segunda-feira, fevereiro 02, 2009

Incondicional

Normalmente para conseguirmos alguma coisa na vida, temos de a conquistar. Pode dar mais ou menos trabalho, mas obriga sempre a algum esforço, alguma luta, algum sofrimento. No entanto, há um tipo de amor que é pré-adquirido e jamais se perde. Pode chamar-se de amor incondicional, ou seja, sem qualquer condição para que possa ser mais ou menos forte ou simplesmente extinguir-se. Que continua a existir independentemente de nos portarmos bem ou mal e que nem sequer diminui de intensidade.

Um exemplo deste tipo de amor é aquele que existe entre pais e filhos. Existirá sempre uma ligação e um carinho, um respeito interminável. Por muitas voltas que a vida dê, por muitos caminhos errados que vamos trilhando. Acredito que este tipo de amor também se possa construir com pessoas de diferentes afinidades. E que também pode ser interminável. Porque é incondicional...

5 comentários:

Jorge Rita disse...

Li ontem isto q escreveste e fiquei a pensar na coisa. Nao no exemplo q das do tal incondicional mas na sua possibilidade de se estender a outros q nao os exemplos citados. Enfim, conclui o obvio: a fronteira entre o incondicional e o ódio é de facto mt ténue....
só vim hoje pq funciono assim. em modo lento.

Bruno Marques disse...

Antes lento do que simplesmente não funcionar. E há coisas que precisamos de reflectir antes e termos alguma opinião. Concordo que a fronteira entre o amor e o ódio possa ser ténue. Até porque são duas coisas opostas. Logo estão afastadas e ao mesmo tempo perto...

Adilson Medeiros (Jr.) disse...

Bruno, muito legal o seu blog. Sou jornalista também, escrevo do Brasil... com relação ao incondicional, fico imaginando... será que as pessoas estão preparadas para o incondicional que não seja o de pai e mãe? Será que elas acreditam que existe? Brother, eu gostaria que tivessem, mas não sei... Abração e parabéns aí!!!!!

Bruno Marques disse...

Adilson, obrigado pelo seu contributo. Realmente a parte do incondicional não é fácil nem está ao alcance de todos.

Abraço e volte sempre

Anónimo disse...

Bru.
Tout court!o inverso tb e bonito de se ver!
pontogi