segunda-feira, dezembro 22, 2014

L


quarta-feira, dezembro 17, 2014

...

Faz dos sonhos, realidades, das incertezas, convicções. Permite soltar um sorriso tímido, mas sentido. Da janela vejo o sol que por vezes quer espreitar. A chuva, o vento e o mau tempo servem como vendaval purificador dos dias maus. Porque depois desses dias chegam sempre dias melhores.

sexta-feira, dezembro 12, 2014

Dias sem fim


Dias sem fim


quinta-feira, novembro 13, 2014

É por isto

«Dizem que quem parte não leva nada. Mas não é verdade. A Carolina pode não ter levado esta medalha, mas levou todos os bons momentos que por aqui passou. O que é importante não está fora de nós.»

quarta-feira, novembro 12, 2014

gostar

As pessoas vão gostar de mim pelo meu empenho e dedicação. Pelo meu profissionalismo, pelo meu trabalho, pela forma como consigo completar cada objectivo. As pessoas vão gostar de mim, independentemente da forma como o meu cabelo está penteado ou despenteado, curto ou comprido, branco, preto ou castanho. As pessoas vão gostar de mim esteja eu vestido de fato e gravata, sapatilhas, calças rotas no joelho, camisa fora das calças. As pessoas vão gostar de mim sem olharem para a forma como fico sem jeito quando me elogiam ou chamam a atenção. Ou sempre que cometer um erro e me arrepender, responder de forma brusca e pedir desculpa pouco depois. Nos dias bons e nos dias maus, quando acordar mal disposto e ficar calado um tempo infinito. As pessoas vão gostar de mim sem ligarem às formas do meu corpo, às marcas tatuadas nos meus braços, aos pêlos na minha cara depois de uma semana sem desfazer a barba. As pessoas vão gostar de mim pelo tamanho do meu coração, pelos sentimentos que desperto e me despertam, por aquilo que eu sou, despidos dos trajes do preconceito e das ideias pré-concebidas. As pessoas vão gostar de mim por aquilo que serão capazes de conseguir ver para além das aparentes evidências. Independentemente de tudo. Ou então não.

sábado, novembro 08, 2014

Vazio

Todos os espaços vazios que temos são preenchidos apenas por uma forma perfeita que encaixa como mais nenhuma outra.

quinta-feira, outubro 30, 2014

Dias sem fim


terça-feira, outubro 14, 2014

quote


sexta-feira, outubro 10, 2014

...

Como se existisse um vazio. Ela chegou e ocupou o espaço.

quinta-feira, outubro 09, 2014

B

«Sou 99% anjo, mas aquele 1%...»

sexta-feira, outubro 03, 2014

Dias sem fim


terça-feira, setembro 30, 2014

isto

Entraste na casa do meu corpo,
desarrumaste as salas todas
e já não sei quem sou, onde estou.
O amor sabe. O amor é um pássaro cego
que nunca se perde no seu voo.

Casimiro de Brito

...


:o|

«E que no momento certo se reencontrem e que nada, nada seja por acaso.»


sexta-feira, setembro 26, 2014

...

«Lembrar que estarei morto em breve é a ferramenta mais importante que já encontrei para me ajudar a tomar grandes decisões. Porque quase tudo - expectativas externas, orgulho, medo de passar vergonha ou falhar - caem diante da morte, deixando apenas o que é apenas importante. Não há razão para não seguir o seu coração. Lembrar que você vai morrer é a melhor maneira que eu conheço para evitar a armadilha de pensar que você tem algo a perder. Você já está nu. Não há razão para não seguir seu coração»

Steve Jobs

quinta-feira, setembro 25, 2014

...

«Deixa-me contar-te o mundo como o vejo: um grande contínuo sem divisões nem fronteiras. O ar que respiro é o ar que tu respiras e se bato o pé no chão é no mesmo chão que pisas. Quando olhamos para o céu vemos o mesmo sol e a mesma lua e se formos à beira-mar e molharmos a mão na água, estaremos, ao mesmo tempo, a tocar na mesma coisa. Não interessa onde estás nem onde estou, estamos unidos no mesmo, em pontas contíguas de um mesmo ar e à noite dormimos na mesma cama, não importa quantos quilómetros ela tenha de largura.»

segunda-feira, setembro 22, 2014

Dias sem fim


...

«Que nunca nos deixemos ficar na segurança de não arriscar, por mais que o risco nos faça tremer... Que o medo seja sempre superado, pela certeza de querer alcançar, ou pelo menos querer tentar. Que nunca percamos um beijo, por ter medo de amar, um olhar por ter medo de gostar, um qualquer momento por ter medo de viver. Mas que nunca os tenhamos demais, por medo de estarmos sós ou por querer preencher vazios.»

 Rita Palma

...

«Gosto dos pequenos nadas que ficam entre o teu sorriso e o meu. Gosto das pequenas estórias que escrevemos com os nossos dedos, procurando a pele um do outro. Sem pressas, nem desentendimentos. Sem adereços escusados, porque a simplicidade do gostar é assim mesmo: suficiente. Gosto do horizonte que vemos daqui e da forma como a luz embate em nós. O teu rosto a sorrir-me. O meu rosto a sorrir no reflexo luminoso dos teus olhos. E há dias que parecem eternidades. E há sentimentos que queremos sentir para sempre. Gosto que fiques e gosto de te olhar, sem pressa de ir embora.»

Laura Azevedo

quinta-feira, setembro 11, 2014

...


terça-feira, setembro 09, 2014

...

J

Não me julgues pelas minhas acções.
Julga-me pelos sentimentos no meu peito.
Não me julgues pelo que às vezes pareço ser.
Julga-me pelo que está suspenso no meu sorriso.
Não me julgues por julgares que me conheces.
Não me julgues de todo.
Apenas conhecer-me de perto.
E depois, julga o que quiseres julgar.

domingo, setembro 07, 2014

Book

"Não me deixes apaixonar por ti, pediu enquanto puxava o seu corpo nu contra o de Oriol que se limitou a suspirar, assumindo a recusa do pedido.

"Meteu a mão ao bolso e atendeu sem olhar o visor. Do outro lado, uma voz rouca atirou de forma doce. El teu cor batega per mi?"

quinta-feira, setembro 04, 2014

Dias sem fim


sexta-feira, agosto 29, 2014

...


sexta-feira, agosto 22, 2014

...

Viajo quando fecho os olhos no silêncio dos pensamentos.

segunda-feira, agosto 18, 2014

Can´t you see?


domingo, agosto 17, 2014

quote II

«Lembrar-me que inevitavelmente terei que morrer é a mais importante ferramenta que eu alguma vez encontrei para me ajudar a fazer as grandes escolhas na vida. Porque praticamente tudo - todas as nossas expectativas externas, todo o nosso orgulho, todo o nosso medo do embaraço ou fracasso - todas estas coisas simplesmente caem em face da morte, deixando apenas aquilo que é realmente importante. Lembrares-te que mais cedo ou mais tarde vais morrer é a melhor forma que eu conheço de evitar a armadilha de que temos alguma coisa a perder. Nós já estamos nus. Não existe nenhuma razão para não seguirmos o nosso coração.» S.J.

quote I

«O que sou neste instante? Sou uma máquina de escrever fazendo ecoar as teclas secas na húmida e escura madrugada. Há muito já não sou gente. Quiseram que eu fosse um objeto. Sou um objeto. Objeto sujo de sangue. Sou um objeto que cria outros objetos e a máquina cria a nós todos. Ela exige. O mecanicismo exige e exige a minha vida. Mas eu não obedeço totalmente: se tenho que ser um objeto, que seja um objeto que grita. Há uma coisa dentro de mim que dói. Ah como dói e como grita pedindo socorro. Mas faltam lágrimas na máquina que sou. Sou um objeto sem destino. Sou um objeto nas mãos de quem? Tal é o meu destino humano. O que me salva é grito. Eu protesto em nome do que está dentro do objecto atrás do atrás do pensamento-sentimento. Sou um objeto urgente.»

C.L.

Y


quarta-feira, agosto 13, 2014

Ainda ontem tinha vinte anos

«Ainda ontem tinha vinte anos e era dono do tempo. A minha mãe ainda me julgava o seu menino. E eu era já um homem seguro de mim, carregado de certezas, como acontece sempre que se tem vinte anos. Naquela altura tudo era exacto, tudo podia ser medido e comparado, nada tinha força para se comparar com a sabedoria de um jovem. O menino que era eu, foi ensinado pelo tempo, esse velho alfarrabista que guarda o segredo da eterna juventude. Tudo se foi modificando, o nascimento de algumas coisas significou a morte de outras, dentro de mim e fora de mim o futuro foi-se construindo com o passado, e entre alegrias breves aninharam-se inseguranças e fundas frustrações.

Trinta anos depois restam poucas certezas, aprendi que não é o galo que canta para que nasça o dia mas é o dia que acorda o galo para que cante. Aprendi que a vida tem milhões de perguntas e que tinha de procurar nos outros respostas para mim, para achar em mim resposta para os outros. Soube dar um braço a torcer para que não houvesse força que pudesse torcer-me o outro braço. E vi que a vida tem todas as portas abertas. Fechei algumas, atravessei por outras, esperando encontrar um mundo diferente. Mas as diferenças que achei estavam em mim.

Quis alterar o mundo com um livro e escrevi-o. Depois, alterei-o de acordo com o mundo. A minha vida teve muitas vidas que procurei entrelaçar como o cesteiro faz o cesto. Aprendi que a primeira realidade sobre o que ouvi falar é que nunca soube se estava a ouvir falar da realidade. E que um momento doce de ilusão pode doer mais do que a realidade mais amarga. E agora sei que não é pior caminhar contra o vento se o vento não estiver a meu favor. E que a grande árvore da amizade não pode viver sem os seus ramos, mas para que cresça mais e dê melhores frutos é preciso ir podando alguns deles.

Hoje existem vozes diferentes na minha voz e eu utilizo-as para fortalecer as minhas opiniões sem falar nunca em nome dos outros. E não me sinto obrigado a dizer a alguém, seja o que for. Importante é sentir vontade de dizer alguma coisa a quem quer que seja. E aprendi que falar não é o contrário de estar calado, que a lâmpada não tem culpa de ter falhado a energia, e que não é preciso estar acordado vinte e quatro horas por dia para não perder nada do que me é devido. Sei agora que a sedução é um jogo para o qual todos os dias treino e que todos os dias jogo. E que por vezes a verdade é a mais verdadeira das mentiras possíveis. "Que achas de mim?" é uma pergunta que devo fazer mais vezes a mim do que aos outros. E saber quantos milhões de estrelas tem uma galáxia é menos importante que encontrar as poucas palavras para terminar uma conversa. Sei que muito do que é humano ajudou a construir o homem, e que em relação ao tempo a única vitória é também a única derrota: gastá-lo. Ah!, e sei que é bom acordar duas vezes no mesmo dia. E que a lógica das cores não é a lógica das imagens. E que nem as cores nem as imagens sabem que existe qualquer lógica.

Aprendi também que se precisar de um cretino o devo tratar por Dr. Cretino e que, quando se perde uma pessoa que se ama, custa tanto lembrá-la como esquecê-la. Sei que a justiça me dispensa a coragem, que posso tornar-me sábio pela sabedoria dos outros, mas se não possuir os meus próprios méritos de nada vale exibir os méritos do meu pai. Também sei que, com excepção dos progressistas, todos me falam de progresso e que quando o céu está nublado a primeira impressão é a de que as estrelas não existem. Aprendi que não adianta ser rápido antes do tempo nem depois da oportunidade. E que o vento que derruba as grandes árvores não consegue mais do que inclinar os pequenos arbustos.

Hoje não considero generosidade oferecer o que me pedem porque generoso é aquele que dá antes de lhe pedirem. Acredito que existe uma só sede e muitas maneiras de a extinguir e que se, por erro, cair num precipício poucas possibilidades tenho de me arrepender. Ensinou-me a vida que se me humilhar não posso esperar dos outros mais que humilhação. E que poderei retirar ouro de uma rocha mas não posso exigir que ela me dê água. Tenho percebido que o silêncio é de ouro num mercado de palavras baratas. E que os olhos ricos em lágrimas são pobres em sono. Que é mais fácil reconhecer a qualidade que defini-la, e que para ser elogiado basta que dê um pouco de mim ou até menos do que um pouco. Sei ainda que para o pássaro o céu e a árvore têm as mesmas raízes, que o tempo que amadurece os frutos amadurece também os homens e, por isso, aquilo que perdi continua a ser meu enquanto o procurar.»

in "Vou-me Embora de Mim", Joaquim Pessoa

terça-feira, agosto 12, 2014

Stars


domingo, agosto 10, 2014

Simplicidade

Gostava de perceber porque a simplicidade de nada conta. O porquê do que existe de nada servir. Todos os outros porquês. Todas as outras razões a favor. E uma só. O coração. Mas não chega.

...

«Pensava nela e abria-se-lhe um vazio no estômago. Era a única mulher que ele amara verdadeiramente na vida.»

M. V. L.

...

«tem páginas e páginas sobre ela, tudo o que há de luminoso no livro vem dela».

P. M.

quinta-feira, agosto 07, 2014

Dias sem fim


terça-feira, agosto 05, 2014

W


segunda-feira, agosto 04, 2014

...

- Não digas nada. Vais estragar tudo...

quinta-feira, julho 31, 2014

Soneto do Amor Total

Amo-te tanto, meu amor... não cante
O humano coração com mais verdade...
Amo-te como amigo e como amante
Numa sempre diversa realidade.

Amo-te afim, de um calmo amor prestante
E te amo além, presente na saudade
Amo-te, enfim, como grande liberdade
Dentro da eternidade e a cada instante.

Amo-te como um bicho, simplesmente
De um amor sem mistério e sem virtude
Com um desejo maciço e permanente

E de te amar assim, muito e amiúde
É que um dia em teu corpo, de repente
Hei-de morrer de amar mais do que pude.

Vinícius de Moraes

sexta-feira, julho 25, 2014

...

I'm a big shining star. And you? Well...you're my moon..

quinta-feira, julho 24, 2014

book

- Pensa na maior loucura que conseguires. Escreve-a na lista e vamos concretiza-la juntos.

Disse-lhe enquanto observavam o céu e as estrelas, por entre o passar das horas daquela madrugada. Talvez nem precisasse de ser uma loucura. Podia ser algo simples. Porque a loucura pressupõe algo efémero, próprio do devaneio do momento. E aquilo era bem mais do que isso. Era amor.

...

"When I walk beside her
I am the better man
When I look to leave her
I always stagger back again"

Escrito por aí

"O amor é algo extraordinário e muito raro. Ao contrário do que se pensa não é universal, não está ao alcance de todos, muito poucos o mantêm aqui. Chama-se amor a muita coisa, desde todos os seus fingimentos até ao seu contrário: o egoísmo. 

A banalidade do gosto de ti porque gostas de mim é uma aberração intelectual e um sentimento mesquinho. Negócio estranho de contabilidade organizada. Amar na verdade, amar, é algo que poucos aguentam, prefere-se mudar o conceito de amor a trocar as voltas à vida quando esta parece tão confortável. 


Amar é dar a vida a um outro. A sua. A única. Arriscar tudo. Tudo. A magnífica beleza do amor reside na total ausência de planos de contingência. Quando se ama, entrega-se a vida toda, ali, desprotegido, correndo o tremendo risco de ficar completamente só, assumindo-o com coragem e dando um passo adiante. Por isso a morte pode tão pouco diante do amor. Quase nada. Ama-se por cima da morte, porquanto o fim não é o momento em que as coisas se separam, mas o ponto em que acabam. 

Não é por respirar que estamos vivos, mas é por não amar que estamos mortos. 

De pouco vale viver uma vida inteira se não sentirmos que o mais valioso que temos, o que somos, não é para nós, serve precisamente para oferecermos. Sim, sem porquê nem para quê. Sim, de mãos abertas. Sim... porque, ainda além de tudo o que aqui existe, há um mundo onde vivem para sempre todos os que ousaram amar..."

J.L.N.

Hard sun

...


quarta-feira, julho 23, 2014

...

Chovia mesmo sendo um dia de Verão. Como se o estado do tempo percebesse o quanto choravam as almas. As duas. Sem excepção, sem a mínima diferença, tal e qual como gémeas afastadas durante um longo período de tempo. Seria o reencontro. O voltar ao lugar onde afinal a felicidade tinha ficado suspensa, à espera, da volta após aquela partida. Os seus olhos pediam um abraço, rápido, intenso, como só aqueles braços conheciam o seu corpo, estreito mas torneado de formas generosas. Aquele olhar pedia algo mais. Talvez um beijo, terno, cheio de tudo, simples, tão familiar e ao mesmo tempo pleno em desejo. Ou talvez não precisasse de nada disto. Somente o seu cheiro tão característico, a sua presença física. Contempla-lo. Seria suficiente? A saudade tem as suas razões escondidas. As vontades sonhadas mas tão reais. E neste dia, hoje, ele não voltou mais.

Pergunta-me

Pergunta-me 
se ainda és o meu fogo 
se acendes ainda 
o minuto de cinza 
se despertas 
a ave magoada 
que se queda 
na árvore do meu sangue 

Pergunta-me 
se o vento não traz nada 
se o vento tudo arrasta 
se na quietude do lago 
repousaram a fúria 
e o tropel de mil cavalos 

Pergunta-me 
se te voltei a encontrar 
de todas as vezes que me detive 
junto das pontes enevoadas 
e se eras tu 
quem eu via 
na infinita dispersão do meu ser 
se eras tu 
que reunias pedaços do meu poema 
reconstruindo 
a folha rasgada 
na minha mão descrente 

Qualquer coisa 
pergunta-me qualquer coisa 
uma tolice 
um mistério indecifrável 
simplesmente 
para que eu saiba 
que queres ainda saber 
para que mesmo sem te responder 
saibas o que te quero dizer


Mia Couto

Bucket list

E que tal o silêncio do deserto? Lá talvez o céu seja ainda mais magnífico e as estrelas as mais verdadeiras. Lá, no deserto, talvez tudo se resuma a um nada. Em que basta existir, numa existência em que estejas. E basta. Vai para a lista.

Desejos

À falta de melhor, roubei. Não que tenha deixado de existir um castigo para roubar, mas também nunca foi pretensão fazer tudo direito e somente o recomendável. O castigo acaba por fazer parte do crime. Aqui vai.


Os Meus Melhores Desejos

Que a vida te pareça suportável.
Que a culpa não afogue a esperança.
Que não te rendas nunca.
Que o caminho que sigas seja sempre escolhido
entre dois pelo menos.
Que te interesse a vida tanto como tu a ela.
Que não te apanhe o vício
de prolongar as despedidas.
E que o peso da terra seja leve
sobre os teus pobres ossos.
Que a tua recordação ponha lágrimas nos olhos
de quem nunca te disse que te amava.

Amalia Bautista

segunda-feira, julho 21, 2014

...

Não queiras o que te descontrola. Fica-te pelo que consegues controlar.

segunda-feira, julho 14, 2014

quote

«Mas eu deito-me em teu leito
Quando apenas queria dormir em ti.
E sonho-te
Quando ansiava ser um sonho teu.»

Mia Couto

sexta-feira, julho 04, 2014

Dias sem fim


terça-feira, julho 01, 2014

Acordes fúnebres

Parem os relógios, desliguem o telefone.
Não deixem o cão ladrar dando-lhe um belo osso.
Calem os pianos e com um tambor abafado
Tragam o caixão e os que estão de luto.

Deixem os aviões fazer círculos e fazer barulhos
Escrevendo no céu a mensagem: ele morreu.
Ponham lenços negros nos pescoços brancos das pombas.
Façam os polícias de trânsito usar luvas de algodão negras.

Ele era o meu Norte, o meu Sul, meu Este e Oeste,
A minha semana de trabalho e o meu descanso de domingo.
O meu meio-dia, a meia-noite, a minha fala, a minha canção,
Pensei que o amor ia durar para sempre mas enganei-me.

Agora as estrelas não são necessárias: apaguem-nas todas.
Guarde-se a lua e desmantele-se o sol.
Esvaziem-se os mares e varra-se a floresta
Porque de nada agora poderá resultar algo de bom.

W. H. Auden

segunda-feira, junho 23, 2014

Convite


sexta-feira, junho 20, 2014

Dias sem fim


domingo, junho 01, 2014

Dias sem fim


segunda-feira, maio 26, 2014

Até que a luz

Saltamos que nem loucos.
Corremos sem ver.
Viajamos no tempo.
Gritamos até à rouquidão.
Seguimos os passos na areia.
Lutamos com todas as forças.
Deixamos o nosso e o dos outros.
Tocamos no íntimo.
Soltamos gargalhadas bem alto.
Abraçamos com força.
Beijamos com convicção.
Apertamos contra o corpo.
Sonhamos de coração e cabeça.
Por último e finalmente
Até que a luz se apague.

quarta-feira, maio 21, 2014

...


terça-feira, maio 13, 2014

...

Viver está na graciosidade do momento em que encaramos as voltas da montanha russa, sem apontar o dedo, de braços bem no ar, festejando a hora e todos os segundos de felicidade. Que nos marca, que vai connosco, guardada nos recantos profundos da superfície da pele. A pele onde habitam os sentimentos mais reais. A vida que foi feita para viver a mil, não é mais do que a vontade voraz de fazer permanecer marcas tatuadas nas pessoas. Como se viver fosse deixarmo-nos ficar cá para a eternidade.

quote II

«Enquanto eu tiver perguntas e não tiver respostas, continuarei a escrever» 

Clarice Lispector

quote I

«Eu não sou como muita gente: entusiasmada até à loucura no princípio das afeições e depois, passado um mês, completamente desinteressada delas. Eu sou ao contrário: o tempo passa e a afeição vai crescendo, morrendo apenas quando a ingratidão e a maldade a fizerem morrer.»

Florbela Espanca

terça-feira, maio 06, 2014

Like

«I call it magic 
When I´m with you»


sábado, abril 26, 2014

Dias sem fim


quinta-feira, abril 24, 2014

Fácil e difícil

«Falar é completamente fácil, quando se tem palavras em mente que expressem a sua opinião. Difícil é expressar por gestos e atitudes o que realmente queremos dizer, o quanto queremos dizer, antes que a pessoa se vá.

Fácil é analisar a situação alheia e poder aconselhar sobre essa situação. Difícil é vivenciar essa situação e saber o que fazer ou ter coragem para o fazer.

Fácil é demonstrar raiva e impaciência quando algo o deixa irritado. Difícil é expressar o seu amor a alguém que realmente te conhece, te respeita e te entende. E é assim que perdemos pessoas especiais.

Fácil é mentir aos quatro ventos o que tentamos camuflar. Difícil é mentir ao nosso coração.

Fácil é dizer "olá" ou "como estás?". Difícil é dizer "adeus", principalmente quando somos culpados pela partida de alguém das nossas vidas...

Fácil é abraçar, apertar as mãos, beijar de olhos fechados. Difícil é sentir a energia que é transmitida. Aquela que toma conta do corpo como uma corrente eléctrica quando tocamos a pessoa certa.

Fácil é querer ser amado. Difícil é amar completamente só. Amar de verdade, sem ter medo de viver, sem ter medo do depois. Amar e se entregar, e aprender a dar valor somente a quem te ama.

Fácil é chorar ou sorrir quando der vontade. Difícil é sorrir com vontade de chorar ou chorar de rir, de alegria.

Fácil é dar um beijo. Difícil é entregar a alma, sinceramente, por inteiro.

Fácil é sair com várias pessoas ao longo da vida. Difícil é entender que pouquíssimas te vão aceitar como és e fazer-te feliz por inteiro.

Fácil é ocupar o lugar na lista telefónica. Difícil é ocupar o coração de alguém, saber que se é realmente amado.

Fácil é sonhar todas as noites. Difícil é lutar por um sonho. Eterno é tudo aquilo que dura uma fracção de segundo, mas com tamanha intensidade, que se petrifica, e nenhuma força jamais o resgata.»

Carlos Drummond de Andrade

quarta-feira, abril 23, 2014

quote

«Nunca me senti só. Gosto de estar comigo mesmo.»

Charles Bukowski

sábado, abril 19, 2014

:-|


segunda-feira, abril 14, 2014

...

...

Só.
Mais um pouco de mar.
Mais um pouco de céu.
Mais um pouco de azul.
Só.
E mais um pouco de ti.
Em mim.
E a saudade.

sábado, abril 12, 2014

dream

A vida é curta e os sonhos compridos.

o tempo

Às vezes tenho a sensação de que o tempo passa rápido de mais. Tenho medo de envelhecer sem cumprir alguns desejos. Ou então concluir que já não vou a tempo de os concretizar. Isso e, daqui a algum tempo, parar para pensar e morrer só das saudades de alguns dias da minha vida. Momentos lindos, segundos delirantes, horas extraordinárias, curtos olhares e sorrisos profundos. Um dia ainda morro de saudade.

sexta-feira, abril 11, 2014

book

«It's like I'm reading a book,
and it's a book I deeply love,
but I'm reading it slowly now
so the words are really far apart
and the spaces between the words are almost infinite.
I can still feel you and the words of our story,
but it's in this endless space between the words that I'm finding myself now.
It’s a place that’s not of the physical world
- it's where everything else is that I didn't even know existed.
I love you so much, but this is where I am now.
This is who I am now.
And I need you to let me go.
As much as I want to I can't live in your book anymore.»

Her

quinta-feira, abril 10, 2014

Dias sem fim


ser

Somos de quem nos quer. E mesmo que não nos queiram, somos. Porque existe o sem querer, o sem evitar, o sem controlar. E somos. Se não corpo, alma.

sexta-feira, março 28, 2014

Dias sem fim


quinta-feira, março 27, 2014

...

«Claro que gostava de ficar mais uns dias, mas a verdade é que passados esses dias eu gostaria de ficar outros mais ainda e outros»

segunda-feira, março 24, 2014

...

«Aprendi que amores eternos podem acabar numa noite.
Que grandes amigos podem tornar-se grandes inimigos.
Que o amor sozinho não tem a força que imaginei.
Que ouvir os outros é o melhor remédio e o pior veneno.
Que nunca conhecemos uma pessoa de verdade, afinal, gastamos uma vida inteira para nos conhecermos.
Que os poucos amigos que te apoiam na queda, são muito mais fortes do que os muitos que te empurram.
Que o "nunca mais" nunca se cumpre, que o "para sempre" acaba sempre.
Que minha família com suas mil diferenças, está sempre aqui quando preciso.
Que ainda não inventaram nada melhor do que colo de Mãe desde que o mundo é mundo.
Que vou sempre surpreender-me, seja com os outros ou comigo.
Que vou cair e levantar-me milhões de vezes, e ainda não vou ter aprendido tudo.
Estamos aqui de passagem.»

William Shakespeare

quarta-feira, março 19, 2014

F

"Aprendi, quando estudava Filosofia, que a felicidade é um estado passageiro, é a ausência de dor. É evidente que, se começar a pensar, vou descobrir manhãs extraordinárias, noites incríveis, dias fantásticos. Agora, tudo aquilo são momentos, e os momentos vão e vêm e depois fogem. Eu continuo a ter momentos de imensa felicidade e é com esses que eu vivo, a minha esperança é que eles durem o mais que puder ser"


MST

terça-feira, março 11, 2014

...

«A vida é tão simples que ninguém entende»

Mia Couto

segunda-feira, março 03, 2014

quote

«Sometimes I think I have felt everything I'm ever gonna feel. And from here on out, I'm not gonna feel anything new. Just lesser versions of what I've already felt.»

Her

sexta-feira, fevereiro 28, 2014

quote

«O que fica atrás de nós e o que jaz à nossa frente têm muito pouca importância, comparado com o que há dentro de nós.»

R. W. E.

quinta-feira, fevereiro 27, 2014

Dias sem fim


...

«Ninguém é mais que ninguém nas saudades. Ninguém é especial no sofrimento.»

quinta-feira, fevereiro 20, 2014

A

«O amor é uma verdade. É por isso que a ilusão é necessária. A ilusão é bonita, não faz mal. Que se invente e minta e sonhe o que quiser. O amor é uma coisa, a vida é outra. A realidade pode matar, o amor é mais bonito que a vida. A vida que se lixe. Num momento, num olhar, o coração apanha-se para sempre. Ama-se alguém. Por muito longe, por muito difícil, por muito desesperadamente. O coração guarda o que se nos escapa das mãos. E durante o dia e durante a vida, quando não esta lá quem se ama, não é ela que nos acompanha - é o nosso amor, o amor que se lhe tem. Não é para perceber. É sinal de amor puro não se perceber, amar e não se ter, querer e não guardar a esperança, doer sem ficar magoado,viver sozinho, triste, mas mais acompanhado de quem vive feliz. Não se pode ceder. Não se pode resistir.»

Miguel Esteves Cardoso

quarta-feira, fevereiro 19, 2014

...

Que o coração sinta.
Que o corpo se resigne.
Que as palavras acabem.
Que a inspiração esmoreça.
Que a luz se apague.
Que caia o pano.
Que o mundo termine.

«Que o papel fale e que a língua se cale»

quinta-feira, fevereiro 13, 2014

Dias sem fim

Na edição de hoje do Jornal Cidade Hoje.


segunda-feira, fevereiro 10, 2014

...

A sensação de o sentir na plenitude um dia vale por todos os outros perdidos à procura.

domingo, fevereiro 09, 2014

quote

"O que é a felicidade para ti, David?

A minha felicidade é estar aqui contigo agora."

Vanilla Sky

sábado, fevereiro 08, 2014

Lembrar

Lembras-te das conversas descomprometidas sentados no sofá? Sobre bola, incidências do dia-a-dia, televisão, os estudos, os objectivos e os caminhos para lá chegar. Sim, essas conversas. Tenho saudades.

Continuar

quinta-feira, janeiro 30, 2014

...

«quem é amado nunca morre»

quarta-feira, janeiro 29, 2014

...

«O pequeno lapso de tempo em que hesitares será eternidade de futuros que abandonas. No fim sobra-te a vida inteira.»

domingo, janeiro 19, 2014

felicidade

"- Vai durar? Vamos fazê-la durar, a felicidade?

- Não pode durar - disse ele, com suavidade. - Toda a felicidade é fugaz. Uma excepção, um contraste. Mas temos de reavivá-la, de tempos a tempos, não deixar que se apague. Soprando, soprando a chamazinha."

Os Cadernos de Dom Rigoberto

inho

"Um elefantezinho aproximou-se para beber água da margem de um laguinho e um crocodilozinho mordeu-o e arrancou-lhe a trombinha. Choramingando, o elefantezinho fanhosito protestava: engraçadinho de merdinha".


Os Cadernos de Dom Rigoberto

quinta-feira, janeiro 16, 2014

Ou isso

«Eu amo o mundo! Eu detesto o mundo! Eu creio em Deus! Deus é um absurdo! Eu vou matar-me! Eu quero viver! Você é louco? Não, sou poeta»

Mário Quintana

quarta-feira, janeiro 15, 2014

...

«Remember only god can judge us Forget the haters cause somebody loves you»

Interior

Às vezes seria importante existirem uns óculos especiais que fossem capazes de ver o interior das pessoas. Porque o exterior parece perfeito, animado, feliz, mas já alguém disse um dia que "quem vê montras não vê armazéns". O exterior pode ser retocado, aparentar um ar sorridente, mesmo que o interior esteja destroçado. 

O perigo e a injustiça é construirmos ideias erradas das pessoas. Com base no que diz o exterior. Não percebendo algumas reacções, censurando, voltando as costas sem querer entender realmente os porquês.

segunda-feira, janeiro 13, 2014

Isso

«Na vida de hoje, o mundo pertence aos estúpidos, aos insensíveis e aos agitados. O direito a viver e a triunfar conquista-se hoje quase pelos mesmos processos por que se conquista o internamento num manicómio: a incapacidade de pensar, a amoralidade e a hiperexcitação»

Bernardo Soares, in Livro do Desassossego

sexta-feira, janeiro 10, 2014

Estes dois dias

É um lugar comum ouvir-se ou ler-se que a vida são dois dias. Por passar rápido, ser um conjunto de experiências em doses descontroladas, traduzidas em ensinamentos que fazem avançar. Nasce-se sem a consciência daquilo ao que se vem e onde tudo termina. Sem se escolher cá chegar e partir sem pedir permissão. Depois de lançados os dados, cumpridas as primeiras casas do tabuleiro, todos escolheriam ficar por cá a jogar sem tempo definido.
Agarrados às ambições, aos projectos de vida, seguem-se as estradas. A realização pessoal, a profissional, a independência financeira e os objectivos materiais. Conhecer o mundo e as pessoas que entram e saem consoante as fases da vida. Num "adeus" e "até já" repetitivo. Até que um azar se cruza, uma doença se mostra, uma falha se apresenta derradeira. E todo o mundo, aquele nosso mundo, se desmorona. Aí reside a noção de fim. De que afinal o tempo é curto, feito de dias contados. Uma tremenda contagem decrescente, sem parar, sem tréguas, rígida. Há sempre uma infinidade de coisas por fazer. De conversas que faltaram iniciar, de discussões parvas a evitar, de problemas que nunca chegaram a ser verdadeiras dores de cabeça. Só por birra e orgulho excessivo existiram. E para quê? Quando tudo se esfuma num estalar de dedos.
Um dia a vida, tal e qual a conhecemos, chega ao fim. De forma abrupta, talvez demasiado cedo na maior parte dos casos. Longe dos tempos em que o fim se conhecia em casa, no próprio leito, acompanhado dos familiares mais próximos. Uma longínqua visão romântica não compadecia com a insensibilidade dos tempos modernos. O destino prega partidas mesmo quando existem planos de felicidade a longo prazo. E os dias ficam ainda mais curtos. Por isso, estes dois dias são para não nos levarmos demasiado a sério.
Estes dois dias são para descobrirmos as pessoas que nos fazem falta e nos partilharmos com elas. Estes dois dias são para nos apaixonarmos pelos momentos, pelas paisagens, pelas pequenas conquistas. Estes dois dias são para garantirmos a nossa tranquilidade interior e deixar uma marca, por pequena que seja, representativa da forma única como os vivemos. Em algo que cá fique para além da nossa própria existência.