sexta-feira, janeiro 14, 2011

Tempo

Vivemos na evidência de que tudo é por demais garantido. Que ao dia se segue a noite, que ao sono se segue o sonho e depois o acordar. Deixamos para amanhã o que podemos fazer hoje. Confiamos demasiado no "até amanhã", como se fosse certo que aquele amanhã vai chegar no dia seguinte.

É dos nossos maiores erros. Avançar quase sem olhar para trás e com a confiança desmedida que tudo se repetirá. Que temos tempo. É relativo, incerto, talvez. Por tudo isto, nada melhor que dizer as palavras certas nos momentos certos. Aquele "gosto de ti" ou o "hoje apetece-me um abraço teu, apertado como só tu sabes".

Porque o tempo passa a correr e não o podemos desperdiçar.

3 comentários:

TMD disse...

CARPE DIEM!

TMD disse...

..e já agora um grande abraço!

Bruno Marques disse...

Isso mesmo. :) abraço do mesmo tamanho. :D