segunda-feira, janeiro 22, 2007

Um apontamento

Na semana que passou, eu e o Pedro Sá tivemos a oportunidade de entrevistar um guarda-redes famalicense que recentemente assinou pelo Desportivo das Aves: o Zé Eduardo.

Foi uma entrevista muito fácil de fazer porque o entrevistado era bom, o que facilita, e muito, o trabalho do jornalista. Só para contextualizar, o Zé Eduardo foi formado nas camadas jovens do FC Porto e depois partiu para duas experiências no estrangeiro. A primeira, não tão bem sucedida, onde jogou na Roménia ao serviço do National de Bucareste. A outra, em Israel, onde actuou durante duas épocas ao serviço do Hapoel de Jerusalém.

Entre muitas outras coisas interessantes, o guarda-redes famalicense falou sobre a experiência em Israel e a vivência naquele país que qualificou de "seguro". Ora, certamente que qualquer português pensa em tudo menos nisto porque o que nos chega pelos meios de comunicação social não transmite essa realidade. E Zé Eduardo comprovou isso com números, referindo-se aos atentados em Espanha e nos Estados Unidos que mataram bem mais pessoas do que todos os que foram feitos em Israel até à data.

Foi ainda mais longe, dizendo qualquer coisa como isto: "se em Israel só mostrarem imagens do Casal Ventoso que ideia irão ter os isrealitas dos portugueses?". Bem observado. E isto remete-nos para questões bastante mais interessantes. Porque na verdade nem tudo o que passa na televisão transmite fielmente a realidade das coisas. E daí termos ideias erradas acerca de uma enormidade de assuntos.

4 comentários:

H.R. disse...

Caro Bruno,
Bem visto. Ao ler este post recordo o infeliz Borat e a triste imagem que transmite de dois países: o Casaquistão e os EUA.
Um grande abraço. Espero que a vida te corra bem!

carla disse...

Sem dúvida que a perspectiva é interessante... aqui fica outro exemplo: Nós portugueses estamos habituados a ver na televisão o Rio de Janeiro. Todos nós pensámos que gostaríamos imenso de visitar aquela cidade, que maravilha, praias, lindos jardins, apartamentos fantásticos, muito sol, sumos naturais em todas as esquinas nas barraquinhas de palha, só pessoas bonitas e bronzeadas e com biquinis minusculos na areia... na verdade a realidade é bem diferente, porque os realizadores das telenovelas nunca nos mostram os bairros que ficam nas encostas e que são uma imagem visual muito forte e chocante, ou seja, POBREZA EXTREMA...

Flá disse...

Eu quando encontro um bom entrevistado levanto os braços para o céu, porque o habitué, na área em que estou, é encontrar beltranos que se limitam ao "sim", "não", "não sei" ou aqueles que "falam, falam, mas não dizem nada". É duro... pior, é chato. Mas tu também tiveste sorte com o Zé Eduardo, porque os futebolistas por norma (ou educação) não costuma ser muito eloquentes...

Quanto ao aspecto que focaste, das realidades que nos chegam de determinados países, eu julgo que, ao contrário dos exemplos que deste e os dos comentários deixados, a ideia que lá fora se tem do nosso país até espelha bem a caca em que estamos. Se calhar ainda estamos supervalorizados, mas isso é questão de tempo. A verdade é como o azeite...

Bruno Marques disse...

Pois, não faltam exemplos de imagens transmitidas que não mostram a verdadeira realidade das coisas.
Flá, isso do "sim" e do "não" é realmente complicado. Como costuma dizer um companheiro de trabalho, "aqueles entrevistados que apenas abanam com a cabeça". :)
Cumprimentos a todos vós que visitam o meu humilde blogue.