terça-feira, fevereiro 28, 2006

Para reflectir

“Eis uma coisa que não se pode dizer de José Mourinho. Ele é o verdadeiro exemplo do ganhador, de alguém que, acima de tudo, está ali para ganhar – sempre, se possível. Ao contrário de Adriaanse, Mourinho estuda os adversários ao detalhe e para cada jogo tem uma estratégia montada, a qual tem o dom de antecipar quase sempre o que o adversário vai fazer em cada situação. É por isso que ele vence tantas vezes: porque é um perfeccionista, um profissional completo, um viciado na vitória.

Mas há um reverso da medalha, como há sempre. Um, é que Mourinho tem dificuldade em saber perder. O outro é que, quando não há fantasistas na equipa, o futebol dele, se bem que continue vencedor, fica como o futebol do Chelsea: terrivelmente previsível e aborrecido, «industrializado», como alguém o definiu há dias. Já aqui escrevi há tempos que tenho a convicção de que o FC Porto de Mourinho venceria tranquilamente o Chelsea de Mourinho.

Esta semana, o Barcelona de Ryjkaard e de Ronaldinho, Deco, Messi e Eto’o, destroçou por completo o futebol científico e sem alma do Chelsea. E só não o esmagou, porque na baliza dos londrinos está um dos três melhores guarda-redes do Mundo. Ainda bem para o futebol, porque o que o Barcelona foi dizer a Stamford Bridge é que o talento, o génio e o improviso ainda são armas determinantes neste jogo.

A sangue-frio José Mourinho tinha obrigação de o ter reconhecido e ter cumprimentado o adversário. Desculpar-se com a expulsão de Del Horno e atacar o árbitro foi uma atitude de mau perdedor. Primeiro, porque o Del Horno foi muito bem expulso, pela simples razão de que, não conseguindo aguentar mais a tourada que o Messi lhe estava a dar, resolveu ver se o arrumava de vez. E, segundo, porque antes e depois da expulsão de Del Horno, a superioridade do Barcelona foi tão flagrante, a qualidade e beleza do seu jogo tão superiores, que qualquer outro desfecho seria uma tremenda injustiça. Resta a Mourinho provar em Camp Nou que o Chelsea é mais do que uma equipa quase vulgar, com um grande treinador.”.


Miguel Sousa Tavares – A Bola, 28 de Fevereiro de 2006

segunda-feira, fevereiro 27, 2006

Uma história – parte II

Nestes dias aconteceu algo diferente. Parece que alguém acendeu a luz do quarto escuro em que morava. Não tenho dúvidas: as coisas acontecem como são. De um momento para o outro fez-se “clic” e tudo ficou mais claro na minha vida. Às vezes pergunto-me porque razão é tão complicado conseguir viver a vida de uma forma simples e fácil.

Vou deixar que me levem para onde quiserem. Apetece-me andar ao sabor do vento, na ânsia de chegar a bom porto.

sábado, fevereiro 25, 2006

Dizem que a cachaça é água

Aqui fica uma crónica escrita por Rui Unas que refere, em traços gerais, aquilo que eu também penso acerca do Carnaval.

"É uma das úteis constatações que milhares e milhares de portugueses vão ouvir enquanto pulam em biquinhos dos pés e urram como ursos com o cio neste Carnaval: “Cachaça não é água não. Cachaça vem do alambique e a água vem do ribeirão”. Também na banda sonora desta quadra podemos ouvir considerações sobre os laços afectivos que nos unem a Charlie Brown (?) entre outras alarvidades “poéticas” que fazem parte dos clássicos carnavalescos desde que eu tenho memória.

Há algo de profundamente deprimente no Carnaval português. Eu até louvo a coragem das mulheres portuguesas cor de lixívia que bamboleiam a sua camada adiposa em praça pública nos desfiles, contra ventos, frios e chuvas. Até sou condescendente com o prazer anual que muitos homens têm em se vestir de mulher. Até suporto os confetes que me entram pela boca, nariz e ouvidos.

Eu até sou complacente com os carros alegóricos toscos que supostamente fazem crítica social. Eu até consigo compreender como há gente que se arrisque a apanhar herpes no meio de tanto suor partilhado em festas de discotecas e salões na promiscuidade da folia. Eu até aceito que gente que nunca vi na vida me trate com a intimidade de amigo de infância. Suporto passivamente as bebedeiras vomitadas na calçada.

Tenho pena, mas até compreendo, que não é fácil pôr a Alexandra Lencastre desnudada a espasmar no meio de Torres Vedras, como fazem as actrizes de primeira linha no Brasil. Não me importo mesmo nada com a probabilidade de podermos concretizar uma fantasia sexual do tipo facturar uma enfermeira ou a Catwoman numa qualquer festa com “fantasias”. Mesmo que tenham uma máscara de bruxa, nessa noite marcha tudo…

Nessas festas podemos roçar-nos à vontade, pegar nas anquinhas, na cinturinha de toda a mulher que nos aparecer à frente e isso, convenhamos, não acontece todos os dias. Temos sempre a possibilidade de assistir à transmissão do Carnaval do Rio de Janeiro que é sempre um regalo para a vista e inspiração para momentos mais solitários.

Os meus amigos vão desculpar-me, mas, de facto, o Carnaval para mim tem tanta importância com o dia da árvore ou o dia internacional da mulher, que é já para a semana. Passa-me um bocadinho ao lado. A não ser quando apanho com um saco de água em cheio! Aí é que me lembro do quão divertido é o Carnaval."

Rui Unas na sua habitual crónica semanal no “24 Horas”

quinta-feira, fevereiro 23, 2006

A arte de comunicar

Regra geral, trabalha-se mal a comunicação em Portugal. Muitas organizações têm endereços de e-mail para inglês ver e não tratam processos de candidatura como deve ser. Os canais de comunicação externa estão viciados à partida e na realidade não servem de mediação entre emissor e receptor de uma mensagem. Um exemplo: procuro emprego e já enviei inúmeros currículos (quer por e-mail, quer pelo correio) para todo o tipo de organizações. Contam-se pelos dedos de uma mão o número de respostas obtidas. Nem para me comunicarem que não estavam interessados ou que ficaria na base de dados.

Quem também trabalha mal a comunicação são os clubes portugueses. Veja-se o caso do FC Porto. Num clube que se quer projectar cada vez mais na Europa do futebol, não é admissível estabelecer um blackout tão prolongado. Assim perde investidores, deixa de ter destaque nos espaços noticiosos e pior do que isso promove a divulgação de constantes notícias falsas nos órgãos de comunicação. Isto porquê? Porque não existem fontes oficiais da parte do clube que veiculem informação fidedigna. Quem fica a perder mais é o clube e toda a massa adepta e simpatizante do FC Porto. Já não estamos em tempo de guerrilhas pessoais nem birras sem razão aparente. Estamos numa sociedade altamente globalizada e na qual uma boa comunicação é meio caminho andado para o sucesso.

Poucos sabem aproveitar as potencialidades dos meios de comunicação social. Muitos há que ainda não perceberam a existência de uma relação de sobrevivência mútua. Precisamos uns dos outros para atingirmos objectivos. Por muito bons ou muito maus que achemos os seus projectos. A arte de comunicar passa por perceber que um pormenor no presente faz toda a diferença num futuro próximo.

Uma história - parte I

Estou só!
Vagueio pelos meus pensamentos e sentimentos mais bonitos. Não consigo fazer outra coisa. Sinto-me impossibilitado de desfrutar aquilo a que eles chamam vida. Sem dar conta, saio por entre a escuridão, mergulho numa profunda tristeza, numa compaixão que me torna cruel e rude.

quarta-feira, fevereiro 22, 2006

Caminho para o Euro 2008: Bélgica

Equipa

Guarda-redes: Proto e Verbauwhede
Defesas: Deflandre, Hoefkens, Léonard, Lombaerts, Maertens, Vanden Borre e Vanderhaeghe
Médios: Deschacht, Geraerts, Goor, Simons e Walasiak
Avançados: Emile Mpenza, Mbo Mpenza, Pieroni e Vandenbergh

Seleccionador: René Vandereycken (belga)

A estrela: Emile Mpenza (Al-Rayyan, Qatar). Tem 49 internacionalizações e 17 golos marcados. A sua carreira já passou pela Bélgica (Standard de Liège) e pela Alemanha (Schalke 04 e Hamburgo SV). Marcou o seu último golo pela selecção num jogo amigável frente à Grécia a 17 de Agosto do ano passado.

- Na campanha para o Campeonato do Mundo de 2006, a Bélgica quedou-se pelo 4.º posto no seu grupo de apuramento, com menos 10 pontos que a Sérvia e Montenegro, 1.ª classificado do grupo. No total, em 10 partidas, os belgas venceram três jogos e empataram outros tantos, marcando 16 golos e sofrendo 11.

- A Bélgica esteve presente em 11 edições do Campeonato Europeu, totalizando 82 jogos. Nessas partidas, os belgas registaram 37 vitórias, 20 empates e 25 derrotas, com 124 golos marcados e 96 sofridos.

Website: http://www.footbel.com

segunda-feira, fevereiro 20, 2006

Bolo de Chocolate à Francesa

Como os weblogs servem para tudo e mais alguma coisa, aqui fica a receita do meu bolo de chocolate preferido. Todas as pessoas que o provam em minha casa ficam a gostar e logo pedem a receita. Daí este espaço de destaque no meu Blog. Experimentem porque vale a pena...

4 ovos; 250 g de açúcar; 125 g de chocolate em tablete; 125 g de farinha de trigo peneirada com 1 colher (chá) de fermento em pó; 2 dl de natas; margarina para untar a forma; açúcar em pó para polvilhar.

Unte muito bem com margarina uma forma de bolos e polvilhe-a com farinha. Bata as natas até ficarem como chantilly. Raspe o chocolate muito finamente no raspador. Bata os ovos com o açúcar até obter creme fofo e volumoso, misture-lhe a farinha, com cuidado e sem bater, depois o chocolate e, por último, as natas batidas, mas tudo cuidadosamente, sem bater. Deite o preparado na forma e leve a cozer em forno médio. Ao fim de 35 minutos verifique se está cozido e, se estiver, retire. Sirva-o depois de frio, polvilhado com açúcar em pó.

sábado, fevereiro 18, 2006

Ser

Ser como um beijo
Nascer no meu desejo
Morrer nos teus lábios...
Ser como um sentimento
Que se sente cá dentro
E não mais volta a sair...
Ser como a vida,
Um grito rebelde
O princípio do fim.

quinta-feira, fevereiro 16, 2006

Caminho para o Euro 2008: Azerbaijão

Equipa

Guarda-redes: Kramarenko e Hasanzade
Defesas: Agaev, Akhmedov, Amirbekov, Guliyev, Rashad Sadygov e Shukurov
Médios: Bakhshiev, Imamaliev, Kerimov, Muzika, A. Sadygov e Tagizade
Avançados: Aliyev e Nabiyev

Seleccionador: Shakhin Diniyev (azeri)

A estrela: Rashad Sadygov. Foi considerado o melhor jogador do Azerbaijão no ano 2005. É defesa e capitão da selecção, actuando neste momento no futebol turco. Para além disso foi o autor do último golo marcado pelos azeris.

- O melhor que os azeris conseguiram durante a fase de qualificação para o Mundial 2006 foi três pontos em dez jogos, marcando apenas um golo (Sadygov na partida com o País de Gales). Empataram em casa com País de Gales (1-1), Irlanda do Norte (0-0) e Áustria (0-0). A maior derrota averbada foi com a Polónia, perdendo por 8-0.

- O Azerbaijão participou em três campanhas de qualificação, totalizando 28 jogos (2 vitórias, 3 empates e 23 derrotas; 13 golos marcados e 75 sofridos).

- O Azerbaijão já não marca golos em jogos oficiais há 845 minutos.

Website: http://www.affa.az/

quarta-feira, fevereiro 15, 2006

Words

"É só para te lembrar que apesar de eu ter um lado torto, voltado para a loucura, também tenho um lado sério que te adora tanto quanto a loucura o permite..."

terça-feira, fevereiro 14, 2006

Uma piada

Empresário: Bom dia Sr. Engenheiro, há quanto tempo??!!!
Ministro: Olha, olha, está tudo bem?!
Empresário: Epá, mais ou menos, tenho o meu filho desempregado tu é que eras homem para me desenrascar o miúdo.
Ministro: E que habilitacões ele tem?!
Empresário: Tem o 12º completo.
Ministro: O que é que ele sabe fazer?!
Empresário: Nada, sabe ir para a discoteca e deitar-se às tantas da manhã.
Ministro: Posso arranjar-lhe um lugar como Assessor, fica a ganhar cerca de 4000, agrada-te?!
Empresário: Isso é muito dinheiro, com a cabeça que ele tem era uma desgraça. Não arranjas algo com um ordenado mais baixo?
Ministro: Sim, um lugar de Secretário. Já se ganha 3000.
Empresário: Ainda é muito dinheiro, não tens nada por volta dos 600/700???
Ministro: Epá, isso não, para esse ordenado tem de ser Licenciado, falar Inglês e dominar Informática.

sábado, fevereiro 11, 2006

Estado Civil

"Podemos criticar, satirizar e atacar todas as ideias e convicções, incluindo as religiosas. É isso que define a liberdade. Quem se sente ofendido protesta, responde, escreve cartas, faz petições, organiza boicotes, exprime o seu desagrado por meios pacíficos. Contesta as opiniões, não contesta a liberdade de expressão.

As convicções e as leis de uma comunidade religiosa só vinculam os crentes dessa religião. Eu tenho direito a representar Maomé, a comer carne de porco, a trabalhar ao sábado e o mais que me apetecer. Assim como um muçulmano ou um judeu ou um ateu têm direito a não ligar nenhuma aos meus costumes e crenças e usos católicos.

Numa democracia, as pessoas não têm o direito de protestar com actos de violência. E o conceito de actos de violência inclui apelos directos ao homicídio (como os que ouvimos na boca de alguns muçulmanos ingleses).".

Este é um excerto do último post do Pedro Mexia no seu Blog. Eu assino por baixo. Para quem não sabe, Pedro Mexia é um poeta, crítico literário e blogger. Tem uma coluna diária de crítica cultural no Diário de Notícias e uma coluna semanal na revista Grande Reportagem. Escusado será dizer que gosto particularmente daquilo que ele escreve. Para os interessados aqui fica o Blog do Pedro Mexia: Estado Civil.

quinta-feira, fevereiro 09, 2006

Caminho para o Euro 2008: Finlândia

Equipa

Guarda-redes: Jääskeläinen e Kaven
Defesas: Heikkinen, Hyypiä, Kallio, Kuivasto, Nyman, Saarinen e Sauso
Médios: Eremenko Jr., Kopteff, Lagerblom, Tainio e Wiss
Avançados: Forssell, Johansson, Kolkka e Sjölund

Seleccionador: Roy Hodgson (inglês)

A estrela: Aleksei Eremenko Jr. (FC Saturn). Foi o homem golo da Finlândia (8 golos). Eremenko partilhou com Ibrahimovic o terceiro lugar na lista de marcadores da zona europeia de apuramento para o Mundial de 2006. Neste Inverno, trocou o Lecce de Itália pelo FC Saturn da Rússia.

- Durante a campanha de apuramento para o Campeonato do Mundo de 2006, a Finlândia obteve cinco vitórias e um empate, terminando a campanha no 4.º lugar do grupo. Os finlandeses ficaram a 9 pontos da 3.ª classificada Roménia e nunca ameaçaram as aspirações de qualificação das apuradas Holanda e República Checa. Realizaram algumas exibições notáveis, sobretudo fora de portas.

- A Finlândia participou em dez campanhas de qualificação, num total de 70 jogos (15 vitórias, 14 empates e 41 derrotas; 71 golos marcados e 129 sofridos).

Website: http://www.palloliitto.fi

quarta-feira, fevereiro 08, 2006

Palavras...

"Meu amor, estou à tua espera.
Quanto dura um dia quando está escuro?
E uma semana?
O fogo apagou-se. Tenho muito frio.
Devia arrastar-me até lá fora.
Mas haveria o sol.
Receio gastar a luz com as pinturas e para escrever estas palavras.
Morremos.
Morremos, ricos em amantes e tribos, gostos que experimentámos.
Corpos em que penetrámos e em que nadámos como rios.
Medos em que nos escondemos como esta maldita gruta.
Quero tudo isso marcado no meu corpo.
Nós somos os verdadeiros países.
Não as fronteiras marcadas em mapas com os nomes de poderosos homens.
Sei que virás e me levarás para o palácio dos ventos.
É tudo o que sempre quis.
Passear nesse lugar contigo...com amigos.
Uma Terra sem mapas.
A lanterna apagou-se e estou a escrever às escuras".

Um filme (por sinal dos meus preferidos) termina com estas palavras. Adivinhem qual...

Provérbios para gente culta

- Expõe-me com quem deambulas e a tua idiossincrasia augurarei.
(Diz-me com quem andas, dir-te-ei quem és)

- Espécime avícola na cavidade metacárpica, supera os congéneres revolteando em duplicado.
(Mais vale um pássaro na mão, que dois a voar)

- Ausência de percepção ocular, insensibiliza o órgão cardial.
(Olhos que não vêem, coração que não sente)

- Equino objecto de dádiva, não é passível de auscultação odontológica.
(A cavalo dado não se olha o dente)

- Idêntico ascendente, idêntico descendente.
(Tal pai, tal filho)

- Descendente de espécime piscícola sabe movimentar-se em líquido inorgânico.
(Filho de peixe sabe nadar)

- Pequena leguminosa seca após pequena leguminosa seca atesta a capacidade de ingestão de espécie avícola.
(Grão a grão enche a galinha o papo)

sexta-feira, fevereiro 03, 2006

A Saudade

A saudade pode deixar-nos com uma lágrima no canto do olho, um sorriso nos lábios ou quase sem jeito. Existem pequenos momentos (aqueles que relembramos com maior saudade) que deviam poder ser vividos vezes e vezes sem conta. Sou um saudosista. Dou por mim agarrado ao passado. E como sinto falta de tantas coisas…

Tempo que acabou

Lá fora chove…
Choro o tempo que acabou!
Solta-se um mar revolto que afoga o meu peito.
Acabou, ficou tudo lá no passado,
Recordações de dias de chuva,
Tempos em que o sol brilhava…
Agora vivo agarrado a tudo o que acabou!
Parou, terminou a beleza dos dias,
E agora, quieto no meu canto,
Viajo nas memórias do tempo que acabou…

quarta-feira, fevereiro 01, 2006

Óscares 2006 - Nomeações

Aqui ficam as nomeações para as estatuetas mais apetecidas:

MELHOR FILME

Brokeback Mountain
Capote
Crash
Good Night and Good Luck
Munich


MELHOR ACTOR PRINCIPAL

Philip Seymour Hoffman (Capote)
Terrence Howard (Hustle & Flow)
Heath Ledger (Brokeback Mountain)
Joaquin Phoenix (Walk the Line)
David Strathairn
(Good Night and Good Luck)

MELHOR ACTRIZ PRINCIPAL

Judi Dench (Mrs. Henderson Presents)
Felicity Huffman (Transamerica)
Keira Knightley (Pride & Prejudice)
Charlize Theron (North Country)
Reese Witherspoon
(Walk the Line)

Para quem quiser saber mais sobre a cerimónia e assuntos relacionados pode visitar OSCARS 2006.
Façam as vossas apostas!