quarta-feira, dezembro 19, 2007

Respirar fundo

Às vezes a vida corre tão depressa que nem temos tempo para respirar fundo. Tempo para por exemplo contemplar a linha no horizonte que separa o mar do céu. Tempo para navegar em águas calmas e... respirar bem fundo...

2 comentários:

Anónimo disse...

As palavras

São como um cristal,
as palavras.
Algumas, um punhal,
um incêndio.
Outras,
orvalho apenas.

Secretas vêm, cheias de memória.
Inseguras navegam:
barcos ou beijos,
as águas estremecem.

Desamparadas, inocentes,
leves.
Tecidas são de luz
e são a noite.
E mesmo pálidas
verdes paraísos lembram ainda.

Quem as escuta? Quem
as recolhe, assim,
cruéis, desfeitas,
nas suas conchas puras?

Eugénio de Andrade

Perente a paisagem apeteceu-me... e perante alguns dos teus posts...

beijinhos
Carla Soares

Bruno Marques disse...

É Eugénio de Andrade! Está tudo dito. Obrigado pelo gesto carinhoso. És um kiduxa...