segunda-feira, julho 22, 2013

O cheiro

O cheiro pode dizer muito de uma pessoa. Se está suja, limpa, lavada, fresca, com cheiro esquisito. Que se nota, como se estivesse perto mesmo a milhas de distância, influenciando a nossa atitude perante o cheiro, o portador. Também é possível pedir um cheiro emprestado. Designado por perfume e que mesmo não sendo um odor natural do corpo revela muito da pessoa que o usa. Se não for mais, o gosto de quem o transporta.


Acabamos por guardar os diferentes cheiros que se cruzam com os nossos narizes. Fazemos associações de que aquele determinado cheiro pertence àquela pessoa em particular. Os sítios também têm o seu cheiro característico. O cobertor, a roupa, a praia, a maresia, a terra molhada pelas gotas de chuva lentas após um longo período de seca.

Muitos cheiros reconhecemos instantaneamente. Fazemos a ligação, identificamos. Sem precisarmos de ter connosco um pequeno frasquinho e a amostra em forma de liquido do cheiro que gostamos. Embora dê jeito para encostarmos o nariz, aspirar ligeiramente, devagar a saborear, e viajarmos até onde o cheiro nos leva. Mesmo sendo impossível de o esquecer.

2 comentários:

Anónimo disse...

E isso diz tanto...

Bruno Marques disse...

O cheiro equivale à identidade de algo ou de alguém. Transportando-nos no tempo para a sua memória. Até o voltarmos a sentir presencialmente.