segunda-feira, outubro 08, 2007

Memória

Existem certos acontecimentos nas nossas vidas que ficam marcados. Ou melhor, passagens que ficam registadas no baú das memórias e que nos vão acompanhando ao longo dos anos. Algumas ficarão sempre guardadas.

E na maior parte das vezes não atribuímos grande importância no momento em que as vivemos, mas posteriormente assumem um significado maior. Ou porque sentimos saudades ou porque achamos que jamais voltaremos a vivê-las daquela forma. E se pensarem bem, encontrarão esses momentos. Por muito banais que possam ser.

Por exemplo, recordo-me das bolachas com queijo, magníficas, que a minha avó preparava com tanto cuidado. Não tinha grande segredo, já que se tratavam de duas bolachas Maria com um pouco de queijo no meio, mas tinham um sabor único. Tinha eu uns dez anos e quando me ia despedir dela era presenteado com essa oferta.

Agora, com alguns anos de distância, sei que as bolachas com queijo nunca mais terão o mesmo sabor. Um sabor que está guardado num cantinho especial...

6 comentários:

RADIOGRAFIA disse...

As coisas quando era pequena tinham outro sabor pela sua raridade: as batatas fritas, os gelados, as bolachas boas...
O meu lanche preferido era pão com marmelada e queijo, uma banana e uma laranja. Tudo guardado naquelas 'saquinhas' de tecido para comer no recreio da escola primária.

Bruno Marques disse...

Fiquei agradado por saber qual o teu lanche preferido...
Eu também me lembro dos meus lanches no recreio. E lembro-me que a minha mãe me mandava uma sandes de queijo em que a fatia de queijo era o dobro do pão.

Pedro Sá disse...

Amigos eu tomo yop de banana.. sim de bana..é verdade e este iogurte faz me lembrar as tardes na povoa, na praia...
A memória é fraca mas regista sabores indiscretos e inesqueciveis

Anónimo disse...

Pois é, meus amigs, a minha avó ninguém bate. Ela tinha o condão de produzir Sumol, há pois é... Numa garrafa do dito sumo, punha açucar e enchia depois com água. Era delicioso aquele Sumol... Tenho tantas saudades dela.
Magda

RADIOGRAFIA disse...

E alguém se lembra da cevada fresquinha com açucar??? Era tão boa!

Bruno Marques disse...

Não sou muito adepto de cevada, mas sabia bem quando era feita na hora. Acho que agora a cevada está um pouco em desuso. Mas sim, era saborosa...