segunda-feira, dezembro 27, 2010

Momentos

Só temos uma vida e não sete, como os gatos. Uma vida que devemos tentar viver da melhor forma que soubermos. São muitos os dias disponíveis para erramos, cometermos injustiças, provocar estragos ou simplesmente irmos contra a nossa natureza. Do bem ou do mal. Existem demasiadas possibilidades em aberto. É sempre complicado escolher. Acertar nas escolhas é o que se pede. E vamos mudando, crescendo, encontrando a pessoa que somos verdadeiramente. Ninguém sabe tudo ao nascer ou morre plenamente realizado. Falta sempre qualquer coisa, como falta faz quem já nos deixou. Todos os dias.

Escusado será dizer que teimamos em magoar quem mais gostamos. Os que estão do nosso lado incondicionalmente, de forma incansável e para que nada nos falte são constantemente as cobaias. Dos nossos dias de desespero até aos dias maus. Nada que um abraço, a palavra certa não resolva. Nada melhor do que saber perdoar, saber não fechar as portas e deitar fora a chave. Não vale a pena travar uma guerra por dá cá aquela palha. Virar as costas, esconder a mão, desviar o olhar. A vida é curta de mais para a pequena mesquinhez sem sentido. Não percam os momentos que não têm de perder. E vamos sempre a tempo de partilhar mais momentos importantes. Esquecendo todos as horas perdidas e recuperando, juntos, as memórias dos minutos vividos lado a lado.

Sem comentários: