segunda-feira, fevereiro 21, 2011

...

Como se a porta se fechasse de cada vez que viro costas. Como se a casa ganhasse vida, dia após dia. Como se a delicadeza de um olhar fosse capaz de virar tudo a meu favor. Pelo sim, pelo não, deixo que me levem pela mão, com a tranquilidade que não é minha, mas tua.

Sem comentários: