domingo, dezembro 31, 2006

Bom ano de 2007!

Ok Go

Espero que o ano de 2007 seja repleto de sucessos pessoais e profissionais. Se o novo ano não puder ser melhor que o de 2006 pelo menos que seja igual ao que agora vai terminar. Para que entrem em 2007 bem animados, deixo aqui este vídeo dos Ok Go. Espero que gostem. Bom 2007!

sábado, dezembro 30, 2006

Gatos...

Quem nunca fez aquele jogo do "se eu fosse um animal, qual seria?". Quase toda a gente já jogou esse jogo. Eu se fosse um animal acho que escolheria ser um gato. Mas não um gato qualquer. Queria ser gato persa. Daqueles que passam o dia sem fazer nada, que gostam muito de miminhos e só comem e dormem. Era uma vida dessas que eu precisava...

A propósito de gatos, gosto também de os ouvir a ronronar. Aquele ruído de satisfação que é também um misto de charme e preguiça. Ultimamente tenho tido a sorte de ouvir muitas vezes ronronar, curiosamente sem ter gatos ou gatas por perto.

Só para fechar por hoje e ir dormir, esta história dos gatos fez-me recordar um diálogo do filme "Vanilla Sky" que gostei particularmente. É um dos últimos diálogos, protagonizado pelo Tom Cruise e pela Penélope Cruz. É assim:

"David: Lembras-te do que me disseste uma vez? Cada minuto que passa é uma hipótese perdida de voltar tudo ao princípio.
Sofia: Eu encontro-te outra vez.
David: Vejo-te numa outra vida... quando ambos formos gatos".

Deixar de fumar

Uma das coisas que gostava de pedir para o ano de 2007 era que todos os fumadores deixassem de o ser. Para o bem da sua própria saúde e também daqueles que de perto lidam com eles. Imagino que não seja fácil, mas façam um esforço.

É curioso porque o problema do tabaco colocou-se há pouco tempo no meu local de trabalho. O tempo está frio, fecham-se as portas, liga-se o ar condicionado e o fumo anda no ar. Consequência: duas ou três baixas por narizes entupidos ou alergias latentes.

Como é óbvio há que respeitar as opções das pessoas. Quem quer fumar deve fazê-lo, mas tendo em consideração que no mesmo espaço há outras pessoas que também fizeram uma opção. A contrária, ou seja, a de não fumar. Logo têm de existir locais próprios para receberem fumo e os fumadores.

sábado, dezembro 23, 2006

FELIZ NATAL!

Jingle Bell Rock

Distribuam sorrisos nesta quadra natalícia. Estejam perto daqueles que realmente contam e aproveitem o Natal ao máximo. Feliz Natal e um FANTÁSTICO 2007!

Finais felizes

Esta semana tive oportunidade de ver dois filmes com temas diferentes e consequentemente com finais distintos. O primeiro que vi foi "O Amor Não Tira Férias" que trata como não podia deixar de ser a temática do amor numa época muito especial: o Natal. É um filme que não traz nada de novo mas que nos deixa ficar bem com o mundo. Já para não falar no prazer de ver a interessante Cameron Diaz.

Quanto ao segundo filme desta semana, "O Tempo Que Resta" que vi na Casa das Artes em Famalicão, é bastante mais dramático já que trata a história de um fotógrafo que descobre que tem um cancro e que lhe restam apenas três meses de vida. Também gostei deste filme, embora não recomende a ninguém algumas partes, mas é um filme triste. Abandonamos a sala deprimidos porque temos sempre a tendência de nos colocarmos na posição do actor/actriz principal. E acreditem que não queria nada estar nessa posição. Se virem este filme vão perceber ainda melhor o porquê...

Comparando estes dois filmes, chego facilmente à conclusão que prefiro os filmes com finais felizes. Isto porque para coisas tristes e que correm mal já chega o nosso dia-a-dia. E se algum dia escrever livros ou sei lá, argumentos para filmes (és crente!), só escreverei enredos com finais felizes. Dá uma motivação maior e pelo menos podemos viver na ilusão da felicidade durante o tempo que perdemos a ler um livro ou a assistir a um filme.

quinta-feira, dezembro 14, 2006

Dias agitados

Há dias que são agitados por natureza. Já sabemos o que esperar deles. Há outros que nos apanham desprevenidos quando pensamos que temos tudo controladinho. Desenganem-se porque há sempre algo que foge ao nosso controlo.

Esta semana está a ser a semana de todos os casos. Novidades atrás de novidades e trabalho para ser feito. A redacção agita-se, como em todos os inícios de semana, e só se começa a ter tempo para respirar a partir de quinta-feira. Mas respira-se, com maior ou menor dificuldade, e trocam-se sorrisos nos entretantos. Sempre sorrisos porque é assim que se toca a vida para a frente.

E quando em casa, na cama e perto de fechar os olhos, recordo todas as asneiras que disse, todas as gargalhadas que soltei e o quão hilariantes foram alguns momentos do meu dia. Mas também se trabalha. E muito. Mas a sorrir torna-se tudo muito mais fácil...

Sigo logo atrás de ti...

Segue o teu caminho...e eu sigo o teu caminho também...

sábado, dezembro 09, 2006

Quem pára a ASAE?

Os últimos tempos têm sido de intenso trabalho para a ASAE. Não há feira, restaurante, bar ou estabelecimento que escape às inspecções deste organismo. As notícias sobre as intervenções da ASAE têm sido uma constante, num trabalho que é sempre de grande aparato e que pelos vistos tem dado resultados.

Para quem não sabe, ASAE quer dizer Autoridade de Segurança Alimentar e Económica e é uma autoridade administrativa nacional especializada no âmbito da segurança alimentar e da fiscalização económica. Ou seja, «é responsável pela avaliação e comunicação dos riscos na cadeia alimentar, bem como pela disciplina do exercício das actividade económicas nos sectores alimentar e não alimentar, mediante a fiscalização e prevenção do cumprimento da legislação reguladora das mesmas».

Não consigo é perceber o porquê destas inspecções momentaneamente tão regulares e impossíves de passar despercebidas. Embora me pareçam muito úteis.

sexta-feira, dezembro 08, 2006

O Amor e a Loucura

Diz-me onde vais ó Loucura
Quando o Amor já ficou para trás.
Diz-me o que persegues
E eu acompanho-te...
Vê o que fizeste!
Parei para pensar e tudo o que tinha acabou
Onde estavas enquanto caía num poço sem fundo?
Viajavas de mão dada com a Perdição
E eu fui contigo...
O Amor partiu rumo a outras paragens
E a Loucura, essa, ficou ao meu lado!

Sempre que quiseres

«Deixa-me tecer a malha do meu encanto,
respirar paixão até à embriaguez,
sugar as nódoas tatuadas no percurso,
expulsar medos e perder-me na efémera felicidade...»

sábado, dezembro 02, 2006

A Partilha

Tive a oportunidade de assistir na Casa das Artes à peça de teatro "A Partilha". Achei muito interessante e tem momentos verdadeiramente hilariantes. De todas as actuações gostei particularmente da Rita Salema que encaixa muito bem no tipo de personagem que encarna.

O título é curioso porque para além da partilha da herança da mãe das quatro personagens, há também a partilha de sentimentos e experiências de vida das quatro irmãs a quem a mãe morreu. Um momento trágico serve para unir as quatro irmãs que apesar de serem todas muito diferentes encontram nesse momento uma forma de se aproximarem.

Esta peça prova que é nos momentos mais complicados que os seres humanos sentem maior necessidade de unirem forças, e até de abrirem o coração, e dizerem aquilo que realmente pensam sobre determinadas questões. Valeu muito a pena pela actualidade dos temas abordados e pelas interpretações de Teresa Guilherme, Rita Salema, Patrícia Tavares e Cristina Cavalinhos.

quarta-feira, novembro 29, 2006

Pensamentos soltos

Sinto-me mal por não conseguir actualizar este blogue tão frequentemente como pretendo. Por isso deixo aqui algumas notas soltas acerca das minhas experiências quotidianas. E acreditem que têm sido muito ricas.

1- Sobre a questão da Metro do Porto e dos cartões de crédito aos administradores, só há uma coisa a dizer. É por situações como esta que o país não anda para a frente e nunca irá andar. Pior do que isso foi a lata com que Valentim Loureiro enfrentou as câmaras e disse barbaridades sem qualquer espécie de pudor. Muito mau.

2- Parece que vem aí nosso referendo sobre o aborto. Sim ou não é a resposta marcada para o dia 11 de Fevereiro e mais uma vez me parece que ninguém lá aparece para votar. O que quer isto dizer? Talvez falta de interesse dos portugueses. Ou descrença em algumas estruturas. Mas isto sou eu que penso.

3- Hoje fica ainda o registo da minha experiência no programa do Jorge Humberto. Abrir o jornal O Jogo na penúltima página com o microfone aberto. Um sonoro "muito bom" ao "material" apresentado no dito diário desportivo. Que mais podia dizer? Este Humberto é uma caixinha de surpresas e só faço uma recomendação a quem está perto dele: cuidado! Ele é perigoso! Que o diga a Magda...

A terminar fica apenas outra nota muito interessante. Já diz o velho ditado que "há mais marés que marinheiros". Acrescento outra frase: nem sempre que fala mais alto tem a razão do seu lado. O melhor mesmo é saltitar de sorriso em sorriso e curtir a vida...

domingo, novembro 26, 2006

Uma frase

Só para terminar por hoje e ir dormir, fica aqui uma frase interessante de Miguel Esteves Cardoso sobre os homens e as mulheres.

«Não é que sejam vaidosos [os homens] - mas gostam de passar por vaidosos. A culpa talvez seja das mulheres. Quando dizem que um homem é "muito convencido", subentende-se que é bastante giro»

Miguel Esteves Cardoso, no livro A Vida Inteira

Do Baú das Recordações

«Quanto à tua pessoa, tenho a dizer que és um diabinho com asas brancas. Por um lado está essa tua aparente independência do resto dos humanos, classificando-te como indiferente às pessoas, e por outro acho-te o mais apetecível dos humanos, pois és LINDO! Apesar da banalidade da expressão, espero conseguir transmitir-te aquilo que pretendo»

quinta-feira, novembro 23, 2006

Boatos

Os boatos são coisas muito chatas. Principalmente para as pessoas que são visadas pelos mesmos. Um dos mais recentes tem a ver com um escritor que admiro. Miguel Sousa Tavares e o seu Equador foram as vítimas mais recentes de um boato precisamente lançado num blogue. Por isso, tenham todos muito cuidado porque eu tenho um blogue e posso tornar-me boateiro.

Mas falando um pouco mais a sério, os boatos têm a capacidade de deixar sempre sob suspeita a pessoa atingida pelos mesmos. Fica sempre aquela dúvida a pairar no ar por muito que sejam negados. Já para não falar nas piadas fáceis e na má língua da opinião pública.

Puxando pela memória, lembro-me de dois boatos famosos que juntam pessoas da música e do futebol. Um deles é o da cantora das Doce e do futebolista Reinaldo e ainda o do futebolista Calado e do cantor Melão. E admitindo que são ambos mentira, estes dois episódios serão sempre relembrados com um largo sorriso à mistura. E obviamente surgirão as piadas...

Como dizia um dos meus professores, o melhor mesmo é ter a fama e o proveito!

segunda-feira, novembro 20, 2006

Novo blogue

Abriu hoje um novo tasco na net. Chama-se Bolas na Trave e tem a ver com a nova rubrica que estou a levar a cabo na Digital FM. Visitem porque vale a pena!

Basta clicar em Bolas na Trave

domingo, novembro 19, 2006

James

Ainda me lembro quando ouvimos James na primeira vez que nos vimos. Foi sem dúvida um grande começo para uma história que todos os dias cresce mais um pouco. E recordo os primeiros sorrisos, os encontros e desencontros, as músicas que foram passando nas horas daquela tarde. É fascinante viajar nesses momentos principalmente quando olhamos para trás e vemos prédios de sonhos construídos.
Hoje em dia deixo-me embalar nos ritmos coloridos desta banda com o pensamento preso nesses dias. E curioso é que uma das músicas se chama Destiny Calling…mas a que eu gosto mais é a She´s a Star
E só espero que estas músicas continuem a tocar nas nossas vidas porque estar contigo é viver junto ao mar e ver o pôr do sol todos os dias!

sábado, novembro 18, 2006

Não percebo

Há coisas que nunca hei-de perceber. Por muito que me esforce. E ainda consigo ficar surpreendido com as atitudes das pessoas quando pensava que já conhecia tudo. Talvez seja uma questão de imagem. Pelo meio ouço uma explicação sobre verticalidade e ainda me dizem que não sou coerente nas minhas atitudes. Tudo bem. Não percebo.

segunda-feira, novembro 13, 2006

Bola na trave

Iniciei hoje uma nova rubrica na rádio onde trabalho. Chama-se “Bola na trave” e é em directo todas as segundas-feiras a partir das 9h30. É uma espécie de visão descomprometida e diferente acerca do futebol. O outro lado do espectáculo sempre com um sorriso nos lábios. Estamos atentos às histórias engraçadas do futebol. Se quiserem colaborar podem enviar anedotas, textos, histórias nunca contadas, experiências ligadas ao desporto rei, entre muitas outras coisas. O e-mail é o bolasnatrave@gmail.com. Em breve pensamos criar um blogue. Se puderem ouçam…

domingo, novembro 12, 2006

Trabalho versus vida pessoal

Fui ao cinema ver um filme sobre uma revista de moda. Um dos temas tratados é o trabalho e a forma como condiciona a nossa vida pessoal. Fica uma ideia: para se ser muito bem sucedido numa das partes é preciso descurar a outra. Isto é, ou temos sucesso na vida profissional ou na vida pessoal. Esta é uma das mensagens do filme.
Para além disso, aborda a falta de privacidade e de certa forma os perigos da fama. A sensação que tenho é que todas as pessoas famosas são infelizes. E porquê? Porque não têm a possibilidade de fazer coisas banais, como por exemplo passear descontraidamente pelas ruas de uma cidade.
Bem, mas voltando ao trabalho e à vida pessoal, penso que o segredo estará sempre no meio termo. Cada coisa tem a sua hora e o seu espaço. Mas por vezes é difícil conciliar as duas. E depois é tudo uma questão de tomar opções. Há os que optam pelo trabalho e não têm vida pessoal. E há os que optam pela vida pessoal e não são tão bem sucedidos na carreira profissional.
O filme chama-se “O Diabo Veste Prada” e à primeira vista parece igual a tantos outros, mas não é.

domingo, novembro 05, 2006

Faltou a luz!

Sábado à noite. Falta a luz no exacto momento em que preparava o jantar. Na escuridão troco por breves instantes um olhar com a minha companheira de mesa. Uma ideia comum: encomendar comida! Até porque a vontade de jantar fora era nula.
De lanterna em punho procuro o número na lista telefónica e marco-o no telefone. «Boa noite, queria encomendar duas francesinhas.» Resposta do outro lado: «não quer nada porque não há luz!», num tom extremamente agradável (ao contrário). Despeço-me com delicadeza, só para ser superior a tamanha baixeza, e desligo. Depois perco-me de riso perante tal situação desconcertante.
Moral da história: sempre que faltar a luz vão jantar fora.

quarta-feira, novembro 01, 2006

sUBMARINe na Tertúlia

Grande concerto num local que tem qualquer coisa de especial. Confirmei a sensação de que ao vivo os sUBMARINe ganham uma outra dimensão e as músicas soam ainda melhor. Se tiverem a possibilidade de ouvirem esta banda ao vivo não a desperdicem porque vale muito a pena.

quinta-feira, outubro 26, 2006

Haverá o amor da nossa vida?

“Fellini disse um dia que em qualquer parte do mundo há sempre uma metade de uma laranja que se encaixa de forma simétrica com outra metade. Há pessoas que ficam uma vida inteira à procura desse amor, dessa metade de uma laranja, e outras há, que o encontram logo nos primeiros anos.Será que tem mesmo que haver o amor da nossa vida? Aquela pessoa da qual não existem quaisquer dúvidas, que é a tal, a que procurávamos e que sabemos ser aquela, o amor da nossa vida”.

Normalmente quando regresso a casa do trabalho ouço a Prova Oral na Antena 3. Numa destas semanas que passou um dos temas abordados foi precisamente este: “Haverá o amor da nossa vida?”. É uma boa pergunta que pode ter algumas respostas distintas. Eu quero acreditar que essa outra metade, o tal amor das nossas vidas, existe. E cabe ao destino cruzar os caminhos para que se encontrem. E as pessoas que não o encontram? Simplesmente não o procuraram…ou se fecharam ao amor…

segunda-feira, outubro 23, 2006

Velhos Tempos

Sabem como são aqueles momentos que nos apetece repetir vezes sem conta? Foi tal e qual. Muito bom mesmo. Valeu pela comida do "Velhos Tempos", pela companhia, pelos temas de conversa, pela boa disposição, por tudo e aparentemente por nada.
Pelas misturas na hora de comer, pelos barulhos que se ouviam na casa de banho, pela cobiça da salada dos outros, pela actriz que não é lá grande coisa, pelo gelado que não comemos, pela comida que ficou nos pratos, pela indecisão na hora de escolher restaurante, pelos cortes na casaca, pelas gargalhadas, pelo sono que chegou e não se foi embora. Por tudo isto e mais qualquer coisita insignificante. Foi agradável.
Assim se passa uma noite de sábado, numa cidade marcante, numa noite de chuva e num restaurante que promete "comida rural p'ra gente urbana". Não posso esquecer quem esteve comigo. Vocês, sim, VOCÊS, estão cá dentro! Cada um à sua maneira, claro... ;)

quinta-feira, outubro 19, 2006

Ponto de vista

Acho que nenhum jornalista tem a real noção da abrangência daquilo que escreve ou diz. Eu pelo menos acho sempre que ninguém lê ou ouve aquilo que faço. Essa noção só ganha forma quando cometemos algum lapso e temos as pessoas a ligarem para a redacção, questionando isto ou aquilo. Raramente nos dão as palmadinhas nas costas, caso o trabalho seja bem feito, e talvez também por isso seja difícil saber o número de leitores ou ouvintes que temos.
Da minha parte gostaria que o feedback fosse maior, para o bem ou para o mal. Até porque o que o fazemos é sempre direccionado para alguém. Caso contrário o trabalho de um jornalista não faz grande sentido (pelo menos para mim).
É por estas e por outras que depois fico surpreso quando me questionam: "Não é você que tem um blogue?".

sábado, outubro 14, 2006

Vale!


Uma fotografia cheia de nada. Um momento fugaz. O mar e o céu. Por isto, vale a pena? Vale!

sexta-feira, outubro 06, 2006

Vale a pena?

«Penso na vida. Nada parece ser mais importante para mim que chegar ao miradouro antes do nascer do Sol. Por quanto tempo continuarei a viver assim, em função destes momentos tão fugazes e tão inconsequentes como uma madrugada sobre os Andes? Vale a pena viver por isto?»

- excerto do livro "A Lua pode esperar" do jornalista Gonçalo Cadilhe.


A questão que se coloca é se vale a pena viver por momentos tão fugazes e inconsequentes. Ou seja, se esses momentos dão algum sentido à vida. Eu tenho uma resposta. E no livro o jornalista também tem uma resposta para esta questão. E vocês?

quinta-feira, outubro 05, 2006

Tempo que acabou

Lá fora chove...
Choro o tempo que acabou!
Solta-se um mar revolto que afoga o meu peito.
Acabou, ficou tudo lá no passado,
Recordações de dias de chuva,
Tempos em que o sol brilhava...
Agora vivo agarrado a tudo o que acabou!
Parou, terminou a beleza dos dias,
E agora, quieto no meu canto,
Viajo nas memórias do tempo que acabou...

terça-feira, outubro 03, 2006

A minha namorada diz

Este deve ser o meu primeiro post sobre a minha namorada. O facto de ser sobre ela até pode ser muito natural, mas escrever aqui no blogue coisas que ela diz pode revelar-se um terreno perigoso. Bastante mesmo.
Mas vou continuar porque pode ser que ela não leia isto. Bem, ela costuma dizer qualquer coisa como: “o que eu não suporto mesmo é incompetência!”. Isto com aquele ar de enfado enquanto olha de lado para o empregado que está a atender à mesa. Principalmente quando a fome já aperta.
Para além destas situações, esta bela expressão aplica-se em muitas outras ocasiões. E começo cada vez mais a concordar com ela. Faz-me pele de galinha ver pessoas muito pouco talhadas para a função que estão a desempenhar. Essa lacuna de motivação, ou talento mesmo, leva a que o produto final não seja o esperado. Causa descontentamento e funciona como uma bola de neve que arrasta tudo à sua frente.
Podíamos ficar agora aqui a noite toda a falar de outras expressões que a minha namorada utiliza. Mas é melhor não esticar muito mais a corda, embora ela diga coisas com muito sentido. Pelo menos para mim. Mas eu sou suspeito.

sábado, setembro 30, 2006

Atitude

Se há coisa que as pessoas deviam ter era atitude. Melhor ainda, uma postura digna, exemplar, recta. Acredito que há muita gente com atitude, mas também sei que por algumas bandas prima a mesquinhez.
A dita atitude pequena e que não leva a lado algum. Mas pronto, já dizia o outro: as atitudes ficam com quem as tomam. E há naturalmente pessoas, clubes, instituições, países que vão continuar a ser muito pequenos. Porque falta uma atitude à medida certa.

sexta-feira, setembro 29, 2006

O que é mais importante?

Os critérios das notícias serão sempre discutíveis. E cada um pode dar maior ou menor destaque a uma mesma notícia. E como sabemos também existem critérios comercias que infelizmente hoje em dia querem dizer muito mais dos que os critérios jornalísticos.
E só dessa forma compreendo a capa de hoje do diário desportivo A Bola. O que é mais importante a passagem do Sporting de Braga à fase de grupos da Taça UEFA, sendo inclusive a única equipa portuguesa a consegui-lo, ou o facto de Rui Costa estar quase recuperado? A minha opinião é que é mais importante o Sporting de Braga. Mas gostava também de ouvir outras opiniões...

quinta-feira, setembro 28, 2006

Casamentos

Quem me conhece minimamente sabe que não gosto de casamentos. Não gosto de cerimónias nem de vestir roupas pouco confortáveis e sapatos apertados. Com isto não quero dizer que esse dia deixe de ser memorável para todos os presentes, principalmente para os noivos. Na brincadeira costumo dizer que o ideal seria só ter de ir ao meu casamento. E mesmo assim…
O único aspecto positivo é mesmo poder conviver com pessoas que às vezes não vemos todos os dias, ou mesmo só raramente, para pôr a conversa em dia. Foi mais ou menos isso que aconteceu no meu último casamento (como convidado). Tudo porque casou uma amiga da universidade e como tal voltamos a reunir o grupo chegado da UM. Muito bom mesmo.
Entre gargalhadas, histórias, cenas tristes, o que fica são os regressos a um passado recente. Do mesmo modo que nos sentimos ultrapassados por parecer que já passou uma eternidade desde a última vez juntos e desde esses bons velhos tempos da universidade.
A propósito, a Joana e o Miguel ainda devem estar em lua-de-mel. Felicidades!

domingo, setembro 24, 2006

Uma boa fotografia

Vi esta fotografia num blogue e não resisti em publicá-la no meu. O fotógrafo fez um excelente trabalho e tirou esta espantosa fotografia. Quanto à história sei apenas que foi tirada na Nazaré. Reparem bem no cão...

segunda-feira, setembro 18, 2006

Dentro das quatro linhas

"O futebol é jogado nas quatro linhas. O erro do árbitro é igual ao erro do avançado que não consegue concretizar em cima do risco do golo, é igual àquele que sem querer mete a bola na sua própria baliza" - Fernando Sequeira, presidente do P. Ferreira.

Nada mais verdadeiro. A diferença é que não se faz nada para reduzir ao máximo os erros dos árbitros. Enquanto os jogadores são profissionais e treinam todos os dias para chegarem ao fim-de-semana na melhor condição, os árbitros não. Por isso defendo a profissionalização dos árbitros.

Circo

Hoje estou com vontade de esganar alguém por uma série de circunstâncias que não importa mencionar.

Qualquer coisa como se o dono do circo achasse que nós somos o único palhaço da companhia.

sábado, setembro 16, 2006

O Sol quando nasce não é para todos



Hoje aconteceu uma autêntica corrida às bancas em busca do novo semanário Sol. Eu próprio percorri alguns quiosques, porque tinha curiosidade em conhecer esta nova publicação, mas não consegui comprá-lo por estar esgotado. Todo o protagonismo dado a este novo jornal acabou por resultar. Quem quiser consultar o site basta clicar no SOL.

quarta-feira, setembro 06, 2006

Ouvi dizer

Num destes dias ouvi dizer que a minha escrita é bastante objectiva. Um elogio para quem como eu aspira a ser um bom jornalista. Mas isso não quer dizer que não seja capaz de escrever outro género de textos. Já não me aventuro na poesia há algum tempo, mas tenho algumas coisas escritas. Fica uma amostra e se gostarem talvez coloque mais.

SER

Ser como um beijo,
Nascer no meu desejo,
Morrer nos teus lábios…
Ser como um sentimento
Que se sente cá dentro
E não mais volta a sair…
Ser como a vida,
Um grito rebelde,
O princípio do fim…

23/03/2001

Um tributo

Não sei muito bem porquê mas lembrei-me de um amigo especial. Já não o vejo há algum tempo sem que na minha memória faltem os tempos passados juntos. Jamais serão esquecidos. Essa pessoa tem o dom da escrita e nada melhor do que apresentar no meu blogue algo escrito por ele. Cá vai…

“Olhar para o que é perdido,
Reviver o que passou…
Chorar sangue derramado,
Chorar tempo que acabou!
E não muda, não faz nada,
Olhar para o tempo assim.
Primavera foram rosas,
O Inverno jaz em mim!
Não há medo que não tema
Esquecido ser futuro;
Não há medo que não queira
Saltar para lá do muro!
Não há nada que não seja
Devir, fim, transformação;
Não há nada que não mate
O apogeu do coração!”

Um amigo

terça-feira, setembro 05, 2006

Não se assustem!

quarta-feira, agosto 30, 2006

Voas sobre o mar

“Esta vida são dois dias”, diz o Pedro Abrunhosa numa das suas músicas. E acho que o difícil mesmo é descobrir todas as nossas paixões em tempo útil. Felizmente vou descobrindo algumas das minhas paixões. Uma das últimas é em forma de cidade.

Tem nome de Vila e junta-lhe um título nobre. Fica perto do mar (inevitável) e tem riqueza histórica. E o pôr-do-sol, junto ao mar onde desagua um rio, ganha toda uma outra dimensão. Uma banal palavra apenas assume todo o significado: LINDO!

E é como se voasse com as asas que tu me dás…

quinta-feira, agosto 24, 2006

Sobe e desce

Quero só deixar uma pequena nota sobre o «caso Mateus». Ao que parece este caso do futebol tem finalmente uma solução. O Gil Vicente vai jogar na Liga de Honra enquanto o Belenenses fica na Primeira Liga. Nada mais injusto.

Primeiro porque desportivamente, ou seja, dentro do campo o Gil Vicente conquistou o direito de jogar a principal divisão do futebol nacional. Inclusive com uma vitória sobre o Belenenses na última jornada do campeonato.

Segundo porque a punição com a descida de divisão se deve à inscrição incorrecta de um jogador e posterior recurso a tribunais civis para decidir um caso do futebol. Ora, não foi por causa da utilização de um único jogador que o Gil Vicente conseguiu a manutenção. O futebol é um jogo colectivo.

Terceiro, não faz sentido aplicar uma pena tão grave por causa de uma questão deste género. Por exemplo, fazia mais sentido aplicarem uma multa, penalizarem o Gil Vicente com pontos negativos, impedir inscrição de jogadores, etc. O castigo aplicado é profundamente desajustado. Por muito que o justifiquem com as leis desportivas.

Como é óbvio, o Belenenses aproveitou a fraqueza do clube de Barcelos para encontrar na secretaria um argumento que faltou no campo desportivo. O Belenenses fez um mau campeonato, ficou abaixo da linha de água e só tinha de descer. A equipa que deveria ocupar o lugar do Gil Vicente seria o terceiro classificado da Liga de Honra em 2005/2006: o Leixões. Por uma questão de mérito e verdade desportiva.

quarta-feira, agosto 23, 2006

Pessoas

Sabem o que acontece quando se juntam pessoas bem dispostas e animadas? Obtém-se uma amostra do que acontece na Redacção onde estou! Ainda está para nascer o dia (certamente que quem lê pensará que esse dia vai mesmo chegar) em que não me divirto no local de trabalho. Há sempre uma piada fácil, uma conversa interessante, um palpite engraçado, uma feliz coincidência. Tudo serve para soltar aquela sonora gargalhada.

Curioso é que por onde tenho passado consigo sempre encontrar pessoas interessantes e com particularidades fantásticas. Todas diferentes, mas seres humanos capazes de surpreender a cada pequeno gesto. Das duas uma. Ou sou um sortudo por poder conhecer pessoas tão ricas (não em dinheiro, entenda-se) ou sou pouco exigente neste particular.

Pouco importa saber se se trata de uma ou outra situação. A verdade é que são as pessoas que tornam alguns momentos tão particulares e inesquecíveis e que dão o sal às pequenas vivências do dia-a-dia. É óptimo sentir o sal na nossa vida todos os dias, mesmo que isso possa implicar uma hipertensão contagiante.

sexta-feira, agosto 18, 2006

A moda das confissões picantes

Deixo aqui um pequeno resumo de uma grande reportagem da revista “Sábado” desta semana. Recomendo a leitura até porque trata um tema bastante actual.

“A tendência começou lá fora e já chegou a Portugal: mulheres comuns usam a Internet para revelar as suas aventuras sexuais com todos os pormenores. Elas explicam à SÁBADO porque é que permitem que qualquer um veja os seus diários íntimos e as suas fotos – e porque é que, em alguns casos, os maridos sabem de tudo e aprovam.”

Aqui ficam os blogues referidos no artigo para que possam consultar:

Assim vai o mundo

Olho as notícias de cada dia e o que sobressai? Desgraças. Um português esfaqueado no Brasil, incêndios em Portugal, assaltos em postos de combustíveis, guerra no Médio Oriente, Jesualdo Ferreira no FC Porto…

O que se passa? Os factos positivos passam ao lado dos meios de comunicação social ou nada de positivo acontece neste mundo? Quero acreditar na primeira hipótese, sem no entanto estar totalmente convencido. Pensando bem estamos numa época de calor (agora nem por isso), com muita gente de férias, noites quentes e estreladas. As pessoas andam mais soltas e só por si esse facto transmite uma série de sensações extraordinárias. Ou não?

segunda-feira, agosto 14, 2006

O argentino Pekerman

"O FC Porto está no mercado à procura de um treinador que se adapte ao actual plantel, e não o contrário. No fundo, procura alguém que goste de jogar em 3-4-3 que é o sistema de jogo para o qual esta equipa está adaptada. Assim de repente, o argentino José Pekerman que recentemente abandonou a selecção argentina parece apresentar-se como o homem certo para assumir o comando da formação portista.

Com Pekerman, o actual plantel do FC Porto não teria grandes dificuldades em se adaptar e não seria necessário uma grande revolução, que teria forçosamente que acontecer caso o novo treinador jogasse em 4-3-3 ou 4-4-2. Pekerman está actualmente sem clube e é adepto de um futebol de ataque muito similar ao que era adoptado por Co Adriaanse, mas parece ser um pouco mais inteligente".

In relvado.com

quinta-feira, agosto 10, 2006

Bye Co...

O meu almoço foi invadido pela notícia da demissão de Co Adriaanse e restante equipa técnica. Não fiquei contente com a sua saída. A palavra correcta é aliviado. E passo a explicar: Adriaanse não é um mau treinador, apenas intransigente, demasiado inflexível e exigente com os jogadores. O ambiente que se estava a criar ía acabar por criar rupturas no plantel e o reflexo estaria nos resultados. Ou seja, com a sua forma de estar, Co Adriaanse acabaria por fazer estragos. E para além disso, o clima existente entre direcção do clube e treinador piorava de dia para dia. Na minha opinião, acaba por ser um mal menor, porque encontrar um bom treinador nesta altura pode ser complicado, mas os possíveis estragos foram minimizados.

Para a história ficam frases e atitudes algo polémicas, decisões que ninguém compreendia e pouca simpatia conquistada junto dos adeptos. Não há treinadores perfeitos e Adriaanse era um desses treinadores. Melhor ou pior, contestado ou não, o certo é que da sua passagem pelo FC Porto ficam coisas boas para ele e para o clube. Afinal de contas venceu um campeonato e uma Taça de Portugal e ficou perto de conquistar todos os troféus nacionais relativos à época 2005/2006. Não deixou o clube sem tomar outra decisão surpreendente: demitiu-se! Bye Co...

sábado, agosto 05, 2006

A manhã na vacaria

É esta a minha sorte. Última saída da redacção: incêndio numa vacaria! Quando cheguei ao local os bombeiros ainda faziam o seu trabalho. Começo a fotografar e por todo o lado vejo animais feridos, queimados, cegos, mortos...mau de mais para ser verdade. Muito fumo no ar, um cheiro pouco suportável e um terreno no mínimo cheio de lama.

Indiferente a tudo isto (pelo menos tento), começo a tomar alguns apontamentos, falo com alguns dos muitos populares presentes no local. Depois gravo com o comandante dos bombeiros e espero para conversar com o dono da exploração que entretanto já tinha recuperado do choque, após ter sido assistido numa ambulância. O proprietário não quis prestar declarações e regressei rapidamente à redacção para preparar o meu trabalho.

Bem, o resto do dia na redacção girou completamente em torno deste acontecimento. Vacas para ali, vacas para acolá. Chega-se a um ponto em que a conversa descamba para a brincadeira apesar da seriedade do problema (é muito frequente acontecer numa redacção). O ponto mais importante disto tudo é que fiquei com imensa pena dos animais que vi em sofrimento naquela Vacaria. Só para que tenham uma ideia morreram 30 animais naquele incêndio. Mas trabalho é trabalho...

sexta-feira, agosto 04, 2006

Pergunta

- Sabem qual é a única comida que liga e desliga?

STROGONOFF

sexta-feira, julho 28, 2006

"Kikin" Fonseca

O ponta de lança contratado recentemente pelo Benfica tem algumas particularidades. É mexicano, esteve no Mundial e até marcou um golo a Portugal. Será melhor do que o Miccoli? E do que o Nuno Gomes?

Esta seria uma perspectiva interessante de abordagem, mas vou aqui destacar umas curiosidades do novo menino encarnado. Tem 27 anos, nunca se lhe conheceram namoradas, não é casado, ainda vive com os pais, tem um feitio complicado...

Tirem as vossas conclusões...

Completamente irreal

A Liga de Clubes aprovou hoje o aumento do limite máximo para o preço dos bilhetes. Na Primeira Liga, os clubes podem vender bilhetes até 75 euros (15 contos na moeda antiga) e na Liga de Honra até 25 euros (5 contos na moeda antiga).

Portanto, se os estádios portugueses já estavam vazios, a minha previsão é que ficarão ainda mais vazios. Isto é completamente irreal e só prova que em Portugal não se tem a mínima noção da realidade. Deviam era pensar em formas de melhorar a qualidade do futebol e em dar credibilidade à modalidade. Preferem assobiar para o ar e tomar medidas deste género. É pena!

sexta-feira, julho 21, 2006

Apresentações

Já vou na segunda apresentação de plantéis para a nova época desportiva e amanhã farei a minha terceira apresentação. Não é muito (eu sei), mas ainda bem que não. E passo a explicar. Antes da dita apresentação à comunicação social, os dirigentes dos clubes e treinadores têm por hábito darem palestras ao plantel. E os jornalistas ficam à espera pelo tempo que lhes apetecer.

Qual é a necessidade de fazerem uma palestra naquele momento? Não têm tempo depois? Nos intermináveis estágios e treinos ao longo de toda a temporada. Não existe o mínimo respeito pelo trabalho dos jornalistas que fazem maratonas para conseguirem escrever os seus textos e montarem as suas peças a tempo e horas.

quinta-feira, julho 13, 2006

Para pensar...

"Os funcionários públicos em Portugal são escandalosamente mais do que deviam ser e, sobretudo, a sua produtividade é mínima. Somos o País da Europa que tem maior peso na despesa com funcionários públicos no PIB. Mas não se pode despedi-los. A Cosntituição não deixa. Despedidos, iam para o tribunal e voltavam com uma indemnização. Que fazer? Mandá-los para casa com o ordenado e fechar os serviços inúteis"

João César das Neves, economista, professor da Universidade Católica, in O Diabo

Evidências

A actriz Jennifer Aniston foi considerada, numa votação na Net, a companhia ideal para um feriado! (Entertainment Tonight)

Finalmente alguém me compreende. Eu apenas mudaria uma pequena coisa. Seria a companhia ideal para um fim-de-semana, uma semana, um mês...

quinta-feira, julho 06, 2006

Portugal está fora da corrida pelo título!

Portugal perdeu com a França (mais uma vez) e não joga a final do Mundial. Duas notas sobre o jogo.

Primeira: quase toda a gente falou do árbitro, mas Portugal não perdeu por causa disso. É sempre a desculpa mais utilizada e os portugueses têm de perder esse hábito. A derrota custou a toda a gente, no entanto é preciso saber aceitá-la sem arranjar desculpas fáceis. Não precisamos de ficar sempre com o papel de coitadinhos. Não somos coitadinhos e isso ficou provado neste Mundial.

Segunda: a França não foi superior a Portugal. Por isso é que esta derrota custa a digerir. Pessoalmente esperava mais dos franceses e aquilo que vi foi muito respeito pelos portugueses. Isto não serve de muito, é certo, mas demonstramos carácter e atitude.

quarta-feira, julho 05, 2006

Força Portugal!!!

sexta-feira, junho 30, 2006

Vira o disco...e toca o Mundial!

Todos os pensamentos estão neste momento virados para o Mundial e para o jogo de amanhã com a Inglaterra. Como se todos os portugueses estivessem já em estágio para aguentarem as emoções fortes do duelo entre ingleses e portugueses.

Estou optimista, mas algo moderado nos prognósticos. Talvez 2-1. Acho que o Deco vai fazer muita falta, mas há que pensar pelo lado positivo: joga na meia-final. Depois tenho uma perspectiva sobre treinadores de futebol para partilhar, no entanto guardo para uma futura ocasião aqui neste mesmo cantinho.

Vamos lá ver se não há duas sem três...

sexta-feira, junho 16, 2006

Argentina 6-0 Sérvia e Montenegro

É para já a goleada do Mundial 2006. Num post anterior eu deixei o aviso para verem os jogos da Argentina. Não digam que eu não avisei...

A "minha" Argentina está imparável e mais uma vez não utilizou todas as suas armas. Tevez e Messi só entraram na segunda parte, numa altura em que os argentinos já venciam por 3-0. Lucho Gonzalez merece destaque pela positiva e pela negativa. Jogou a titular, mas lesionou-se logo aos 16 minutos, sendo substituído por Cambiasso. Uma pena!

A Argentina já está na fase seguinte e agora só espero que não encontre Portugal.

segunda-feira, junho 12, 2006

Portugal entra com vitória!


Portugal cumpriu os serviços mínimos e entrou no Mundial da forma que se pedia: a ganhar! É certo que não jogou muito bem, mas para primeiro jogo na competição acho que foi bastante bom. A pressão já lá vai e com Deco no segundo jogo temos tudo para carimbar desde logo a passagem à segunda fase. Não fomos brilhantes, salvou-se a vitória e o excelente jogo de Figo.

Argentina 2-1 Costa do Marfim

Para além de torcer por Portugal neste Mundial (isso é inevitável), tenho de revelar a minha enorme simpatia pela Argentina. E a "minha" Argentina entrou com o pé direito no Mundial. Vitória por 2-1 e um futebol bonito, sem ser deslumbrante. Mas é preciso não esquecer que algumas das estrelas da companhia não jogaram. Casos de Messi, Tevez e Pablo Aimar. Lucho Gonzalez, outro dos meus preferidos, também não foi primeira opção. Não percam os jogos da Argentina neste Mundial porque vale a pena assistir!

quinta-feira, junho 08, 2006

Uma pergunta...

Quanto custa um sorriso?

segunda-feira, junho 05, 2006

Como sobreviver às críticas, parte 2

"Sou criticado por quatro ou cinco intelectuais"

Luiz Felipe Scolari deu uma entrevista telefónica ao "Zero Hora", um diário desportivo de Porto Alegre. Vale a pena transcrever na íntegra o texto do diálogo dos jornalistas com Scolari, que o jornal brasileiro colocou na sua página na Internet, assinado por David Coimbra, enviado-especial a Weggis, Suíça, onde a selecção do Brasil realiza o seu estágio.

Eis o texto:

«Quê? O Edmílson foi cortado? Luiz Felipe Scolari não sabia. Informei-o do ocorrido com Edmílson às 22h30 da última quarta-feira, por telefone. No começo do dia, havia telefonado para ele e deixado recado na secretária electrónica. Felipão ligou de volta. Estava em Lisboa, na última folga da selecção de Portugal antes da Copa do Mundo. Contou que naquele mesmo dia Edmílson havia ligado para ele e que falara com sua mulher, Olga.
- Parecia que estava tudo bem... - lamentou.
Depois de se recompor do choque, Felipão começou a raciocinar como o técnico vencedor que é. Perguntou quem tinha sido convocado para substituir o jogador cortado e, ao ouvir o nome de Mineiro, gritou:
- Bá! Mas o Parreira acertou em cheio! O Mineiro vai ajeitar o time do Brasil. Se ele botar o Mineiro junto como Emerson, então... Os dois pegam, os dois marcam, os dois se movimentam. O Brasil dá sortemesmo. Em 2002, quando o Emerson se lesionou, coloquei o Gilberto Silva no time, e acertou a defesa. Agora, o Mineiro é que vai arrumar o time, ele é muito bom jogador.
Quanto a seu próprio time, Portugal, Felipão disse que está bem, mas que poderia estar melhor, não fosse a lesão de Jorge Andrade, zagueiro que ele definiu como «espectacular».
- Se ele estivesse em condições, certamente seria um dos grandes destaques desta Copa do Mundo. De resto, sua selecção está «óptima fisicamente, e tecnicamente razoável». No entanto, cauteloso como sempre, Felipão jamais subestima os adversários:
- Esse time do Irão, por exemplo. É um time chato, chato, chato... Tem uns jogadores altos, fortes. Um time muito chato. Não sei, essa nossa chave...
Mas Felipão tem motivos de sobra para ser optimista. A selecção portuguesa está invicta há 13 jogos, um recorde do time, e, em 42 partidas, conquistou 26 vitórias. Os portugueses o adoram.
- Quando saio na rua é uma loucura, eles vêm falar comigo, eles aplaudem. Está quase como no Brasil - relatou. Claro, há quem o critique.
- Uns quatro ou cinco intelectuais - rosnou.
- Aqui, quando eu falo em bandeira, em pátria, em nacionalismo, é porque sou pregador. Na verdade, é preconceito contra brasileiro mesmo. Eles têm bronca, raiva e inveja dos brasileiros.
Felipão tem de cabeça a curta lista de desafetos:
- Um diz que é cineasta. O outro, o pai dele foi um grande escritor. O pai, né, porque ele é uma bosta. Um terceiro ganhou uma herança do tio e ficou rico. E tem uma mulher famosa aqui que diz que é a Marília Gabriela de Portugal. Só. Não entendem nada. Me criticaram porque coloquei a selecção a treinar num clima de 27º C. Nós treinamos às cinco e meia da tarde, aí está uns 23. Quando formos jogar na Alemanha, com 15 graus, os jogadores vão estar voando.
Felipão sabe que o que importa é o torcedor.
- E o torcedor, sim, esse gosta de mim. Noventa e nove vírgula nove por cento me aprovam, aqui em Portugal. Pensei que Felipão ia reclamar da duração da ligação, ele que é um notório pão duro. Nada disso. Estava de espírito leve. Até comentou a vitória do Grêmio sobre o Palmeiras.
- Meu time está bem - comemorou.
- O Mano é gente boa, está fazendo um bom trabalho. Está tudo certo na vida do multicampeão.»

Acho incrível que Scolari não aguente uma crítica. E consegue dizer estas asneiras todas num espaço tão curto, lançando brasileiros contra portugueses. Mais uma vez Scolari deixa muito a desejar.

domingo, junho 04, 2006

Vila do Conde II

Vila do Conde

sábado, junho 03, 2006

O romantismo das coisas

No início de qualquer experiência vivencial temos a natural tendência para vermos o lado romântico das coisas. Tudo é belo e fantástico. Ora, a realidade da vida não é na maioria das vezes romântica para sempre. Mas esse romantismo é bom enquanto dura...

sexta-feira, junho 02, 2006

Frases soltas

"Fico à espera de notícias. Ai Ai!!!!! Só tu......"

Como sobreviver às críticas

Gilberto Madaíl saiu em defesa de Scolari porque entende o presidente da Federação que não se pode criticar ninguém da Selecção Nacional nesta fase. Madaíl confunde duas coisas básicas. Uma coisa é criticar as escolhas e a forma como Scolari comanda Portugal, a outra é não apoiar os jogadores durante o Mundial.

Eu próprio não concordo com alguns aspectos da gestão de Scolari, mas não deixarei de torcer pelas vitórias de Portugal na Alemanha. Como bom português!

sexta-feira, maio 26, 2006

A frase do dia

«Se não acreditássemos, íamos já para casa» - Zé Castro, defesa da Selecção Sub-21

Eu pergunto: será que podemos deixar de jogar antes de sermos eliminados?

quinta-feira, maio 25, 2006

Diário do Estágio da Selecção

8:00 h – Alvorada
8:30 h – Nuno Gomes começa a secar o cabelo
8:35 h – Nuno Valente dá entrada no departamento médico, após alegadamente ter sido vítima de uma entrada violenta do seu colega de quarto, Petit, enquanto dormia
9:00 h – Pequeno-almoço
9:01 h – Nuno Gomes começa a chegar gel ao cabelo
9:10 h – Figo levanta-se
9:11 h – Cristiano Ronaldo dá entrada no hotel após uma noitada bem passada
9:12 h – Ricardo Costa grita bem alto: "Como é possível eu estar aqui?", e abraça-se, eufórico, à pessoa mais próxima
9:13 h – Ricardo é sodomizado por um empregado do hotel após este ter ficado excitado com a sua voz sexy
9:14 h – Miguel agride de forma selvática os jornalistas que o tentavam fotografar enquanto comia
9:15 h – Costinha consegue finalmente ter capacidade físico-motora para se erguer da cama
9:16 h – Maniche pesa-se e atira a balança com força contra a parede, depois de perceber que continua a pesar mais do que o Fernando Mendes
9:20 h – Chegam ao hotel os dois camiões de queijos açorianos encomendados por Pauleta
9:30 h – Nuno Gomes acaba de chegar o gel ao cabelo e dirige-se para a sala de maquilhagem
9:45 h – Scolari acorda
10:00 h – Deco inicia o seu tratamento contra as borbulhas
10:01 h – Simão chora, queixando-se de que Hélder Postiga lhe terá comido o pão com manteiga
10:02 h – Caneira dá entrada no departamento médico, após ter sido vítima de uma entrada dura de Petit durante o pequeno-almoço
10:10 h – Quim agride um empregado de mesa, depois de este lhe ter dito que era holandês
10:30 h – Início do treino
10:45 h – Figo e Cristiano Ronaldo entram no estúdio para gravarem um spot publicitário para um banco
10:50 h – Nuno Gomes está finalmente pronto para entrar no treino
11:00 h – Costinha inicia o pequeno-almoço;11:01 h – Treino interrompido para prestar assistência médica a Luís Boa Morte, que foi vítima de uma entrada dura de Petit
12:30 h – Fim do treino
12:31 h – Costinha está pronto a iniciar o treino
12:36 h – Banho
12:40 h – Simão chora copiosamente porque Tiago não lhe emprestou o champô
13:00 h – Almoço
13:35 h – Figo e Cristiano Ronaldo juntam-se aos seus companheiros
13:40 h – Scolari levanta-se da cama pronto a iniciar mais um dia de extenuante trabalho
14:00 h – Costinha chega, visivelmente cansado, ao local onde decorre o almoço
16:00 h – Rodada de "Sueca"
16:10 h – Costinha dá entrada no departamento médico, após ter-se lesionado com a caneta enquanto apontava os resultados da "Sueca"
16:30 h – Scolari reúne-se com a sua equipa técnica para delinear a estratégia para o primeiro jogo do Mundial
16:32 h – Scolari inicia um jogo de Monopoly com a sua equipa técnica. A regra é bem simples: quem ganhar tem direito a escolher um jogador para o onze português que vai iniciar o Mundial
17:00 h – Inicia-se o treino da tarde
17:05 h – Figo e Cristiano Ronaldo iniciam as filmagens de um anúncio publicitário para uma bebida gaseificada
17:10 h – Simão chora copiosamente porque Hugo Viana não lhe passou a bola
19:00 h – Fim do treino
20:00 h – Depois de uma extenuante tarde de Monopoly, estão já escolhidos dez dos jogadores que vão alinhar de início no primeiro jogo do Mundial
20:30 h – Início do jantar
20:31 h – Costinha dá entrada no departamento médico, após ter-se lesionado com o garfo enquanto comia
20:32 h – Scolari vence o 11º jogo de Monopoly e tem por isso direito a escolher o último jogador do onze inicial; o brasileiro escolhe, eufórico, Quaresma; quando os seus adjuntos lhe dizem que Quaresma não pode ser escolhido porque não foi convocado, o treinador brasileiro perde as estribeiras e grita: "pôxa vida, cara! É sempre assim: quando eu ganho nunca há o prémio que eu quero. Vocês, portugas, não sabem perder, cara!"
21:00 h – Bilharada no salão de jogos do hotel
21:10 h – Simão chora porque Deco ficou com o taco maior e mais brilhante
21:30 h – Pauleta acaba de comer o seu 37º queijo açoriano de sobremesa
22:00 h – Scolari diz estar extenuado e recolhe aos seus aposentos
23:00 h – É dada ordem de recolher aos quartos
23:05 h – Simão chora porque queria ficar com a cama do lado esquerdo do quarto
00:00 h – Cristiano Ronaldo está pronto para sair
00:02 h – Costinha acorda o departamento médico da selecção para ser assistido após ter-se lesionado ao mudar de posição enquanto dormia
00:30 h–Merche Romero chega à entrada do Hotel e buzina bem alto, Cristiano Ronaldo ouve a buzina e sai
01:00 h - Ricardo Costa grita bem alto durante o sono: "Como é possível eu estar aqui?", e abraça-se, eufórico, à pessoa mais próxima
07:59 h – Merche Romero deixa Cristiano Ronaldo na entrada do hotel
08:00 h – Alvorada

(thanks Cristina...e Flávia)

segunda-feira, maio 15, 2006

Os escolhidos

Luiz Felipe Scolari divulga mais logo os nomes dos 23 jogadores convocados para o Mundial da Alemanha.

Aqui fica a minha previsão:

Guarda-redes: Ricardo, Quim e Paulo Santos

Defesas: Paulo Ferreira, Miguel, Caneira, Ricardo Costa, Fernando Meira, Ricardo Carvalho e Nuno Valente.

Médios: Deco, Maniche, Costinha, Hugo Viana, Tiago, Petit e Figo.

Avançados: Nuno Gomes, Pauleta, Hélder Postiga, Simão, Cristiano Ronaldo e Boa Morte.

sexta-feira, maio 05, 2006

Microfones

Seria muito interessante fazer um estudo sobre o efeito dos microfones nas pessoas. As reacções de um ser humano quando confrontado com um microfone são diversas. Alguns têm a natural tendência para fugir ou recusar uma intervenção para o dito cujo. Outros preferem berrar ou debitar sons imperceptíveis para o pobre do microfone. Diria que estas duas formas de reacção são opostas. No entanto, das duas resulta muito pouco em termos jornalísticos.

Os outros dois tipos de acção perante um microfone são bem mais produtivos. Há os eloquentes, que falam, falam, falam e revelam grande intimidade com o objecto. E também os que têm muito para dizer, mas não conseguem articular as ideias. Resultado: discurso confuso. Ainda assim, preferível aos que não dizem nada.

Mas quando tentámos, de microfone em riste, entrevistar alguém, o mais natural é sermos nós os primeiros a responder a perguntas. “Já está a gravar?” ou “isto é em directo?”. “Que perguntas é que me vai fazer?”…

domingo, abril 30, 2006

Sem sentido

Experimentem ouvir Silverchair e ao mesmo tempo beber uma “Pedras Framboesa & Ginseng”. De seguida, experimentem escrever um texto. É difícil fazer três coisas de uma assentada, até porque as mãos ou estão no teclado ou na garrafa. Mas não era aqui que eu queria chegar.

A música é excelente. A água das pedras também. Logo, qualquer texto que escreva será muito pior se comparado com estes dois elementos. O melhor mesmo é parar de escrever e saborear o resto…

sábado, abril 29, 2006

Outros tempos

Ainda me recordo quando chegávamos à Universidade ao som dos U2. "Electrical Storm" era das melhores formas de começar o dia. Mesmo quando as aulas tinham início às 8h00 e nada parecia positivo. No entanto, a nossa entrada só estava prevista para as 8h30. Grandes tempos esses.

Acho que nunca me diverti tanto como nessa fase da Universidade. Onde estávamos havia sempre barulho, confusão, gargalhadas, conversa animada, todos esses condimentos de uma vida realmente saudável. Nunca faltava assunto, nem motivos para chorar a rir.

Como daquela vez em que te deu calor no meio de uma aula e quase deitaste o estore da sala a baixo. Já para não falar no barulho que interrompeu o professor. Quando espirravas daquela forma tão característica que paralisava toda a gente. Ou ainda quando soltavas o célebre "Como é?!?! Vamos jogar logo?" aos ouvidos de quem surgia no caminho. Hilariante!

Outros tempos que não estes. Como diria o nosso Mourinho: "Inesquecível!...mas que ninguém nos diga irrepetível!".

quinta-feira, abril 27, 2006

Perguntas sem resposta

- Por que é que existem rotundas com duas faixas de rodagem? (os portugueses utilizam sempre a mesma: a faixa de fora)

- Por que é que os carros em Portugal têm piscas? (os portugueses raramente utilizam os piscas)

- Porque insistem em dizer que o Claúdio Ramos é gay? (sem comentários)

- Para comentar um jogo de futebol é preciso perceber as regras? (cada vez tenho mais dúvidas)

- É preciso ter a 1.ª classe feita para se escrever as notícias de rodapé nos noticiários da TVI? (feliz de quem tem tempo para pensar nestas coisas)

sexta-feira, abril 21, 2006

"Pensar o futebol como espectáculo"

«Em Portugal fala-se demasiado nas arbitragens. Devemos é falar na qualidade do jogo». Estas são palavras de Co Adriaanse. Não podia ter mais razão...

«Ou seja, se quero vender água, a sua qualidade tem de ser boa, assim como a garrafa e a promoção. No futebol tem de ser assim: fazer uma boa equipa e jogar bom futebol. Só assim podemos encher os estádios».

É deste tipo de discursos que precisamos para melhorar o futebol em Portugal.

terça-feira, abril 18, 2006

Segredos

Tenho um problema com segredos. Sempre que me dizem: "tenho um segredo para te contar!", fico logo em pulgas. Quero saber tudo na hora. O pior que me podem fazer é colocarem condições. "Só te conto se..." isto ou aquilo. Bem, nestes casos eu aplico o meu tratamento de choque que consiste basicamente em chatear a cabeça (e acreditem que consigo ser mesmo muito chato) do detentor do segredo. Há dias em que resulta...

Sou muito curioso. Por vezes, bisbilhoteiro até. Tipo mulher (que me desculpem as damas)! Por isso, sempre que tiverem um segredo, não digam que o têm. Contem logo...

sábado, abril 15, 2006

Tudo normal...

O Porto voltou a vencer e continua tudo normal quanto ao título. Benfica e Sporting jogam hoje e veremos o que cada um é capaz de fazer.

Uma nota de realce para Quim, guarda-redes do Benfica. É uma injustiça o tratamento que está a receber pelo treinador Koeman. Depois de ter jogado lesionado e de ser ter sacrificado pelo clube, merecia melhor sorte. Mas o futebol é fértil em injustiças. Esta não será a primeira nem a última.

sexta-feira, abril 07, 2006

O Clássico

O grande clássico Sporting- FC Porto é já amanhã. Um Sporting moralizado, com toda a comunicação social a torcer pelos «leões», e um FC Porto que pode perder a liderança do campeonato, já perto do fim, quando liderou a prova quase desde o início.

O meu prognóstico é que se o FC Porto ganhar amanhã, o título está entregue. Se os dois clubes empatarem, o Porto fica bem colocado para ser campeão, embora nada fique decidido. E se o Sporting ganhar, o campeonato continua também em aberto.

Pouca gente coloca a possibilidade do Sporting não ganhar. E todos acham que se ganhar já é campeão garantidamente. São opiniões...

Como é óbvio, torço pelos «dragões» e espero que Helton e companhia conduzam o Porto à primeira vitória num clássico esta época, em noventa minutos. Acho que o empate já não era nada mau, tendo em conta o que ainda falta jogar na Liga.

quinta-feira, abril 06, 2006

O tempo

O tempo está de chuva. Eu sei. Mas não é desse tempo que quero falar. É daquele que não tenho tido para escrever no meu Blog. Os meus dois únicos leitores (bem, por esta altura já devem ser pelo menos três) estão certamente a estranhar...

Mas não se preocupem porque isto vai mudar! Tem de mudar! Pensei em escrever algo à volta da palavra "chafurdar" (uma palavra de que eu gosto), mas depois lembrei-me que hoje estive numa manifestação de agricultores. Não caía bem...

O que estou eu a escrever? Bem, melhores dias virão...

domingo, abril 02, 2006

Fim-de-semana

1. José Mourinho deixou de escrever na Record DEZ. Na edição n.º 99 da revista já se notava a ausência da crónica do Special One e na edição n.º 100 o gestor do projecto Record DEZ (António Varela) pôs um ponto final. Curioso que tenha acontecido depois da célebre crónica do ataque a Ronald Koeman. Coincidência ou estratégia? Ainda para mais, esta revista cumpriu este fim-de-semana 100 edições. Ficava melhor a Mourinho cumprir mais duas edições, fazer até uma crónica de despedida (caso a saída tenha sido planeada), e sair em beleza. Até porque a Record DEZ terá agora um interregno até Setembro. “…porque não há publicação que resista à inércia nos conteúdos e à cristalização da imagem gráfica”, explica António Varela. Não tem uma lógica aparente (a saída de Mourinho), mas eu gostava de saber os motivos. O pior de tudo é que em pouco tempo são duas grandes perdas: a DEZ e as crónicas de José Mourinho. Lastimável! A boa notícia é que a DEZ regressa em Setembro com novo visual.

2. “Agora, posso dizer que sou do Bairro do Falcão e do Águias da Areosa. Foram os únicos (clubes) onde joguei por amor. Nos outros, cumpri contrato” (João Pinto, jogador do Boavista). Esta afirmação ajuda a perceber muito do futebol actual. E é também um excelente ponto de partida para definirmos o que queremos do futebol. Tudo isto numa semana em que Figo concedeu uma entrevista ao jornal Marca, dizendo que o Real Madrid optou pelo caminho comercial em detrimento do desportivo, com os resultados à vista de todos. O desporto é um comércio ou um espectáculo?

3. “Raramente vejo futebol; vejo muito mais basquetebol e ouço hip-hop, porque são esses os meus verdadeiros interesses na vida” (N´Doye, jogador da Académica). Não se percebe esta afirmação. Das duas uma: ou está na profissão errada ou tem um sério problema de cabeça. Vá-se lá entender alguns jogadores de futebol.

quarta-feira, março 29, 2006

Títulos do Benfica – Barcelona

É curioso ver os títulos escolhidos pelos jornais desportivos sobre o Benfica – Barcelona da Champions. Neste caso, os jornais desportivos de Portugal e de Espanha. As perspectivas são diferentes e facilmente se percebem as tendências de cada jornal. Umas com mais dose de verdade do que outras. Já agora, vejam qual o título que mais destoa dos outros todos. Uma análise engraçada que deixo ao vosso critério.


“«Penalty»! EU VI, TU VISTE, ELE NÃO VIU” – A Bola

50% JÁ ESTÁ. Rocha parou Ronaldinho e as «meias» ficam em aberto” – O Jogo

TUDO É POSSÍVEL. Muitas oportunidades perdidas deixam eliminatória em aberto” – Record

PERDONÓ EL BARÇA! La gran actuación de Moretto y la falta de puntería le impidieron sentenciar” – As

QUE INJUSTO! El Barça tuvo diez ocasiones de gol, pero sufrió al final” – Sport

EL BARÇA PUDO METER OCHO!” – Marca

NO ME LO CREO! El Barça pudo sentenciar anoche la eliminatoria, pero la mala suerte y el portero impidieron la goleada” – El Mundo Deportivo

terça-feira, março 28, 2006

Caminho para o Euro 2008: Arménia

Equipa

Guarda-redes: Hambartsumyan e Kasparov
Defesas: Aleksanyan, Arzumanyan, Baghdasaryan, Dokhoyan e Tadevosyan
Médios: Karen Aleksanyan, Khachatryan, Melikyan, Mkhitaryan, Tigranyan e Voskanyan
Avançados: Hakobyan, Aram Hakobyan, Melkonyan e Aram Voskanyan

Seleccionador: Henk Wisman (holandês)

A estrela: Aram Hakobyan (FC Banants)

- Duas vitórias e um empate em 12 jogos da fase de qualificação para o Mundial 2006 valeram o sexto lugar à frente de Andorra, mas atrás de Macedónia e Finlândia, com menos dois e nove pontos, respectivamente.

- Até ao início da fase de qualificação do Euro 2008, a Arménia tinha efectuado 28 jogos na competição, tendo registado 5 vitórias, outros tantos empates e 18 derrotas, com 20 golos marcados e 48 sofridos.

- A derrota mais pesada no Campeonato da Europa aconteceu diante da Espanha, por 4-0, a 11 de Outubro de 2003.

- O primeiro jogo internacional da Arménia realizou-se a 14 de Outubro de 1992, diante da Moldávia, e terminou empatado sem golos.

Website: http://www.armenia.fifa.com

segunda-feira, março 27, 2006

Pensamento

Tudo o que é bom dura o tempo necessário para ser inesquecível.

sexta-feira, março 24, 2006

Vocabulários e clubite aguda

No campo das coisas com menor importância, se comparadas com as anteriores, as conversas sobre futebol tanto podem ser hilariantes como enfurecedoras de surdez colectiva. Poucas vezes terá sido tão inteligente uma resposta como a que João Botelho me deu a próposito de um golo do Benfica que, dizia-se, não tinha sido mas foi. Afinal no tal golo contra o Belenenses a bola entrou ou não entrou? A resposta foi clara: como desportista acho que não foi golo, mas como benfiquista acho que foi! Resposta genial porque explicita os dois "vocabulários" que dividem os nossos afectos irracionais.

PS - Não vi o jogo FC Porto-Sporting para a Taça porque estou em Inglaterra a estudar vocabulários. Vi à meia-noite na Net que o FC Porto ganhou nos penalties. O Vítor Baía defendeu um. "That's life".



Excerto da crónica "Visto do Dragão", escrita por António Pinho Vargas no Diário de Notícias

quinta-feira, março 23, 2006

Uma resposta à crónica...

Minha Cara,

Tenho, sinceramente, muita pena de si...Em primeiro lugar, tive a pena de constatar que só se sentiu realizada, ou minimamente realizada, em 20% dos minetes que lhe fizeram. Concordo consigo quando diz que os homens devem perguntar às respectivas se estão contentes com o seu desempenho. Nesse caso, porque é que assume claramente que finge os seus orgasmos? Das duas uma, ou a menina nunca foi "comida" como devia, ou então, coitadinha, não tem mesmo jeitinho nenhum para o sexo.

Nós, homens, também lhe podemos fazer, por exemplo uma estatística de quantas mulheres são ou não boas na cama. Ou quantas fazem ou não, bons broches. O que nunca lhe vamos poder fazer é fingir um orgasmo. Isto, claro, se conseguir que atinjamos um. Acredite que há muitos homens que perguntam as parceiras se estão contentes com o seu desempenho. E acredite também que a maior parte dos homens não teve que ler um manual para fazer bons minetes. Apenas teve que os fazer, uma e outra e outra vez. Só com treino se consegue melhorar a performance minha cara.

Em segundo lugar, informo-a que, caso ainda não tenha percebido, o que você está a fazer é, muito simplesmente, a aumentar o número de homens que pratica mau sexo. Você e as mulheres como você. Ora repare: se você finge um orgasmo de cada vez que está com um homem, em primeiro lugar, está a fazer com que o homem acredite que realmente percebe do assunto (Sim, há homens que não percebem). Em segundo lugar, está a fazer com que este mesmo homem, não se esforce o suficiente para agradar a parceira na relação seguinte.

Penso que estamos ambos de acordo, quando digo que uma situação destas não é agradável, nem tão pouco desejável, certo? O meu conselho, se o quiser aceitar, é: Faça mais sexo!!! A sério, penso que você precisa. Mas faça mais sexo sem fingir orgasmos. Vai ver que a sua vida sexual melhorar exponencialmente, e escusa de se vir queixar para as revistas.

É obvio que nem todos os homens lhe vão dar um orgasmo, ambos sabemos isso. Mas vão tentar, isso, eu garanto...E já agora. Informo-a também que não é assim tão raro uma mulher pedir ao "querido" para fazer assim ou assado. Não julgue todas as mulheres por si, "Dra. Ruth".

Um cordial abraço,

Miguel Sousa Tavares



Resposta de Miguel Sousa Tavares a Ana Anes

Os homens e os minetes

Escrevo esta crónica em plena época natalícia, numa altura em que os homens, coitados, na sua pequenez de vista, acham que nós queremos receber jóias, um casaquito do Cavalli, um fim-de-semana numa linda pousada, um microondas para enfiarmos a cabeça lá dentro, etc., etc.

Nem estão enganados, os pobres. O que nós queríamos mesmo era homens que soubessem fazer um minete “comme il faut”. Eu explico. Estas almas penadas vieram ao mundo com um gene que lhes meteu na cabeça que fazer um bom minete é um dado adquirido. Pois aqui vai uma notícia: não é! E o mais giro é que, perguntando aos desgraçados dos meus amigos, “ex” e afins (o leque é grande e a probabilidade de acertar quase igual à da EuroSondagem), todos acham que fazem “o” minete. Extraordinário!

Mas alguém se lembrou de perguntar às respectivas? Não. E todos continuam convencidos que são os “maiores” nesta lide particular. Burros! Ora, da mesma forma que nós – grandes falsas – esperneamos, dizemos “ahhh! Sim! Huuuuuuum!” e nos mexemos à “Canal 18” para fingir um orgasmo durante o acto, o mesmo fazemos quando nos estão a meter a cara entre as pernas.

Assumindo uma posição tipo “Dra. Ruth” – é o que me chama, no gozo, a minha editora –, arrisco dizer que 80 por cento dos homens fazem minetes como os São Bernardo lambem as vítimas perdidas na neve. Lambem, lambem… sem saber porquê e onde. E nós fazemos o nosso papel, para os pobres coitados não ficarem cheios de complexos (de vez em quando, algumas ganham coragem e dizem “querido, não te importas de fazer assim ou assado, mas ainda é raro).

Depois, há cerca de dez por cento que tem jeito para a coisa: um potencial elevado para um “minete-colibri” – bate as asinhas e “truca!”, acerta no alvo sem grandes lambidelas ou aparato. E, finalmente, vêm os abençoados, que já foram como os anteriores mas entretanto leram livros da especialidade e fazem os “minetes de oiro”. São os “meninos de oiro” – coisa rara nos dias que correm.

E mais uma vez os caracteres lixam-me a prosa – não as ideias. Mas não é por isso que ficam os senhores leitores sem ideia para uma prenda jeitosa para o Natal, daquelas que, uma vez aprendida, é só dar.

7anosdemausexo@oindependente.pt


Crónica “Sete Anos de Mau Sexo” de Ana Anes no jornal “O Independente”

terça-feira, março 21, 2006

Culturinha

“Não é de hoje, e muito menos exclusivo da Sport TV, mas creio ser caso único o facto de, em Portugal, a comunicação social desportiva, ao entrevistar os técnicos estrangeiros, utilizar um tratamento de “senhor” e, ao relacionar-se com técnicos nacionais, utilizar uma linguagem normal. Para mim, esta última é a forma correcta de relacionamento, enquanto a outra é demonstrativa de pequenez.

É que não consigo entender qual a razão por que, por exemplo, depois de Benfica-Naval, se ouviu “senhor Koeman” e, depois, “Rogério Gonçalves?”. Que razão para um tratamento tipo “senhor Adriaanse” ou “monsieur Bölöni…” e, logo a seguir “apenas”… Vítor Pontes, Paulo Bento? Que culturinha, a nossa!”.


José Mourinho na crónica semanal da revista Dez – Sábado, 18 de Março de 2006

segunda-feira, março 20, 2006

Uma história – parte V

Recordações atravessam o meu pensamento como coisas soltas, esquecidas pelo tempo distante que as separam de tudo o que já vivi. Relembro todos os dias as coisas bonitas que nós, seres humanos, somos capazes de partilhar com quem amamos. A felicidade, os sentimentos mais incríveis, advêm de um rosto, de um corpo, de alguém com quem desejamos estar a toda a hora.

Posso cair no ridículo ou até mesmo ser lamechas, mas não posso, nem consigo, deixar de exteriorizar estes meus devaneios. Esta até pode nem ser uma história muito bonita, mas cumpre certamente o ritual final de todas as histórias: tem um final feliz!

sexta-feira, março 17, 2006

Algumas notas...

1. Sobre o Sporting e a questão da venda de património. Jorge Gabriel (no programa Trio de Ataque) disse algo muito acertado. Cristiano Ronaldo é um dos melhores jogadores do mundo, Simão Sabrosa é o capitão do Benfica e o jogador mais valioso do plantel e Ricardo Quaresma brilha no FC Porto e é uma mais valia no campeonato nacional. Estes três jogadores (e como estes outros) foram formados nas escolas do Sporting e saíram muito novos de Alvalade. Poderiam e deveriam ter jogado mais na equipa principal dos leões, com vantagens desportivas e económicas bem mais vantajosas. Tendo em conta o potencial de cada um, o Sporting poderia ter obtido maiores encaixes financeiros com as suas vendas. Como se isso não bastasse, tem de ver ainda dois grandes artistas (Simão e Quaresma) brilharem nas equipas de dois grandes rivais. O Sporting tem sem dúvida a melhor formação de Portugal, mas não sabe gerir o potencial que cria. Nem desportivamente, nem financeiramente.

2. O Benfica ficou fora das meias-finais da Taça de Portugal. Voltou a evidenciar nervosismo e falta de eficácia ofensiva (à semelhança do que tinha acontecido com a Naval) e por isso perdeu com o V. Guimarães. É pena que os seus dirigentes se venham desculpar com os tradicionais erros de arbitragem, quando os jogadores encarnados falharam golos de forma escandalosa. A isto chama-se atirar areia para os olhos das pessoas. Só não vê quem não quer. E até admito que o Benfica possa ter razão de queixa num ou noutro lance. Só que nas contas finais da temporada, os três grandes serão sempre os mais beneficiados pelos lapsos das arbitragens. Nenhum dos três pode dizer que saiu mais prejudicado que beneficiado pelos árbitros.

3. No meio de tudo isto, tem de ser realçada a postura de Luisão. No final do encontro com o V. Guimarães mostrou ser um verdadeiro líder. Primeiro, não tocou no trabalho da equipa de arbitragem e admitiu o momento menos feliz do Benfica. Depois, disse que iria sempre defender o grupo de trabalho e que embora fosse difícil conquistar o campeonato, ele e os seus companheiros iriam dar tudo até ao final do campeonato. Ao contrário de Koeman, que à mínima contrariedade deita logo a toalha ao chão, Luisão mostrou uma forte personalidade. Ganhou pontos junto da massa associativa e na minha opinião deixou Koeman cada vez mais sozinho para os lados da Luz.

4. Os grandes treinadores vêem-se na adversidade. Quando uma equipa vence e está na mó de cima, o trabalho de um treinador não exige grande perícia. Consiste “apenas”em manter os índices de confiança altos e fomentar a identificação dos adeptos com a equipa. Nos momentos maus, os treinadores bons sobressaem e os menos bons caem em desgraça, metendo os pés pelas mãos. Koeman, por exemplo, começa a parecer demasiado nervoso (e isso transmitiu-se para os jogadores) e perde toda a coerência. Deixou de dar conferências de imprensa (por iniciativa própria), disse que não contava com Mantorras e agora convocou-o, não dizia mal das arbitragens e agora diz e por fim passou a comportar-se como um louco no banco de suplentes. Uma imagem algo recorrente em alguns técnicos portugueses. Perdeu algumas das virtudes de um treinador holandês, virado para o espectáculo e fair-play, evidenciadas aquando da sua chegada a Portugal. Sem ser espectacular, Co Adriaanse conseguiu pelo menos ser fiel aos seus ideais, mesmo sendo ferozmente criticado por muita gente. Nunca disse mal de nenhum árbitro e vai continuando a apostar no futebol ultra-ofensivo. E com isto não quero dizer que Adriaanse é melhor do que Koeman. Parece-me é que é mais coerente (tem mais personalidade) e está mais perto de ser um bom treinador. No final da temporada tiraremos as dúvidas.

5. O sorteio das meias-finais da Taça de Portugal ditou um Porto-Sporting. Isto quer dizer que apenas um grande estará na final do Jamor. É bom que surjam equipas de menos dimensão na discussão dos troféus em Portugal. Pessoalmente, gostava de ver o V. Guimarães na final porque tem uma massa associativa muito dedicada ao clube. Iriam trazer grande entusiasmo à final. Do outro lado, como é óbvio, queria que estivesse o FC Porto.

terça-feira, março 14, 2006

Muito bom...

É no mínimo hilariante!

Ouçam bem o que esta senhora tem para dizer no Fórum da Sport TV. Cliquem no link:

SPORT TV

segunda-feira, março 13, 2006

A diferença

O tema surgiu numa conversa de amigos. Uma das pessoas comentava as atitudes de alguém (não interessa quem), colocando até em causa alguns dos seus sentimentos. Algo a ver com a postura desse alguém, não condizente naquilo que é a normalidade. Ora, a explicação é simples. Apesar de sermos todos seres humanos, a realidade é que também somos todos diferentes. Logo, cada um tem a sua forma de sentir a vida, viver uma paixão ou mostrar sentimentos.

Vivemos de formas distintas uma mesma experiência. Faz parte da essência humana. Sem podermos apontar ao outro uma falta do que quer que seja.

Uma história - parte IV

Sou feliz! Posso afirmá-lo com toda a convicção. Pena é que nem todos possam dizer o mesmo. É difícil compreender o que se passa à nossa volta, conseguir encontrar razões que expliquem os nossos desgostos e desilusões. É complicado vermos morrer os sonhos mais bonitos que temos.

Com as palavras que escrevo tento contar a minha história de Amor. Provavelmente, para quem me lê, não tem qualquer significado ou explicação lógica, mas existia em mim a necessidade de a passar para o papel, transformá-la em algo palpável. Partilhá-la com alguém.

Decerto até a história está apenas nas entrelinhas daquilo que escrevo, ou mesmo no imaginário de quem lê. A verdade é que o meu intuito é precisamente pôr o leitor a pensar, a imaginar o que quero dizer nas parcas ideias que tento transmitir.

sexta-feira, março 10, 2006

Lucho, o melhor da Liga

“É a minha opinião, haverá seguramente uma dúzia diferente. Pelo menos.

Mas eu acho que Lucho Gonzalez é nesta altura o melhor jogador da Liga. E como já levamos 25 jornadas, até pode acontecer que chegue ao fim sem mudar de ideias.

O argentino tem do seu lado os números. Esteve presente em 24 jogos, viu apenas dois cartões amarelos, as suas exibições costumam ser premiadas com notas altas e, mais importante, exibe o inesperado estatuto de melhor marcador do F.C. Porto e médio com mais golos na Liga, oito.

Mas Lucho é muito mais do que um agradável conjunto de números. Mesmo nos períodos em que o F.C. Porto oscilou, o argentino manteve o nível e a dignidade. Quando o adversário consegue anulá-lo (o que é raro mas sucedeu na Luz), o F.C. Porto não é o mesmo.

Mas por norma sucede o contrário e Lucho torna-se determinante. Impõe o ritmo, sabe ter a bola, ocupa bem os espaços antes vazios, defende com a humildade dos grandes.

Lucho é um daqueles jogadores que parece fazer tudo como quem respira, sem uma gota de suor, como se visse primeiro o que os outros ainda nem ousaram pensar.

Aposto que nos tempos da escola tinha sempre os cadernos impecáveis, estudava a lição e ficava no seu canto, sossegado, desempenhando o papel de preferido da professora. Até que o intervalo chegava e passava a ser o herói do recreio.

Se há jogadores que fazem subir o nível da Liga portuguesa, Lucho está lá. Por esta altura, provavelmente em primeiro lugar.”.

Luís Sobral – In Maisfutebol

terça-feira, março 07, 2006

Caminho para o Euro 2008: Sérvia e Montenegro

Equipa

Guarda-redes: Ilic, Jevric e Oliver Kovacevic
Defesas: Basta, Gavrancic, Krstajic, Lukovic e Vidic
Médios: Djordjevic, Duljaj, Sasa Ilic, Mladenovic, Nadj e Vukic
Avançados: Zigic, Kezman, Koroman, Ljuboja e Milosevic

Seleccionador: Ilija Petkovic (servo-montenegrino)

A estrela: Kezman (Atlético de Madrid). Depois de uma passagem frustrada pelo Chelsea de Mourinho, após ter dado nas vistas ao serviço do PSV, vai brilhando agora em Espanha. Marcou o golo do empate da Sérvia e Montenegro ante a Espanha, garantindo a presença da sua Selecção no Mundial da Alemanha.

- A Sérvia e Montenegro venceu o seu grupo de apuramento para o Mundial 2006 sem qualquer derrota, terminando à frente da Espanha.

- A Sérvia e Montenegro foi um dos 8 países europeus que não perdeu qualquer jogo na fase de apuramento para o Campeonato do Mundo de 2006. Os oito magníficos foram: Portugal, Holanda, França, Suíça, Israel, Espanha, Croácia e a própria Sérvia e Montenegro.

- Até ao início da fase de apuramento para o Euro 2008, a Sérvia e Montenegro, incluindo a Era da Jugoslávia, participou em 11 Campeonatos da Europa, disputando 86 jogos. Alcançou 46 vitórias, 17 empates e 23 derrotas, com 165 golos marcados e 112 sofridos.

Website: http://www.fsj.co.yu/

segunda-feira, março 06, 2006

Pensamento do dia

A verdadeira bravura não se demonstra nos campos de batalha a enfrentar animais ferozes ou perigosos que ponham a vida em risco!

A verdadeira bravura está em sair de casa para beber com os amigos, não avisar os pais, chegar a casa de madrugada caindo de bêbedo, ser recebido pela mãe de vassoura na mão e ainda assim ter peito para perguntar : ”vais varrer ou vais voar?”

quinta-feira, março 02, 2006

Uma história – parte III

Tudo pode acontecer. Ainda ontem nada fazia sentido e hoje já consigo sorrir. Consegui encontrar sem procurar, aquilo que muitos procuram sem encontrar: um Amor de verdade. Se me perguntam como e quando foi, respondo: “num dia como outro qualquer, já não sei porquê”.

O importante é que sei que o essencial ficará para sempre. Quer queiramos quer não, é impossível negar que existem momentos que nos marcam muito profundamente. Mais do que aquilo que por vezes pensamos ser possível. Ao lerem o que escrevo, devem achar que sou uma espécie qualquer de doutorado no assunto, mas na verdade sou apenas mais um que se deixou apanhar pelas malhas do Amor.

Não me importa! Sou um idiota. Mas não um idiota qualquer. Sou um idiota feliz e orgulhoso.

terça-feira, fevereiro 28, 2006

Para reflectir

“Eis uma coisa que não se pode dizer de José Mourinho. Ele é o verdadeiro exemplo do ganhador, de alguém que, acima de tudo, está ali para ganhar – sempre, se possível. Ao contrário de Adriaanse, Mourinho estuda os adversários ao detalhe e para cada jogo tem uma estratégia montada, a qual tem o dom de antecipar quase sempre o que o adversário vai fazer em cada situação. É por isso que ele vence tantas vezes: porque é um perfeccionista, um profissional completo, um viciado na vitória.

Mas há um reverso da medalha, como há sempre. Um, é que Mourinho tem dificuldade em saber perder. O outro é que, quando não há fantasistas na equipa, o futebol dele, se bem que continue vencedor, fica como o futebol do Chelsea: terrivelmente previsível e aborrecido, «industrializado», como alguém o definiu há dias. Já aqui escrevi há tempos que tenho a convicção de que o FC Porto de Mourinho venceria tranquilamente o Chelsea de Mourinho.

Esta semana, o Barcelona de Ryjkaard e de Ronaldinho, Deco, Messi e Eto’o, destroçou por completo o futebol científico e sem alma do Chelsea. E só não o esmagou, porque na baliza dos londrinos está um dos três melhores guarda-redes do Mundo. Ainda bem para o futebol, porque o que o Barcelona foi dizer a Stamford Bridge é que o talento, o génio e o improviso ainda são armas determinantes neste jogo.

A sangue-frio José Mourinho tinha obrigação de o ter reconhecido e ter cumprimentado o adversário. Desculpar-se com a expulsão de Del Horno e atacar o árbitro foi uma atitude de mau perdedor. Primeiro, porque o Del Horno foi muito bem expulso, pela simples razão de que, não conseguindo aguentar mais a tourada que o Messi lhe estava a dar, resolveu ver se o arrumava de vez. E, segundo, porque antes e depois da expulsão de Del Horno, a superioridade do Barcelona foi tão flagrante, a qualidade e beleza do seu jogo tão superiores, que qualquer outro desfecho seria uma tremenda injustiça. Resta a Mourinho provar em Camp Nou que o Chelsea é mais do que uma equipa quase vulgar, com um grande treinador.”.


Miguel Sousa Tavares – A Bola, 28 de Fevereiro de 2006

segunda-feira, fevereiro 27, 2006

Uma história – parte II

Nestes dias aconteceu algo diferente. Parece que alguém acendeu a luz do quarto escuro em que morava. Não tenho dúvidas: as coisas acontecem como são. De um momento para o outro fez-se “clic” e tudo ficou mais claro na minha vida. Às vezes pergunto-me porque razão é tão complicado conseguir viver a vida de uma forma simples e fácil.

Vou deixar que me levem para onde quiserem. Apetece-me andar ao sabor do vento, na ânsia de chegar a bom porto.

sábado, fevereiro 25, 2006

Dizem que a cachaça é água

Aqui fica uma crónica escrita por Rui Unas que refere, em traços gerais, aquilo que eu também penso acerca do Carnaval.

"É uma das úteis constatações que milhares e milhares de portugueses vão ouvir enquanto pulam em biquinhos dos pés e urram como ursos com o cio neste Carnaval: “Cachaça não é água não. Cachaça vem do alambique e a água vem do ribeirão”. Também na banda sonora desta quadra podemos ouvir considerações sobre os laços afectivos que nos unem a Charlie Brown (?) entre outras alarvidades “poéticas” que fazem parte dos clássicos carnavalescos desde que eu tenho memória.

Há algo de profundamente deprimente no Carnaval português. Eu até louvo a coragem das mulheres portuguesas cor de lixívia que bamboleiam a sua camada adiposa em praça pública nos desfiles, contra ventos, frios e chuvas. Até sou condescendente com o prazer anual que muitos homens têm em se vestir de mulher. Até suporto os confetes que me entram pela boca, nariz e ouvidos.

Eu até sou complacente com os carros alegóricos toscos que supostamente fazem crítica social. Eu até consigo compreender como há gente que se arrisque a apanhar herpes no meio de tanto suor partilhado em festas de discotecas e salões na promiscuidade da folia. Eu até aceito que gente que nunca vi na vida me trate com a intimidade de amigo de infância. Suporto passivamente as bebedeiras vomitadas na calçada.

Tenho pena, mas até compreendo, que não é fácil pôr a Alexandra Lencastre desnudada a espasmar no meio de Torres Vedras, como fazem as actrizes de primeira linha no Brasil. Não me importo mesmo nada com a probabilidade de podermos concretizar uma fantasia sexual do tipo facturar uma enfermeira ou a Catwoman numa qualquer festa com “fantasias”. Mesmo que tenham uma máscara de bruxa, nessa noite marcha tudo…

Nessas festas podemos roçar-nos à vontade, pegar nas anquinhas, na cinturinha de toda a mulher que nos aparecer à frente e isso, convenhamos, não acontece todos os dias. Temos sempre a possibilidade de assistir à transmissão do Carnaval do Rio de Janeiro que é sempre um regalo para a vista e inspiração para momentos mais solitários.

Os meus amigos vão desculpar-me, mas, de facto, o Carnaval para mim tem tanta importância com o dia da árvore ou o dia internacional da mulher, que é já para a semana. Passa-me um bocadinho ao lado. A não ser quando apanho com um saco de água em cheio! Aí é que me lembro do quão divertido é o Carnaval."

Rui Unas na sua habitual crónica semanal no “24 Horas”

quinta-feira, fevereiro 23, 2006

A arte de comunicar

Regra geral, trabalha-se mal a comunicação em Portugal. Muitas organizações têm endereços de e-mail para inglês ver e não tratam processos de candidatura como deve ser. Os canais de comunicação externa estão viciados à partida e na realidade não servem de mediação entre emissor e receptor de uma mensagem. Um exemplo: procuro emprego e já enviei inúmeros currículos (quer por e-mail, quer pelo correio) para todo o tipo de organizações. Contam-se pelos dedos de uma mão o número de respostas obtidas. Nem para me comunicarem que não estavam interessados ou que ficaria na base de dados.

Quem também trabalha mal a comunicação são os clubes portugueses. Veja-se o caso do FC Porto. Num clube que se quer projectar cada vez mais na Europa do futebol, não é admissível estabelecer um blackout tão prolongado. Assim perde investidores, deixa de ter destaque nos espaços noticiosos e pior do que isso promove a divulgação de constantes notícias falsas nos órgãos de comunicação. Isto porquê? Porque não existem fontes oficiais da parte do clube que veiculem informação fidedigna. Quem fica a perder mais é o clube e toda a massa adepta e simpatizante do FC Porto. Já não estamos em tempo de guerrilhas pessoais nem birras sem razão aparente. Estamos numa sociedade altamente globalizada e na qual uma boa comunicação é meio caminho andado para o sucesso.

Poucos sabem aproveitar as potencialidades dos meios de comunicação social. Muitos há que ainda não perceberam a existência de uma relação de sobrevivência mútua. Precisamos uns dos outros para atingirmos objectivos. Por muito bons ou muito maus que achemos os seus projectos. A arte de comunicar passa por perceber que um pormenor no presente faz toda a diferença num futuro próximo.

Uma história - parte I

Estou só!
Vagueio pelos meus pensamentos e sentimentos mais bonitos. Não consigo fazer outra coisa. Sinto-me impossibilitado de desfrutar aquilo a que eles chamam vida. Sem dar conta, saio por entre a escuridão, mergulho numa profunda tristeza, numa compaixão que me torna cruel e rude.

quarta-feira, fevereiro 22, 2006

Caminho para o Euro 2008: Bélgica

Equipa

Guarda-redes: Proto e Verbauwhede
Defesas: Deflandre, Hoefkens, Léonard, Lombaerts, Maertens, Vanden Borre e Vanderhaeghe
Médios: Deschacht, Geraerts, Goor, Simons e Walasiak
Avançados: Emile Mpenza, Mbo Mpenza, Pieroni e Vandenbergh

Seleccionador: René Vandereycken (belga)

A estrela: Emile Mpenza (Al-Rayyan, Qatar). Tem 49 internacionalizações e 17 golos marcados. A sua carreira já passou pela Bélgica (Standard de Liège) e pela Alemanha (Schalke 04 e Hamburgo SV). Marcou o seu último golo pela selecção num jogo amigável frente à Grécia a 17 de Agosto do ano passado.

- Na campanha para o Campeonato do Mundo de 2006, a Bélgica quedou-se pelo 4.º posto no seu grupo de apuramento, com menos 10 pontos que a Sérvia e Montenegro, 1.ª classificado do grupo. No total, em 10 partidas, os belgas venceram três jogos e empataram outros tantos, marcando 16 golos e sofrendo 11.

- A Bélgica esteve presente em 11 edições do Campeonato Europeu, totalizando 82 jogos. Nessas partidas, os belgas registaram 37 vitórias, 20 empates e 25 derrotas, com 124 golos marcados e 96 sofridos.

Website: http://www.footbel.com

segunda-feira, fevereiro 20, 2006

Bolo de Chocolate à Francesa

Como os weblogs servem para tudo e mais alguma coisa, aqui fica a receita do meu bolo de chocolate preferido. Todas as pessoas que o provam em minha casa ficam a gostar e logo pedem a receita. Daí este espaço de destaque no meu Blog. Experimentem porque vale a pena...

4 ovos; 250 g de açúcar; 125 g de chocolate em tablete; 125 g de farinha de trigo peneirada com 1 colher (chá) de fermento em pó; 2 dl de natas; margarina para untar a forma; açúcar em pó para polvilhar.

Unte muito bem com margarina uma forma de bolos e polvilhe-a com farinha. Bata as natas até ficarem como chantilly. Raspe o chocolate muito finamente no raspador. Bata os ovos com o açúcar até obter creme fofo e volumoso, misture-lhe a farinha, com cuidado e sem bater, depois o chocolate e, por último, as natas batidas, mas tudo cuidadosamente, sem bater. Deite o preparado na forma e leve a cozer em forno médio. Ao fim de 35 minutos verifique se está cozido e, se estiver, retire. Sirva-o depois de frio, polvilhado com açúcar em pó.

sábado, fevereiro 18, 2006

Ser

Ser como um beijo
Nascer no meu desejo
Morrer nos teus lábios...
Ser como um sentimento
Que se sente cá dentro
E não mais volta a sair...
Ser como a vida,
Um grito rebelde
O princípio do fim.

quinta-feira, fevereiro 16, 2006

Caminho para o Euro 2008: Azerbaijão

Equipa

Guarda-redes: Kramarenko e Hasanzade
Defesas: Agaev, Akhmedov, Amirbekov, Guliyev, Rashad Sadygov e Shukurov
Médios: Bakhshiev, Imamaliev, Kerimov, Muzika, A. Sadygov e Tagizade
Avançados: Aliyev e Nabiyev

Seleccionador: Shakhin Diniyev (azeri)

A estrela: Rashad Sadygov. Foi considerado o melhor jogador do Azerbaijão no ano 2005. É defesa e capitão da selecção, actuando neste momento no futebol turco. Para além disso foi o autor do último golo marcado pelos azeris.

- O melhor que os azeris conseguiram durante a fase de qualificação para o Mundial 2006 foi três pontos em dez jogos, marcando apenas um golo (Sadygov na partida com o País de Gales). Empataram em casa com País de Gales (1-1), Irlanda do Norte (0-0) e Áustria (0-0). A maior derrota averbada foi com a Polónia, perdendo por 8-0.

- O Azerbaijão participou em três campanhas de qualificação, totalizando 28 jogos (2 vitórias, 3 empates e 23 derrotas; 13 golos marcados e 75 sofridos).

- O Azerbaijão já não marca golos em jogos oficiais há 845 minutos.

Website: http://www.affa.az/

quarta-feira, fevereiro 15, 2006

Words

"É só para te lembrar que apesar de eu ter um lado torto, voltado para a loucura, também tenho um lado sério que te adora tanto quanto a loucura o permite..."

terça-feira, fevereiro 14, 2006

Uma piada

Empresário: Bom dia Sr. Engenheiro, há quanto tempo??!!!
Ministro: Olha, olha, está tudo bem?!
Empresário: Epá, mais ou menos, tenho o meu filho desempregado tu é que eras homem para me desenrascar o miúdo.
Ministro: E que habilitacões ele tem?!
Empresário: Tem o 12º completo.
Ministro: O que é que ele sabe fazer?!
Empresário: Nada, sabe ir para a discoteca e deitar-se às tantas da manhã.
Ministro: Posso arranjar-lhe um lugar como Assessor, fica a ganhar cerca de 4000, agrada-te?!
Empresário: Isso é muito dinheiro, com a cabeça que ele tem era uma desgraça. Não arranjas algo com um ordenado mais baixo?
Ministro: Sim, um lugar de Secretário. Já se ganha 3000.
Empresário: Ainda é muito dinheiro, não tens nada por volta dos 600/700???
Ministro: Epá, isso não, para esse ordenado tem de ser Licenciado, falar Inglês e dominar Informática.