite a responsabilidade é acrescida porque o Jornal Opinião Pública terá amanhã nas bancas uma edição especial do 19º aniversário.

Esta terça-feira foi complicada (está ainda a ser), mas foi levemente atenuada por algumas situações. Por exemplo, tivemos direito a bolo, champanhe e até presentes. Tudo da responsabilidade de um presidente da Junta que cumpriu rigorosamente aquilo que foi prometendo quando desafiado por algumas pessoas aqui da Redacção.

O ambiente, esse, é o normal aqui da Redacção. Períodos de silêncio e maior concentração, alternados por autênticos delírios saudáveis, polvilhados com gargalhadas desmedidas. Tranquilo, portanto...

segunda-feira, julho 26, 2010

Telefones

Hoje passei grande parte do meu dia ao telefone. É mau, sem dúvida, mas pior do que isso é muitas pessoas não atenderem os telefones/telemóveis. Para quê existir a possibilidade de estarmos sempre contactáveis quando não queremos atender os telefonemas. Para as pessoas que raramente atendem o telefone/telemóvel, deixo aqui o meu conselho: atirem-no ao mar neste Verão!

Porquê?

Porque sim...

quinta-feira, julho 22, 2010

Recordação

Para recordar uma grande música. A palavra certa é "brutal"!

quarta-feira, julho 21, 2010

...

Há coisas que nunca mudam. Continuo sem conseguir chatear-me contigo...

terça-feira, julho 20, 2010

Artigos...

Longe vão os tempos em que a publicação de artigos escritos por mim era motivo de um brilhozinho nos olhos. Aliás, guardo religiosamente tudo o que escrevi nos primeiros passos dados nesta coisa a que chamam jornalismo. Provavelmente é aquela visão romântica de principiante em algo que desde cedo começamos a criar como sonho na nossa cabeça.

Com o passar dos anos, o sentimento de que somos especiais e de que podemos fazer algo que marque a diferença vai-se perdendo. Ter uma grande reportagem ou uma pequena nota de rodapé é quase o mesmo. Deixa-se de ligar ao espaço que nos dão. É claro que continuo a adorar escrever e qualquer peça com a minha assinatura tem a garantia de que ali está o melhor que consigo realizar.

O olhar que coloco no produto final é que já não é o mesmo. Os olhos deixaram de brilhar. Só isso. Ou, infelizmente isso. Tenho de procurar o antídoto, a poção mágica. Se ainda existir...

Herói

Muitas vezes o herói da história também precisa de ser salvo...

segunda-feira, julho 19, 2010

Segredo

Para cumprir o seu objectivo, um segredo tem de ser partilhado por pelo menos duas pessoas. Um segredo requer que essas duas pessoas guardem para si e não contem a mais ninguém. Um segredo pode perder-se na eternidade se for muito restricto. É giro guardar um segredo durante algum tempo e ir partilhando aos poucos com algumas pessoas. Para mim, um segredo só faz sentido quando deixa de ser segredo.

domingo, julho 18, 2010

Post-it

A não esquecer...

quinta-feira, julho 15, 2010

Japonês

Nestas férias fui experimentar pela primeira vez um restaurante japonês e apaixonei-me! Confesso que estava relutante, sobretudo quanto ao peixe cru, mas até esse me atraiu bastante. Basicamente gostei de tudo o que comi e estou ansioso por repetir a experiência.


Tendo em conta esta recente paixão, o meu próximo passo é aprender a comer com os pauzinhos. Já consegui, nessa minha incursão pelo restaurante japonês, mas tratavam-se de uns pauzinhos batoteiros porque tinham aqueles elásticos que facilitam muito a tarefa. E este facto serve como boa desculpa para voltar a atacar no sushi. Uma pessoa precisa de praticar para aprender...

Esta experiência serve também para provar que não devemos dizer que não gostamos ou torcer o nariz a qualquer coisa sem termos primeiro tentado. Gosto de experimentar coisas novas e diferentes. E para já tem corrido bem. Sim, porque nas férias fui também jantar a um restaurante indiano pela primeira vez. Bem, mas essa história fica para outra ocasião.

quarta-feira, julho 14, 2010

Contraluz

Quero muito ver este filme por causa deste trailer...

terça-feira, julho 13, 2010

Escolham

Entre os frios e calculistas e os sentimentalistas e calorosos. O que preferes?

A saudade

Ter saudades pode ser considerado mau. Numa perspectiva de que podemos sofrer quando sentimos saudades, não tendo presente ou perto de nós o objecto do nosso saudosismo. Geralmente a saudade está conotada com algo negativo.

Mas pensando bem, só temos saudades das coisas boas que se atravessaram na nossa vida. Saudades de pessoas, momentos, locais, fases da nossa vida, o que quer que seja. No meio disto tudo, só temos saudades se já tivermos vividos grandes momentos ou tivermos construído algo de muito forte. Por isso, antes do sentido negativista da saudade há sempre qualquer coisa de positivo associado.

Vivam cada pequeno gesto até à exaustão. E só depois sintam a saudade bater ao de leve...

domingo, julho 11, 2010

Ontem

O momento mais alto da minha noite de ontem. Eu estive lá! :)

quarta-feira, julho 07, 2010

Vitaminwater

«Ahh! O Paulo do departamento financeiro, que te espirra para cima quando o encontras no elevador! E que depois vai ter contigo vezes sem conta ao gabinete, com olhos de constipado… depois de o teres recusado 17 vezes, ele já deve ter percebido que será difícil vocês tem link no facebook!
Ainda estás hesitante entre estender-lhes um lenço para que se possa assoar, ou volta a explicar-lhe que mesmo que naufraguem numa ilha deserta, não irias querer partilhar a sua companhia!
Mas se optares por ingerir já esta bebida, vais certamente apreciá-la.
Poderá dar-te a ajuda que necessitas para te proteger dos obstáculos do dia-a-dia…ou pelo menos, da maior parte deles…»

Sabor framboesa – maçã (c + zinco)