terça-feira, maio 29, 2012

É estúpido

Uma vez é engraçado e até tem piada, duas ou mais começa a ser estupidez. Falo dos polvos com dotes de adivinho.

Depois do Mundial da África do Sul e do polvo Paul, Portugal não podia ficar atrás e terá agora o polvo Paulo para adivinhar os resultados do Europeu de futebol. Aliás, já vaticinou a derrota lusa diante da Alemanha no jogo de estreia no campeonato europeu. Convém referir que o polvo Paulo habita no Sea Life do Porto e a primeira previsão foi notícia. Ao que parece, Paulo teria dois minutos para escolher uma das duas caixas com comida mas demorou muito mais do que isso. Segundo explicação de um dos responsáveis do Sea Life a demora ficou a dever-se ao facto do jogo ser muito renhido e discutido. Vai ser muito equilibrado e daí a demora do Paulo em decidir-se.

Ora, espero que o polvo esteja enganado. Primeiro porque não acredito em polvos videntes e segundo porque esta é uma nítida manobra publicitária. Já vista, sem nada de novo, estúpida, eu diria. Já não tem piada. E o polvo fica muito melhor juntamente com um belo de um arrozinho solto servido num esplendoroso prato.

MSP

Porque já não ouvia há muito tempo...

Segue o teu destino

Segue o teu destino,
Rega as tuas plantas,
Ama as tuas rosas.
O resto é a sombra
De árvores alheias.

A realidade
Sempre é mais ou menos
Do que nos queremos.
Só nós somos sempre
Iguais a nós-proprios.

Suave é viver só.
Grande e nobre é sempre
Viver simplesmente.
Deixa a dor nas aras
Como ex-voto aos deuses.

Vê de longe a vida.
Nunca a interrogues.
Ela nada pode
Dizer-te. A resposta
Está além dos deuses.

Mas serenamente
Imita o Olimpo
No teu coração.
Os deuses são deuses
Porque não se pensam. 

Ricardo Reis

Pergunta

Será que é só a mim que irrita aquele anúncio do piquenique do Continente?

domingo, maio 27, 2012

Breves são os anos

No breve número de doze meses
O ano passa, e breves são os anos,
Poucos a vida dura.
Que são doze ou sessenta na floresta
Dos números, e quanto pouco falta
Para o fim do futuro!
Dois terços já, tão rápido, do curso
Que me é imposto correr descendo, passo.
Apresso, e breve acabo.
Dado em declive deixo, e invito apresso
O moribundo passo.

Ricardo Reis

Os caros

Tudo tem um preço e afinal todos temos o nosso preço. Há apenas uma pequena diferença. Os honestos são mais caros.

sábado, maio 26, 2012

expressão que gosto

jogar pau com os ursos

sexta-feira, maio 25, 2012

Sobre o filme todo


«E acho um comportamento lamentável, sim. Gostava de ouvir Carlos Lisboa explicar o seu gesto, também, porque não é nenhum tonto, e algo se terá passado para ele ter tido esta reacção. De qualquer forma, concordo que não é um gesto à altura, nem da circunstância nem do momento. Dito isto, mantenho que ele não pode tornar legitima uma reacção violenta do público, neste Dragão Caixa ou noutro recinto desportivo qualquer.

E que já vi comportamentos muito mais graves que, felizmente, não tiveram a mesma resposta violenta. Agora, a lógica do olho por olho, dente por dente, é tão primária como as ameaças feitas, desde ontem, a mim e à minha família, e mostra como o desporto, em Portugal, está transformado numa guerra medieval. A todos os que pactuam com essa guerra e que ameaçam e insultam por sistema, eu digo, bem alto: inchem. Eu tinha aqui preparado, como sempre faço aqui no blogue, o balanço de mais uma época do futebol, mas nem vou fazê-lo. O jogador do ano é, naturalmente, o Hulk, mas para quê perder tempo a explicá-lo? É igual.

A todos os que, independentemente do clube, conseguem ver, para lá do óbvio, e são capazes de ter uma conversa sobre o assunto, obrigado por existirem. Aos meus amigos, portistas, Álvaro Costa, José Torrinha e, ontem em Óbidos, João Moutinho e Bruno Alves, obrigado. Ainda há esperança, talvez. Aos que foram grafitar os FB da rádio e o meu, e concretizaram a sua fúria contra mim com tanta convicção, em tanto sítio e junto de tanta gente ontem, eu peço: usem a mesma determinação na campanha do Banco Alimentar, por exemplo. É o primeiro passo para, quem sabe, arranjarem uma vida.

Ontem foi um dia curioso. Desencantaram uma foto minha vestido com a camisola do Porto, numa emissão da Rádio nas Antas, em que eu, o Malato e a Lamy (nenhum de nós portista) vestimos uma camisola para umas fotos para a revista do Porto, e eu dei por mim a pensar: este gesto de cortesia hoje seria impossível. Como aquela famosa foto de Pinto da Costa com a bandeira do Benfica, por exemplo. E é pena, porque é a rendição à grunhice. A todos os que vieram aqui dizer que tinham deixado de gostar de mim, gostava de tranquilizar: na verdade, nunca gostaram. Só o descobriram agora, o que é óptimo para eles e para mim.»

Os Dias Úteis

Este é um texto escrito por Pedro Ribeiro da Rádio Comercial. Acrescento que estou 100% de acordo com o que ele escreveu. Acrescento apenas que aos adeptos não se pode pedir mais do que na maioria sabem e que um treinador, dirigente, jogador, roupeiro, médico, massagista tem obrigatoriamente de ter outra postura e saber estar. Quem não aguenta a pressão ou não sabe comportar-se à altura do lugar que ocupa, então está nitidamente a mais no desporto, independentemente da modalidade.

domingo, maio 20, 2012

question

Com quantos abraços se faz uma amizade?

sexta-feira, maio 18, 2012

Famalicão

As sinergias fazem sentido. E Famalicão está em grande.

quinta-feira, maio 17, 2012

...

«Se cada dia cai, dentro de cada noite,
Há um poço
Onde a claridade está presa.

Há que sentar-se na beira
Do poço da sombra
E pescar luz caída
Com paciência.»  

PN

terça-feira, maio 15, 2012

quote

«Quando provares a sensação de voar, andarás na terra com os olhos voltados para o céu, onde estiveste e para onde desejas voltar» Leonardo da Vinci

domingo, maio 13, 2012

...

"Aceitar tudo é um exercício, entender tudo é uma tensão. O poeta apenas deseja a exaltação e a expansão, um mundo em que ele possa se expandir"

G.K. Chesterton

expressão que gosto

é como um tirinho

Não entendo

"Obi Mikel teceu duras criticas a André Villas Boas. O médio não esconde que o treinador português cometeu alguns erros na sua passagem pelo Chelsea que acabaram por inviabilizar a sua permanência no clube londrino. Em entrevista ao diário inglês The Sun, o médio não poupou o técnico luso.

«A comunicação que tinha não era certa. André Villas Boas é um grande treinador, mas quando se é muito jovem e se entra num clube como o Chelsea acabam-se por cometer alguns erros» disse o jogador do Chelsea, que falou um pouco do seu caso em especial:

«Era um dos principais jogadores da equipa no início da época. Mas depois começaram a surgir muitas mudanças, muitas rotações e tornou-se tudo complicado. É díficil acharmos que jogámos bem num jogo e, logo no próximo, ficamos de fora sem saber o motivo».

De resto, Obi Mikel foi mais longe: «Este pensamento não era apenas o meu mas o de toda a equipa. Ninguém sabia o que estava a acontecer. E quando isso se passa ficamos sempre a pensar: para que vou treinar bem se não sabemos se vamos ou podemos jogar no fim-de-semana? Não sabíamos se valia a pena fazer um esforço», apontou."

Esta é uma notícia publicada no site da Bola. E há algo que não entendo. Porque não se sabendo quem joga ou é escolhido para jogar no fim-de-semana faz com que todos se tenham de esforçar ao máximo para conquistarem o lugar. Só quer dizer que todos partem em pé de igualdade e quem se esforçar mais durante a semana e demonstrar estar em melhores condições é que ganhará o seu espaço. O contrário é que seria preocupante. Logo, Obi Mikel não se esforçava convenientemente, logo não jogava. Ou é isso ou então não entendo.

sábado, maio 12, 2012

Linguagem universal

Ontem à noite, enquanto estava deitado na cama a ver televisão, à espera do sono, parei na TVI. Estava a ser transmitido um programa que abordava a "comunicação" entre o mundo dos vivos e o mundo dos mortos.

Na passagem a que assisti, uma senhora inglesa (uma espécie de vidente, espírita, ou outra coisa qualquer) dava conta, a um senhor da plateia, de uma conversa que estava a ter com o avô e um primo deste que já tinham falecido. Tudo isto sob a tradução da apresentadora do programa, Iva Domingues.

Ora, a senhora era inglesa e precisava da tradução da apresentadora para transmitir aquilo que os "do outro mundo" lhe iam dizendo. Será que do outro lado também existiria alguém a fazer a tradução ou lá, do outro lado, existe uma linguagem universal? Fiquei curioso. Embora esta pergunta deva ter muito a ver com o facto de ser um pouco céptico nestas matérias.

...

"Se você vai na estrada e vê que vai bater, os segundos antes são angustiantes. Depois de bater, vê que ficou vivo, vai tratar dos danos".

MST

Lido

Períodos excepcionais requerem líderes excepcionais e, em contrapartida, períodos "normais" não solicitam mais do que líderes vulgares.

citações

"Não gosto de ficar à beira do cais quando passa um comboio expresso"

Churchill

Como

Como o rio corre para o mar.
Como o ciclo vai e volta.
Como a sensação surge e se concretiza.
Como a ideia aparece e se desenvolve.
Como o texto ganha forma e as palavras se criam.
Como tudo gira, retorna e volta.
Tudo tem um princípio, um meio e fim.
Tudo começa e acaba. Tudo se renova e renasce. E morre.

Tentações

Hoje na revista Tentações (suplemento da revista Sábado) a capa tem o seguinte título: "O ranking mais calórico do ano". E completa com o seguinte texto: "Sorria, a vida não são só dietas: temos para si as 20 melhores batatas fritas de Lisboa e do Porto. E não sei porquê mas lembrei-me logo daquelas que para mim são as melhores batatas fritas que alguma vez comi. E que não são de Lisboa nem do Porto. São da Bairrada e acompanham o leitão.

Para além disso é engraçado perceber que com coisas simples e ideias aparentemente banais sr conseguem fazer pesquisas interessantes. Para além de nos fazerem pensar em... batatas fritas...

sexta-feira, maio 11, 2012

palavra que gosto

piroso

Macacos

"Cada macaco no seu galho". É uma expressão popular bastante utilizada que essencialmente quer dizer que cada um deve ocupar o seu espaço e dedicar-se apenas a fazer o que melhor sabe. E isso é fundamental para que uma organização funcione, para que um clube apresente resultados, para que os resultados sejam os melhores.

O presidente está lá para presidir, o treinador para treinar, o director desportivo para ser o elo de ligação entre a direcção, os jogadores e a equipa técnica, o director de comunicação para ser o responsável pela comunicação interna e externa do clube. Serve de elo de ligação entre o clube/organismo e a comunicação social.

Quando se vê um director desportivo dar uma grande entrevista a um jornal é porque algo está mal. Quando um presidente acha que pode convocar jogadores e escolher o onze inicial, então é porque a lógica está completamente invertida. Quando o treinador explica todos os lapsos de uma época com os erros de arbitragem, então é porque não consegue ter a capacidade de análise do jogo porque o treinador perfeito não existe. E os treinadores nunca devem ser árbitros de futebol.

Se cada um se esforçar por dar o seu melhor na posição que ocupa, certamente que será melhor dia após dia. E por consequência trará mais aspectos positivos para o espaço que ocupa numa qualquer estrutura. É preciso compreender bem quais as verdadeiras competências. E não querer estar sempre em bicos de pé.

iDermal ou como colar o iPod no pulso - JN

iDermal ou como colar o iPod no pulso - JN

Isto é estúpido.

quinta-feira, maio 10, 2012

excerto

"Não sou nada.
Nunca serei nada.
Não posso querer ser nada.
À parte isso, tenho em mim todos os sonhos do mundo."

FP

quote

"O que se faz de grande faz-se em silêncio"

Erik Geijer

expressão

armar barraca

quarta-feira, maio 09, 2012

a diferença

Os pequenos gestos podem fazer a diferença. Por insignificantes que pareçam, por pouco valor que possa ser atribuído. E o que se recebe em troca pode ser simplesmente um sorriso. Que até nem conseguimos ver, mas sentimos. Como dizia o título do meu (nosso) outro blogue: "dou-te a mão". E é mesmo isso. Trata-se de estender o braço e abrir a mão. Sentir que alguém a aperta é uma sensação óptima.

terça-feira, maio 08, 2012

Amanhã

...

«La felicidad sólo es real cuando es compartida»

expressão

dar uma mão ou uma mãozinha

palavra que gosto

gatafunho

E gosto da arte de fazer gatafunhos, mais conhecida por gatafunhar.

segunda-feira, maio 07, 2012

O Face

Começo a concordar com Miguel Sousa Tavares. O Facebook é para algumas pessoas uma revista cor-de-rosa. Com fofocas e onde se consegue saber quase tudo da vida das pessoas. A diferença é que nas revistas quem controla a informação sobre a vida de cada um é uma terceira pessoa. No Face são as próprias pessoas.

Confesso que não acho grande piada ao facto de se anunciar nas redes sociais que alguém morreu, com não sei quantos anos e que viveu bem ou mal todos os anos contados. Para tudo há limites. E cada um é como cada qual. É giro para brincar, para estarmos mais perto uns dos outros, mas determinadas informações ou comentários são escusados.

A linha entre o que é público e privado é por vezes demasiado ténue.

sopro

Demasiados dias têm longas horas. Intermináveis para um simples dia de chuva. Alguns minutos parecem anos e com tudo isso nos arrastamos quase sem darmos conta. Os segundos passam iguais. Porque a vida é um sopro.

domingo, maio 06, 2012

palavra que gosto

arisco

sábado, maio 05, 2012

...

"Os verdadeiros paraísos são os paraísos que perdemos"

quarta-feira, maio 02, 2012

Color add

Esta é mais uma prova de que os portugueses conseguem ser empreendedores e terem ideias de grande utilidade. Esta trata-se de ajudar as pessoas daltónicas, dando uma ajuda, por exemplo, na escolha da roupa todos os dias de manhã, sem o apoio de terceiros e sem fazer combinações de cores menos agradáveis.

Chama-se «Color add» e é um código gráfico de identificação de cores.

COLOR ADD


Este código tem sido já bastante utilizado nos têxteis, nomeadamente nas etiquetas das roupas fabricadas por algumas empresas portuguesas e estrangeiras. No metro do Porto também já é possível às pessoas daltónicas identificarem as cores das respectivas linhas através deste código.

som

Das ondas do mar a morrer na praia.
Dos ponteiros do relógio durante a madrugada.
Do silêncio da noite ao luar.
Da chuva lá fora a cair na terra molhada.

Ao que viemos

"Não tudo, mas alguma coisa depende da idade que temos agora e do jeito que temos de nos lembrarmos das idades que tivemos. Começamos por dizer "quando eu era novo" - mas nós nunca fomos simplesmente novos.
Mais do que termos sido novos, fomos antes vários tipos de novo. Até a tabela mais automática que seguimos começa aos cinco anos, idade das primeiras memórias certas, e continua, roboticamente: 10, 15, 20, 25, 30, 35, 40, 45, 50, 55, 60, 65, 70 e adiante, tomando o lustro como o equivalente pessoal da década da História.
Fala-se, com lassitude, de gerações. Nunca se fica a saber, mal ou bem, a qual pertencemos, mesmo que queiramos pertencer a alguma. Imagine-se a bandalheira correspondente se assim se falasse dos vinhos do Porto como sendo da geração dos anos 40, 50, 70 ou 90.
Não. Importa o ano em que se nasce. A idade, tal como no vinho, é relativa. Algumas pessoas ganham em consumir-se cedo. As melhores exigem que se espere. Resta vermos as nossas idades não como um percurso linear e previsível mas com a surpresa deliciosa dos anos vintage que não se adivinhar.
No ser humano, as idades importantes talvez sejam: 0 a 1, 3, 5, 7, 10, 12, 13, 14, 15, 16, 18, 19, 20, 21, 23, 25, 28, 30, 31, 35, 39, 40, 41, 45, 49, 50, 52, 55, 59, 60, 65, 69, 70, 74, 76, 79, 80, 81, 85, 86, 90, 91, 95, 98, 100, 105, 110, 111 e 120.
Quando éramos novos éramos velhos. Quando somos velhos, ainda somos novos. Resta saber, como sempre, ao que viemos."

Miguel Esteves Cardoso

Valeu tudo para pagar metade no Pingo Doce - JN

Valeu tudo para pagar metade no Pingo Doce - JN

Acho isto ridículo. É aquela ideia do vale tudo por causa do dinheiro. As pessoas acabam por comprar coisas que nem precisam e bem feitas as contas acabam por gastar dinheiro de forma desnecessária. A crise não justifica tudo. Assim como nem todas as campanhas publicitárias ou jogadas de marketing justificam os fins. O que fica é uma péssima imagem.

terça-feira, maio 01, 2012

expressão que gosto

rigoroso exclusivo

tudo pode dar certo

"Love, despite what they tell you, does not conquer all, nor does it even usually last. In the end the romantic aspirations of our youth are reduced to, whatever works."

banda sonora

Phones nos ouvidos e nada parece fluir melhor. Seja uma ideia, um devaneio, um simples aperto no peito. Resulta melhor com música. Agora com Foster The People e Pumped Up Kicks...